18.9 C
Lucas do Rio Verde
sexta-feira, 07 maio, 2021
InícioMUNDOEsposa presenteia marido com pirarucu de 2 metros

Esposa presenteia marido com pirarucu de 2 metros

Por G1/GO

O pirarucu de quase 2 metros que virou atração no lago de um parque do Setor Jaó, em Goiânia, viveu quase seis anos em uma casa do mesmo bairro até ser solto no local. A dona de casa Priscila Sales Abuchaim conta que deu o animal de presente para o marido, que é apaixonado por pesca, mas precisou soltá-lo por ter de se mudar de Goiânia.

 “Um dia eu cheguei na loja onde a gente sempre comprava e tinha um pirarucu. Eu falei: ‘Esse pirarucu é nosso, eu vou comprar esse pirarucu’. Ele tinha cerca de 20 centímetros, era muito pequenininho”, disse.

 


--Continua depois da publicidade--

Priscila precisou se mudar para São Paulo no início da pandemia de coronavírus. Com isso, ela decidiu colocar o animal no lago do Parque da Liberdade e contou com a ajuda de três homens.

 “Não foi fácil para retirar ele do lago de casa. A gente teve que esvaziar um pouco o lago. Foram três homens para segurar o pirarucu e colocá-lo dentro da caixa d’água”, contou.

Ambiente não é ideal

Atualmente, o peixe pesa 70 kg e tem quase 2 metros de comprimento. Com o tempo, o animal pode chegar a medir 3 metros.

Apesar de ter virado atração entre os moradores do Setor Jaó, a bióloga Vanessa de Castro, da Agência Municipal de Meio Ambiente (Amma), explica que o lago do parque não é o ideal para o pirarucu.


--Continua depois da publicidade--

“Ele ocorre na região Amazônica, na região do Araguaia. Então, ele estando aqui é prejudicial tanto para ele, que é um animal que vai crescer ainda, quanto para os animais nativos aqui, porque gera uma competição entre os animais”, disse.

A ex-dona do animal torce para que o pirarucu tenha o melhor destino, mas diz que gostaria que o animal ficasse no Setor Jaó por mais tempo.

“Foi muito bom ver que outras crianças estão podendo desfrutar e conhecer um peixe tão bonito quanto ele”, disse a ex-dona.

Segundo o diretor de áreas verdes da Amma, Ormando Pires, antes de ser levado para um rio, o pirarucu pode ser encaminhado para o setor de aquicultura da Universidade Federal de Goiás (UFG).

“Nós estamos trabalhando nessa logística do transporte com maior segurança possível para esse peixe. A princípio, nós pedimos que a UFG nos desse esse suporte para receber esse peixe, já que os nossos lagos não são apropriados para receber esse tipo de espécie”, disse.

De acordo com Ormando, a soltura de peixes em lagos do município não deve ser feita sem autorização da Amma, pois pode causar um desequilíbrio ambiental no local.

“A gente aproveita a oportunidade para pedir que a população, antes de fazer qualquer contato com a natureza, com os lagos, mesmo que com o objetivo de ajudar, peça o apoio e a orientação da Amma. Alguns seres são inseridos nos nossos parques e acabam provocando a superpopulação e degradando e gerando um impacto negativo para nós”, explicou.

Lago transbordou e peixe saiu

Imagens feitas por vizinhos do local registraram quando o pirarucu saiu do lago durante uma forte chuva que ocorreu na região. Como o lago transbordou, o peixe foi arrastado e ficou se debatendo na calçada.

No dia, o animal só foi devolvido para a água graças a voluntários que passavam pelo parque e o viram se debatendo.


Dayelle Ribeirohttps://www.cenariomt.com.br
Redatora do portal CenárioMT
- Publicidade -

Últimas no CenárioMT

Lucas do Rio Verde

PRIMEIRO ESCALÃO
Por motivos pessoais, Franz deixa Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Lucas do Rio Verde
maio 06, 2021
COVID-19
Prefeito de Lucas explica flexibilização do novo decreto: ‘Saímos de risco muito alto, para risco alto’
maio 06, 2021