25.5 C
Lucas do Rio Verde
domingo, 25 outubro, 2020
Início MUNDO Justiça rejeita criação de gabinete de crise na prefeitura do Rio

Justiça rejeita criação de gabinete de crise na prefeitura do Rio

Por Mariana Tokarnia - Repórter da Agência Brasil

O Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro negou o pedido da Defensoria Pública (DP) e do Ministério Público do estado (MPRJ) para que a prefeitura da capital tome medidas para melhorar a saúde do município. MPRJ e Defensoria recorreram da decisão.

A ação civil pública ajuizada contra a prefeitura da capital fluminense nesta quarta-feira (11) cobra uma série de medidas que permitam superar a atual crise enfrentada pela Secretaria Municipal de Saúde.

Uma das demandas é a criação imediata de um gabinete de crise capaz de apontar ações técnicas necessárias para a saúde local e a elaboração de um plano de contingência que inclua ações emergenciais destinadas à retomada do funcionamento adequado e contínuo das unidades com serviços paralisados.

Ao negar o pedido foi negado, a Justiça do estado alegou que precisava ouvir a prefeitura e que “não cabe ao Judiciário, ou à parte autora, determinar como o Poder Executivo deve exercer suas funções e governar. A administração pública municipal, inclusive da rede de saúde municipal, cabe ao Poder Executivo do município do Rio e ao seu chefe, no caso o prefeito”.

A decisão judicial diz ainda que não há “prova irrefutável de que a parte ré está contingenciando ilegalmente verbas oriundas de repasses constitucionais à saúde e receitas vinculadas ao custeio de ações e serviços públicos de saúde”.

As partes recorreram da decisão com o argumento de que “há fortes evidências de que o município não só contingencia despesas de forma desproporcional no setor saúde, como aplica grande soma de recursos em setores não prioritários, de promoção pessoal do gestor, e sem qualquer motivação”.

O MPRJ e a Defensoria consideram “urgente” uma ação do Poder Judiciário na área da saúde municipal. “Faz-se urgente uma ação firme do Poder Judiciário para coibir abusos inaceitáveis das verbas públicas e garantir a transparência nas decisões administrativas de gestão orçamentária dos recursos do setor.” As duas instituições argumentam que, “ao indeferir a tutela de urgência pleiteada, a decisão agravada causa lesão grave e de difícil reparação para os munícipes [cidadãos] mais vulneráveis, que dependem diariamente dos serviços ofertados pelas unidades de saúde, o que demanda sua revisão”.

Médicos, enfermeiros e assistentes da rede municipal de saúde afirmam que estão há dois meses sem receber salários e que os hospitais, sempre superlotados, têm menos funcionários do que precisam para prestar atendimento satisfatório.

Com base em dados do próprio município, o Ministério Público e a Defensoria Pública afirmam que a gestão do prefeito Marcelo Crivella retirou pouco mais de R$1,6 bilhão do orçamento da pasta desde 2017.

Nádia Franco



Dayelle Ribeirohttps://www.cenariomt.com.br
Redatora do portal CenárioMT
- Publicidade -

Últimas

Hospital Regional de Colíder fica alagado com forte chuva em Mato Grosso

A forte chuva da tarde deste sábado (24) causou transtornos à população do município de Colíder (a km de Cuiabá). No Hospital Regional corredores...

Temporal derruba árvores em cima de carros em Cuiabá

A ventania da forte chuva que atingiu Cuiabá e Várzea Grande na tarde deste sábado (24) causou vários estragos em bairros das duas cidades....

Presidente da Samsung morre aos 78 anos na Coreia do Sul

O presidente da Samsung, Lee Kun-hee, morreu aos 78 anos neste domingo. Não se sabe a causa da morte. Segundo informações, Lee, que já estava hospitalizado...

Pós-graduandos relatam experiências em estágio no Governo do Estado

O estágio é na maioria das vezes a porta de entrada para o mercado profissional. Além de dar vivência e transformar teoria em ação...