21 C
Lucas do Rio Verde
quarta-feira, 26 janeiro, 2022
Publicidade
InícioMUNDOEm nota, diretor da Anvisa questiona fala de Bolsonaro

Em nota, diretor da Anvisa questiona fala de Bolsonaro

Por do R7

O diretor-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antonio Barra Torres, divulgou uma nota neste sábado (8) rebatendo o presidente Jair Bolsonaro (PL) sobre a vacinação de crianças de 5 a 11 anos.

No texto, Barra Torres diz que, se o presidente tem informações que indiquem corrupções na Anvisa, para determinar uma investigação imediata.


--Continua depois da publicidade--

“Se o senhor não possui tais informações ou indícios, exerça a grandeza que o seu cargo demanda e, pelo Deus que o senhor tanto cita, se retrate”, completa o presidente da agência reguladora.

Durante a semana, Bolsonaro havia criticado a inclusão de crianças e adolescentes de 5 a 11 anos no plano de vacinação contra a Covid-19 e questionou o interesse por trás da imunização infantil.

“O que está por trás disso? Qual o interesse da Anvisa por trás disso? Qual o interesse daquelas pessoas taradas por vacina? É pela vida? Pela saúde? Se fosse, estariam preocupados com outras doenças no país, mas não estão”, declarou Bolsonaro nessa quinta-feira (6).

A Anvisa já informou, diversas vezes, que a imunização infantil é segura e eficaz contra a Covid-19, e inclusive encaminhou ao Ministério da Saúde questionamentos sobre o tema e detalhamento de todo o cenário de aprovação e uso de vacinas.

Em resposta às criticas de Bolsonaro, Barra Torres, que é médico e contra-almirante da Marinha, terceiro maior posto da corporação, diz ter pautado sua vida pessoal em “austeridade e honra” e sua vida profissional como médico procurando “manter a razão à frente do sentimento.”

“Como cristão, senhor presidente, busquei cumprir os mandamentos, mesmo tendo eu
abraçado a carreira das armas. Nunca levantei falso testemunho”, completa Barra Torres, antes de pedir a Bolsonaro que “não perca tempo nem prevarique” caso tenha conhecimento de corrupção na agência.

“Se o senhor dispõe de informações que levantem o menor indício de corrupção sobre este brasileiro, não perca tempo nem prevarique, senhor presidente. Determine imediata investigação policial sobre a minha pessoa, aliás, sobre qualquer um que trabalhe hoje na Anvisa, que com orgulho eu tenho o privilégio de integrar. Agora, se o senhor não possui tais informações ou indícios, exerça a grandeza que o seu cargo demanda e, pelo Deus que o senhor tanto cita, se retrate”

Barra Torres encerra a nota afirmando que estão combatendo o mesmo inimigo e que “ainda há muita guerra pela frente”. “Rever uma fala ou um ato errado não diminuirá o senhor em nada. Muito pelo contrário”, finaliza o diretor-presidente.


--Continua depois da publicidade--

A Secretaria da Comunicação do Planalto foi procurada, mas ainda não se manifestou sobre a nota.

Barra Torres foi indicado pelo próprio Bolsonaro para assumir a presidência da Anvisa em janeiro de 2020. O contra-almirante da reserva tem mandato de três anos à frente da agência e não pode ser demitido. Desde que Barra Torres prestou depoimento à CPI da Covid-19 no Senado, os atritos entre o chefe da agência reguladora e o presidente se intensificaram.

Leia a íntegra da nota de Antonio Barra Torres:

Em relação ao recente questionamento do Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, quanto à vacinação de crianças de 05 a 11 anos, no qual pergunta “Qual o interesse da Anvisa por trás disso aí?”, o Diretor Presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, responde:

Senhor Presidente, como Oficial General da Marinha do Brasil, servi ao meu país por 32 anos. Pautei minha vida pessoal em austeridade e honra. Honra à minha família que, com dificuldades de todo o tipo, permitiram que eu tivesse acesso à melhor educação possível, para o único filho de uma auxiliar de enfermagem e um ferroviário.

Como médico, Senhor Presidente, procurei manter a razão à frente do sentimento. Mas sofri a cada perda, lamentei cada fracasso, e fiz questão de ser eu mesmo, o portador das piores notícias, quando a morte tomou de mim um paciente.

Como cristão, Senhor Presidente, busquei cumprir os mandamentos, mesmo tendo eu abraçado a carreira das armas. Nunca levantei falso testemunho.

Vou morrer sem conhecer riqueza Senhor Presidente. Mas vou morrer digno. Nunca me apropriei do que não fosse meu e nem pretendo fazer isso, à frente da Anvisa. Prezo muito os valores morais que meus pais praticaram e que pelo exemplo deles eu pude somar ao meu caráter.


--Continua depois da publicidade--

Se o senhor dispõe de informações que levantem o menor indício de corrupção sobre este brasileiro, não perca tempo nem prevarique, Senhor Presidente. Determine imediata investigação policial sobre a minha pessoa aliás, sobre qualquer um que trabalhe hoje na Anvisa, que com orgulho eu tenho o privilégio de integrar.

Agora, se o Senhor não possui tais informações ou indícios, exerça a grandeza que o seu cargo demanda e, pelo Deus que o senhor tanto cita, se retrate.

Estamos combatendo o mesmo inimigo e ainda há muita guerra pela frente.

Rever uma fala ou um ato errado não diminuirá o senhor em nada. Muito pelo contrário.


--Continua depois da publicidade--

Antonio Barra Torres
Diretor Presidente – Anvisa
Contra-Almirante RM1 Médico
Marinha do Brasil

Rebeca Moraeshttps://www.cenariomt.com.br
Redatora do portal CenárioMT, escreve diariamente as principais notícias que movimentam o cotidiano das cidades de Mato Grosso.

Publicidade

Redes sociais

107,380FãsCurtir
17,057SeguidoresSeguir
2,125SeguidoresSeguir

Lucas do Rio Verde

NOITE AGITADA
Homem é baleado na perna por causa de suposta dívida em Lucas do Rio Verde
janeiro 25, 2022
VIOLENCIA EXTREMA
Cabeça de pessoa é encontrada próximo a container em Lucas do Rio Verde
janeiro 25, 2022
DIFÍCIL CONTROLE
Pra conter avanço da cigarrinha, produtores cogitam vazio sanitário para não comprometer safra de milho em MT
janeiro 25, 2022
Lucas do Rio Verde
Lucas do Rio Verde inicia agendamento para imunizar crianças de 10 e 11 anos sem comorbidades
janeiro 25, 2022