Exportação dos Cafés do Brasil totaliza 43,7 milhões de sacas no acumulado de onze meses e caminhadas para bater recorde histórico

Fonte: Thiago Farah Cavaton e Lucas Tadeu Ferreira / Embrapa Café

cafe in natura
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O volume físico exportado dos Cafés do Brasil, no atual ano-cafeeiro de 2023-2024, especificamente no total acumulado de julho de 2023 a maio 2024, atingiu a soma correspondente a 43,7 milhões de sacas de 60kg, o qual está próximo de superar o maior volume exportado em um ano-cafeeiro, obtido em 2020-2021, quando o Brasil embarcou 45,7 milhões de sacas.

A receita cambial gerada com as vendas, entre julho de 2023 e maio de 2024, cujo valor médio da saca foi de US$ 228,34, já é o maior valor obtido na história em um único ano-safra ao totalizar US$ 8,96 bilhões, superando o antigo recorde de US$ 8,13 bilhões ocorridos em 2021-2022. Vale ressaltar que a receita cambial do mês de junho de 2023 ainda será acrescentada a esse valor, o que faz com que o desempenho financeiro das exportações no ano-cafeeiro de 2023-2024 seja ainda mais significativo, superando US$ 9 bilhões.

Do total do volume exportado nos últimos 11 meses, de 43,7 milhões de sacas de 60kg, vale destacar que a exportação de café da espécie arábica ( Coffea arabica ) foi responsável por 75,3% desse volume, ao atingir 32,94 milhões de sacas. E da espécie  Coffea canephora  (café conilon e robusta), com 7,41 milhões de sacas, alcançou 17% de participação nessas vendas, enquanto o café solúvel representou 7,6% do total, com um volume equivalente a 3,31 milhões de sacas exportados. Fechando as exportações brasileiras no período, o café Torrado & Moído, com o equivalente a 40,5 mil sacas, foi responsável por menos de 0,1% do total.

[-CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE-]

Também merece bastante destaque o desempenho das exportações brasileiras, considerando apenas o mês de maio de 2024. Tal volume exportado, de 4,38 milhões de sacas de 60kg, é o maior já exportado nesse mês, e representa um aumento significativo de 79,6 % em relação a maio do ano passado. O volume referido gerou US$ 1,01 bilhão de receita, que configura um aumento expressivo de 85,9% em relação ao mesmo mês de 2023, o que caracteriza maio de 2024 como o mês com a maior receita cambial registrada com exportação de café.

Antes de obrigação com esta análise do desempenho das exportações dos Cafés do Brasil, vale ressaltar que os dados objeto desta análise em foco, entre vários outros do mercado internacional de cafés de interesse do setor, encontram-se disponíveis no  Relatório mensal maio 2024 , do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil  –  Cecafé cujas edições também estão divulgadas na íntegra no  Observatório do Café  do Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café. O Cecafé faz parte do Conselho Deliberativo da Política do Café –  CDPC , do Ministério da Agricultura e Pecuária – Mapa , conforme o Decreto 10.071/19 .

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Mudando o período de análise para o atual ano civil, de janeiro a maio de 2024, cujo volume das exportações de café equivaleram a 20,7 milhões de sacas de 60kg, vale destacar, conforme os dados divulgados pelo Cecafé, no relatório em destaque, os dez principais destinos das exportações dos Cafés do Brasil, num ranking em ordem decrescente.

Assim, na primeira colocação, figuram os Estados Unidos, que registrou aumento de 37,6% nas compras dos Cafés do Brasil, na comparação com o mesmo período anterior, e, dessa forma, continua como o principal importador com 3,47 milhões de sacas, que cobrem 16,8% do total vendido no período. Na sequência, a Alemanha, com 2,95 milhões de sacas (14,3%), número que representou um aumento de 75% das sacas desse país. A Bélgica, em terceiro lugar, após realizar um expressivo aumento nas compras, de 232,2% em comparação com o ano passado, ao importar 2,11 milhões de sacas (10,2%); Itália, na sequência, com 1,66 milhões de sacas (8%); e Japão, na quinta colocação, com 980 mil sacas (4,7%).

Na sexta posição, destacam-se os Países Baixos com 682,3 mil sacas (3,3%); Reino Unido, após um crescimento de 111,1% encontra-se na sétima colocação no ranking, com 665,2 mil sacas compradas (3,2%); Espanha, na oitava posição, com 650,6 mil sacas (3,1%). E, na nona colocação, a Turquia com 597,29 mil sacas (2,9%); por fim, em décimo lugar, após um expressivo incremento de 703,4%, o México retorna ao ranking dos dez maiores importadores dos Cafés do Brasil, com 465,8 mil sacas (2,2%).

Merece também destaca, com base nos dados do Cecafé, que o desempenho das exportações dos cafés diferenciados, que são os que possuem qualidade superior ou certificados de práticas sustentáveis, também durante o atual ano civil – janeiro a maio de 2024, verifica-se que as exportações desse tipo de café representaram 19,3% do total das vendas, com 4 milhões de sacas de 60kg remetidas ao exterior.

É formado em Jornalismo. Possui experiência em produção textual e, atualmente, dedica-se à redação do CenárioMT produzindo conteúdo sobre política, economia e esporte regional.