23.1 C
Lucas do Rio Verde
sábado, 28 novembro, 2020
Início MUNDO 85% dos assassinatos de jornalistas continuam sem solução

85% dos assassinatos de jornalistas continuam sem solução

Ao enviar a resposta à demanda da Unesco, 27 países afirmaram estar promovendo "medidas positivas ou inovadoras", para garantir segurança ou combater a impunidade.
Por CenárioMT, com inf. Agência Brasil

De 2006 a 2019, 1.167 jornalistas foram assassinados em 63 países e 15% dos casos foram solucionados ou arquivados. De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), que apresentou o dado para marcar o Dia Internacional pelo Fim da Impunidade dos Crimes contra Jornalistas, celebrado hoje (2), os casos demoram, em média, três anos para ser resolvidos. 

Conforme detalhado pela Unesco em relatório , um terço dos assassinatos tem desfecho dentro de dois anos, mas há exceções, com duração bastante longa. Um dos casos, por exemplo, levou 12 anos para ser esclarecido.

Ao enviar a resposta à demanda da Unesco, 27 países afirmaram estar promovendo “medidas positivas ou inovadoras”, para garantir segurança ou combater a impunidade. Um deles foi o Brasil, onde 44 jornalistas, todos homens, foram executados. Desse total, 32 permanecem sem desfecho, seja por não serem devidamente elucidados, seja por terem a investigação em aberto. Uma das vítimas, Gerardo Ceferino Servían Coronel, era paraguaio, apesar de ter sido assassinado no Brasil.

A Unesco ressalta que as autoridades governamentais deixaram de prestar informações sobre a situação de 366 homicídios, o que prejudica sua capacidade de relatar, com precisão, o andamento dos processos judiciais. Uma consequência disso é o fato de não poder dizer se os autores dos crimes ficaram ou não impunes.

“Enquanto os jornalistas continuaram a perder suas vidas por causa das reportagens que produzem, a liberdade de expressão permanecerá sob cerco”, escreve a organização no relatório de 87 páginas.

Também por ocasião da data comemorada nesta segunda-feira, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, disse que as autoridades devem garantir que os ataques contra jornalistas sejam devidamente apurados e que os responsáveis sejam penalizados por seus atos. “Estou chocado com o número contínuo e crescente de ataques contra jornalistas e trabalhadores da mídia em todo o mundo”, afirmou, em postagem do Twitter.

No caso específico do Brasil, diversas entidades, como a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), têm alertado para o cerceamento à liberdade de imprensa. De acordo com a organização Repórteres Sem Fronteiras, o Brasil ocupa, atualmente, o 107º lugar no Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa de 2020, uma queda de duas posições em relação a 2019.



© CenárioMThttps://www.cenariomt.com.br
CenárioMT - Publicamos notícias diariamente no portal!
- Publicidade -

Últimas

Domingo de eleições será nublado e com temperatura próxima dos 40º C em Cuiabá

Neste domingo (29) de segundo turno das eleições municipais, Cuiabá tem apenas 5% de chances de chuva, de acordo com o Centro de Previsão...

Polícia Civil de Lucas do Rio Verde recebe agradecimento de casal vítima de roubo

A equipe da Delegacia de Lucas do Rio Verde (354 km ao norte de Cuiabá) recebeu o carinho especial de duas vítimas de roubo...

Homem que matou mulher e estuprou a filha dela de 11 anos é preso em Mato Grosso

O homem acusado de duplo estupro seguido de morte ocorrido na madrugada de segunda-feira (23.11) em Barra do Garças (509 km a leste de...

‘Surto de covid-19’ faz federação adiar partida entre Cuiabá e Luverdense

Federação Mato-grossense de Futebol (FMF) decidiu adiar a partida entre Cuiabá e Luverdense, pelas quartas de final do Campeonato Estadual, marcada para acontecer entre...
Publicidade
x