24.3 C
Lucas do Rio Verde
quarta-feira, 26 janeiro, 2022
Publicidade
InícioMundo animalCobrasSurucucu–pico-de-jaca por Biólogo Henrique; assista

Surucucu–pico-de-jaca por Biólogo Henrique; assista

Por CenarioMT

Surucucu-pico-de-jaca é na verdade uma Lachesis muta, também conhecida pelos nomes comum de: surucucu, surucutinga, surucucutinga, surucucu cauda de veneno e cobra-topete, é a maior serpente peçonhenta da América Latina.

O Brasil possui duas subespécies do gênero Lachesis, Surucucu-pico-de-jaca: L. muta muta e L. muta rhombeata.


--Continua depois da publicidade--

Surucucu vem do tupi suruku’ku, ç’uru cu cu ou çuú’u’u significa “que morde muito”. Já “surucucutinga” e “surucutinga” vêm do tupi suruku’kutinga, ou seja, “surucucu branca”.

Assista ao vídeo em que o Biólogo Henrique – O Biólogo da Cobras – apresenta a Surucucu-pico-de-jaca:

 


--Continua depois da publicidade--

Seu gênero, Lachesis, é uma referência a Láquesis, uma das três Moiras mitológicas gregas que decidiam o destino dos seres humanos e deuses. Muta (“muda” em latim) é uma referência ao fato de a surucucu vibrar sua cauda, como a cascavel, sem, no entanto, produzir o ruído que esta produz.

Apresenta grande porte, chegando atingir 3,5 metros de comprimento. Fosseta loreal bem aparente entre o olho e a narina. A dentição é do tipo solenóglifa. Porção dorsal da cabeça apresenta tom amarelo-alaranjado, com várias manchas escuras e de tamanhos irregulares.

O corpo também apresenta tons amarelo-alaranjados ou claro com manchas negras em forma de losangos mais claros no centro distribuídos ao longo do corpo. Escamas dorsais pontudas, o que lembra a casca da jaca.Ventre branco. Cauda curta, negrejada e com escamas eriçadas na ponta.

Acidentes ofídicos por Lachesis têm pouca frequência, porém com alto grau de severidade que se caracteriza por acentuado dano tecidual e efeitos sistêmicos como: hipotensão e bradicardia, tonturas, náuseas, além de cólicas abdominais e diarréia. Representam cerca de 1,4 % dos acidentes que ocorrem por ano no Brasil.

Ao contrário do que muitos acreditam, serpentes não vão intencionalmente até uma pessoa para picá-la. Os acidentes ocorrem porque as vítimas não percebem a sua presença e se aproximam demasiadamente.

Seu gênero, Lachesis, é uma referência a Láquesis, uma das três Moiras mitológicas gregas que decidiam o destino dos seres humanos e deuses. Foto: divulgação (Internet).

Por isso quando se está em seu habitat natural, deve-se ter atenção redobrada, além de se estar devidamente calçado, com botas de cano alto ou perneiras de couro, botinas, sapato fechado, uma vez que, a maioria dos acidentes (cerca de 80%) ocorrem nos membros inferiores (pés e pernas)

Vive em florestas densas, principalmente na Amazônia, mas conhecem-se registros na literatura da presença desse animal até em áreas isoladas de resquícios de Mata Atlântica como na região de Serra Grande, entre os municípios de Uruçuca e Ilhéus, na Bahia.


--Continua depois da publicidade--

A espécie Lachesis muta, está ameaçada de extinção, enquadrada na categoria de Espécie vulnerável (VU).

No estado da Bahia ocorre nos municípios de: Amargosa, Belmonte, Camamu, Entre Rios, Ibicaraí, Ilhéus, Itacaré, Maraú, Mutuípe, Pau Brasil, Piraí do Norte, Santa Cruz Cabrália, São Felipe, Teixeira de Freitas, Una, Uruçuca e Valença.

A peçonha laquética apresenta ação proteolítica, ocasionando lesão tecidual, ação hemorrágica e neurotóxica. É diferente da peçonha botrópica por poder ocasionar síndrome vasovagal em algumas vítimas. Esta peçonha consome protrombina e fibrinogênio repercutindo em uma coagulopatia do tipo “Coagulação Intravascular Disseminada”.

O único tratamento disponível atualmente para o tratamento do acidente laquético é a administração intravenosa do soro antilaquético ou anti botrópico-laquético no acidentado.


--Continua depois da publicidade--

Se você gostou deste post: Surucucu–pico-de-jaca por Biólogo Henrique; assista  – vai gostar também de ler esta notícia: Cobra devorando a si mesma; veja agora

Siga-nos no Facebook Twitter para se manter informado com as notícias de hoje!

João Ricardohttps://www.cenariomt.com.br
Possui experiência em produção textual e, atualmente, dedica-se à redação do CenárioMT produzindo conteúdo sobre a região norte de Mato Grosso.

Publicidade

Redes sociais

107,379FãsCurtir
17,057SeguidoresSeguir
2,125SeguidoresSeguir

Lucas do Rio Verde

CLÁSSICO REGIONAL
Em busca da segunda vitória, Luverdense e Nova Mutum se enfrentam nesta quarta-feira
janeiro 26, 2022
NOITE AGITADA
Homem é baleado na perna por causa de suposta dívida em Lucas do Rio Verde
janeiro 25, 2022
VIOLENCIA EXTREMA
Cabeça de pessoa é encontrada próximo a container em Lucas do Rio Verde
janeiro 25, 2022
DIFÍCIL CONTROLE
Pra conter avanço da cigarrinha, produtores cogitam vazio sanitário para não comprometer safra de milho em MT
janeiro 25, 2022