16.9 C
Lucas do Rio Verde
sexta-feira, 30 julho, 2021
InícioMATO GROSSOMãe e filha, elefantas de cativeiro se preparam para deixar a Argentina...

Mãe e filha, elefantas de cativeiro se preparam para deixar a Argentina e viver em Santuário em MT

Por G1 MT

Duas elefantas, mãe e filha, se preparam para se mudar do Ecoparque de Mendonza, na Argentina, para o Santuário dos Elefantes, em Chapada dos Guimarães, em Mato Grosso. Pocha (mãe) e Guillermina (filha) viviam em cativeiro e agora recebem os cuidados necessários para serem transferidas.

As treinadoras Chrissy e Karissa, que moram nos Estados Unidos, passaram um período da quarentena na Argentina para preparar as elefantas para a viagem. No início deste mês, as instrutoras voltaram para a casa, mas seguem acompanhando a situação à distância.

“Depois que sua equipe conseguir concluir o restante dos requisitos de quarentena para Pocha e Guillermina, eles podem se concentrar mais no treinamento e na separação nas caixas de transporte. Ambas as elefantas já completaram alguns dos testes e tratamentos necessários”, informou o Santuário.

De acordo com a equipe da instituição, ainda há itens na lista que precisam ser concluídos, no entanto, os profissionais já criaram um “plano sólido para resolver o que falta fazer”.

“Pocha e Guillermina estão seguras e sendo bem cuidadas. Continuamos em contato com o Ecoparque, recebendo atualizações sobre Pocha e Guillermina e os procedimentos para seguir em frente”, explicou.

O Santuário prevê a transferência ainda neste ano, no entanto, não há uma data definida. Enquanto isso, os animais permanecerão na Argentina até que a equipe possa garantir que conseguirá transportar as caixas com os elefantes com segurança para o Brasil.

“Por mais que queiramos que as duas elefantas vejam o Santuário, apressar sua quarentena e transporte poderia causar mais traumas – que é exatamente o que queremos ajudá-las a curar”, disse.

 

Pocha criou a filha Guillermina em um recinto de 150 metros, sem árvores, grama ou lagoas.

“Guillermina tem 22 anos e ainda está com a mãe. Isso é natural para elefantes selvagens, mas raro para os elefantes em cativeiro. Quando elas chegarem ao Santuário de Elefantes no Brasil, seu relacionamento provavelmente crescerá e mudará; não sabemos como Guillermina reagirá a outros elefantes, mas – não importa o que aconteça – ela terá sua mãe ao seu lado”, pontuou.

O pai

O pai de Guillermina também deve ser transferido para o Santuário. Tamy, de 50 anos, também vive no Ecoparque, mas em uma área isolada. Ele também está sendo preparado para a viagem.

O animal asiático trabalhou durante 10 anos em circos.

Construção do novo habitat

Para a transferência da família de elefantes, o Santuário está realizando uma campanha para construir um habitat adequado para abrigar os animais.

A meta é arrecadar R$ 1,7 milhão. Até agora foram doados pouco mais de R$ 712 mil.

O dinheiro para a campanha será investido em três centros médicos e três recintos para comportar três elefantes asiáticos. Até o momento, houve 58 doações e a meta é de mais de R$1 milhão e 500 mil.

Moradores do Santuário

Desde 2016, o Santuário resgata elefantes que estão em cativeiro e em situações de risco. Sendo o primeiro da América Latina, ele oferece apoio, espaço e cuidados aos animais que foram mal tratados.

O Santuário é dividido em quatro espaços: um habitat para fêmeas asiáticas, outro para fêmeas africanas, um para machos asiáticos e outro para machos africanos. Até agora só foram resgatadas elefantes fêmeas asiáticas que são a Maia, Rana, Lady, Mara, Bambi, Guida e Ramba.

Em 2016, chegaram as duas primeiras elefantes fêmeas, Maia e Guida. Em 2018, chegou a vez de Rana e em 2019, Ramba e Lady.

Das cinco elefantas trazidas para o Santuário, duas morreram no ano passado. Guida, uma das primeiras moradoras do primeiro Santuário de Elefantes da América Latina, morreu em junho e Ramba, em dezembro, dois meses depois de chegar ao local.

Durante a pandemia, o Santuário fez o transporte de Mara e Bambi.

Quatro novos integrantes do EcoParque, na Argentina, aguardam o transporte para o novo espaço: Pocha, Guilhermina, Kenya e o elefante Tamy.

Rebeca Moraeshttps://www.cenariomt.com.br
Redatora do portal CenárioMT, escreve diariamente as principais notícias que movimentam o cotidiano das cidades de Mato Grosso.
- Publicidade -

Lucas do Rio Verde

PREVILUCAS
Previlucas nomeia novo diretor executivo da autarquia
julho 30, 2021
ENSINO TÉCNICO
Com nova sede, Seciteci de Lucas do Rio Verde prevê início de novas turmas a partir de agosto
julho 30, 2021