30.1 C
Lucas do Rio Verde
domingo, 13 junho, 2021
InícioMUNDOCasos de síndrome respiratória aguda grave devem crescer no país

Casos de síndrome respiratória aguda grave devem crescer no país

Possibilidade de alta na incidência da doença é mais forte no Amazonas, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul, onde a probabilidade de aumento no número de casos passa de 95%.
Por Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

O número de casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) tende a crescer na maior parte do Brasil nas próximas semanas, segundo o Boletim InfoGripe, divulgado hoje (28), no Rio de Janeiro, pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). A análise indica que houve uma retomada precoce das atividades e informa que 96% dos casos de SRAG são causados pelo novo coronavírus.

A tendência de aumento na incidência da doença é mais forte no Amazonas, em Mato Grosso do Sul e no Rio Grande do Sul, onde a probabilidade de uma alta no número de casos passa de 95%.


--Continua depois da publicidade--

Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Maranhão, Tocantins, Mato Grosso, Distrito Federal, Goiás, São Paulo, Paraná e Santa Catarina também tendem a registrar mais casos de SRAG, porém a probabilidade de essa tendência se confirmar é de 75%.

Roraima é o estado que tem a mais forte tendência de queda nos casos, com mais de 95%. Também devem apresentar reduções no nível da doença o Amapá, Pará, Piauí e Ceará. A análise aponta ainda uma tendência de estabilidade para o Acre, Rondônia, Rio Grande do Norte, Sergipe, Bahia, Espírito Santo e Rio de Janeiro.

O coordenador do InfoGripe, Marcelo Gomes, disse que a tendência de alta é um efeito da retomada precoce de atividades, o que fará com que o novo agravamento da pandemia parta de patamares ainda elevados de óbitos e hospitalizações.

Mortes

Apesar da queda nas mortes em relação à primeira quinzena de abril, quando a média de vítimas diárias chegou a passar de 3 mil, o Brasil ainda registrava na última quarta-feira (26) 1,8 mil óbitos por dia, segundo o painel de dados Monitora Covid-19, também da Fundação Oswaldo Cruz. Esse número é maior que a pior média móvel de mortes de 2020, que foi de 1.096, em 25 de julho.


--Continua depois da publicidade--

Gomes advertiu que é preciso ter cautela quanto a flexibilizar as restrições em vez de suspendê-las quando a pandemia ainda se encontra em patamares elevados. Ele explica que as restrições à circulação de pessoas devem ser mantidas até que a redução de casos ocorra por tempo suficiente para que eles cheguem a patamares significativamente baixos.

Outro boletim, divulgado ontem por pesquisadores do Observatório Covid-19 da Fiocruz, já havia alertado para um risco de recrudescimento da pandemia. Segundo os cientistas, na semana encerrada em 22 de maio, houve aumento da taxa que mede a quantidade de novas infecções pelo novo coronavírus, o que se soma a altos patamares de testes positivos para o diagnóstico da doença e pode se refletir em crescimento dos óbitos em até duas semanas.

“Mantida essa tendência, pode-se prever um aumento na próxima semana para valores em torno de 2,2 mil óbitos por dia (2 mil a 2,4 mil, considerando a margem de erro do modelo)”, apontou o boletim, que também listou 20 capitais com a ocupação de unidades de terapia intensiva (UTIs) na zona de alerta crítico – mais de 80% de ocupação.


Gustavo Praiadohttps://www.cenariomt.com.br
Gosta de economia, assistir séries, filmes de ação e gosta de videogames. Editor no CenárioMT nos cadernos de Economia e Mundo, mas nem por isso deixa uma notícia regional em branco, sempre atento as tendências que o internauta procura para ficar bem informado.
- Publicidade -

Últimas no CenárioMT

Lucas do Rio Verde

IMUNIZAÇÃO
Lucas do Rio Verde imuniza 750 pessoas em Dia de Campanha contra a Covid-19
junho 13, 2021
Lucas do Rio Verde
Estrutura esportiva de Lucas do Rio Verde é destaque durante competição de futsal
junho 12, 2021