Ao fazer um balanço sobre a gestão do Executivo durante o ano de 2019, o prefeito Luiz Binotti chamou a atenção para o fato de que Lucas do Rio Verde tornou-se um grande canteiro de obras e que o retrospecto das ações e projetos colocados em prática por intermédio do gabinete, das secretarias e órgãos vinculados à Prefeitura nos últimos doze meses mostra claramente o cumprimento de uma série de compromissos descritos em seu Programa de Governo.

“A nossa preocupação durante o ano de 2017 foi tomar pé da situação, colocar a casa em ordem, retomar muitos contratos emergenciais que tinham sido cancelados, efetuar pagamentos em atraso, inclusive da folha dos próprios servidores. Já 2018, por conta desses ajustes necessários para o equilíbrio das finanças municipais, foi um ano de muita economia e de muito planejamento para que soubéssemos como melhor aplicar os recursos públicos nos dois anos seguintes”, explica.

Bastante otimista quanto ao ano que começa, Binotti acredita que após dois anos de muito trabalho, planejamento e economia para organizar administrativa e financeiramente o Executivo luverdense, em 2019 foi possível colocar em andamento alguns dos principais projetos e ações previstos para serem executados ao longo do mandato. “O ano de 2019 foi quando se tornou possível colher os frutos desse planejamento e dessa economia para dar início, concluir e inaugurar muitas obras indispensáveis para o desenvolvimento econômico e social de nosso município. E muita coisa boa e necessária ainda vem por aí”, frisa.

Na área da saúde, apontada por ele como uma das melhores de Mato Grosso e talvez do próprio país, os cuidados com a atenção básica chegam a 100% da população luverdense e a necessidade de envio de pacientes para atendimento em hospitais de outros municípios tem sido cada vez menor devido ao aporte de recursos municipais, estaduais e federais que têm contribuído para equipar e equilibrar as contas do Hospital São Lucas.

Mesmo assim, por ser um setor crítico em todo país e dependente de iniciativas das esferas estadual e federal, torna-se impossível atender da melhor maneira todas as demandas e satisfazer a totalidade das pessoas. Um exemplo são aqueles pacientes que aguardam um atendimento por parte do Estado na fila da Regulação e que muitas vezes acham que a responsabilidade pela demora é do município.

“Temos sempre procurado melhorar o atendimento naquilo que é de competência do município, que são as unidades básicas de saúde, e até mesmo em áreas de maior complexidade, que não são da nossa alçada. Estamos construindo um novo PSF no Vida Nova II, que deverá ficar pronto até o final de março para atender toda a região. Será uma unidade inédita em Lucas do Rio Verde, com duas equipes do Programa de Saúde. Com o aval do Ministério da Saúde, também resolvemos o problema da Unidade de Pronto Atendimento, criando o Pronto Atendimento Municipal, o PAM, com a transferência do Posto Central para lá, visto que a UPA não era uma boa solução para o município”, aponta entre as medidas tomadas para que o setor continue sendo modelo.

Em relação à área educacional, o principal destaque mencionado foi a chegada do primeiro campus avançado da Universidade Estadual de Mato Grosso (Unemat), uma conquista que beneficiará principalmente as camadas menos favorecidas da população, que terá acesso a vários cursos públicos e gratuitos, além dos dois, de engenharia civil e de engenharia de alimentos, já em funcionamento desde o primeiro semestre do ano passado.

“Falar em trazer ou em lutar para trazer uma universidade pública para Lucas já é um desafio. Concretizar o sonho de ter uma universidade pública, como nós conseguimos com um trabalho incessante nesses três últimos anos, é um desafio maior ainda. Foram inúmeros encontros com o pessoal da Unemat para garantirmos esta que para mim é a maior conquista da nossa gestão”, pontua.

Sem descuidar do aspecto pedagógico, em que o município também tem sido destaque, com o segundo melhor Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de Mato Grosso entre as escolas municipais, Binotti também aponta a necessidade de concluir um total de 100 novas salas de aula até o final da gestão para conseguir dar respostas ao rápido crescimento populacional do município.

“Onde era possível otimizar o espaço, temos procurado ampliar as unidades já existentes. É o caso da Caminho para o Futuro, que ganhou 10 novas salas de aula, exemplo que deverá se repetir na Cecília Meireles, com um novo bloco e uma piscina, e na Fredolino Vieira Barros. Criamos a Balão Mágico, ampliamos a Creche Menino Jesus, concluímos e entregamos a Creche Girassol, para mais 450 crianças, estamos readequando o Condomínio Rosa para criar o Centro de Educação Infantil Paulo Freire, com 16 salas de aula, que atenderá 600 crianças do Cerrado e imediações, duplicamos o tamanho da Padaria Escolar”, salienta.

Além disso, o valor de R$ 9 milhões, um dos maiores investimentos com recursos próprios, será destinado para a construção, já em andamento, da Escola Municipal Cora Coralina, no Bairro Jaime Seiti Fujii. A unidade, que ficará pronta até a metade deste ano, terá 20 salas de aula e deverá atender em tempo integral 800 crianças da região. Outra novidade, depois de sucessivas gestões e audiências em Cuiabá, foi a retomada das obras da Escola Estadual Tarsila do Amaral, no Loteamento Dalmaso, unidade que terá 16 salas de aula e cuja construção havia sido interrompida pelo governo do Estado.

O prefeito também destacou a execução da obra da Avenida Brasil como uma das prioridades da administração por se tratar de um eixo estruturante e da entrada Sul da cidade, pois, assim que chegar à BR-163, irá melhorar o fluxo do trânsito em outras áreas, principalmente no Centro, com o desvio de um alto número de veículos para aquele novo trecho viário.

Na mesma linha de importância, Binotti citou a inauguração do novo Fórum da Justiça do Trabalho, construído na área reservada para o Espaço do Cidadão, que deverá abrigar um complexo de órgãos do sistema de justiça que reunirá o novo Fórum da Comarca, já em construção, as sedes da Defensoria Pública, do Ministério Público e da subseção da Ordem dos Advogados do Brasil, entre outros órgãos de serviços à população. “Após concluídas, todas essas obras representarão a injeção de cerca de R$ 40 milhões na economia de nosso município, movimentando o comércio e gerando mais empregos para os trabalhadores locais”, destaca.

A Avenida Beira Mata integra o projeto do complexo esportivo-cultural e de revitalização da área do antigo Parque de Exposições, hoje Centro de Eventos Roberto Munaretto. “Na esquina onde era o Horto Municipal, vamos construir o quartel da Polícia Militar. Ali temos o CTG, o Centro de Eventos, com a Expolucas, o Ginásio Pimpão, o Senai, o Colégio La Salle, e vamos fazer ainda mais um campo de futebol ali nas proximidades do Pimpão. Vamos deixar espaço para, futuramente, construir ali um grande ginásio de esportes e um teatro municipal. Enfim, será uma grande área destinada a práticas esportivas e culturais dentro da cidade”, acrescenta.

Outro investimento em infraestrutura considerado fundamental será a perfuração de três novos poços artesianos e a construção de cinco reservatórios de água interligados, até o final de 2020, para resolver o problema de abastecimento que já vem sendo enfrentado por alguns bairros da cidade. “A cidade cresceu, surgiram novos bairros, muitas casas e já temos mais de 10 anos sem a construção de um só reservatório de água. Por meio de um estudo, constatamos que não há necessidade de captação de água do Rio Verde, como pensávamos anteriormente. O problema será resolvido por muitos anos com a construção de mais reservatórios, principalmente se conseguirmos a universalização do esgoto, acabando com o risco de contaminação do lençol freático”, observa.

Quanto à segurança, uma das questões essenciais de seu Programa de Governo, Binotti disse que o Programa Lucas Protegida entrará em ação com o reforço de 70 câmeras de vigilância que serão instaladas em pontos estratégicos e nos pontos de entrada e saída da cidade, modernizando o sistema da central de monitoramento. “Além do trabalho integrado entre todas as forças para otimizar a atuação e o uso de inteligência como forma de oferecer mais tranquilidade e melhorar o atendimento, precisamos usar a tecnologia a serviço da segurança. Não temos como exigir do Estado mais pessoal para fazer rondas ou atender esse tipo de serviço”, considera.

Em que pese o fato de o governador do Estado ter decretado estado de calamidade financeira até o final de novembro do ano passado, provocando lentidão e praticamente a paralisação de muito convênios e ações governamentais, Binotti observa que em 2019 houve uma recuperação gradual e uma melhora significativa da economia real por conta de algumas iniciativas do Governo Federal que estão fazendo com que o país retorne a patamares anteriores bem mais expressivos. “Eu estou muito confiante em relação a 2020 e tenho certeza de que a economia vai melhorar, Mato Grosso vai melhorar, o país vai avançar e, consequentemente, Lucas do Rio Verde irá pelo mesmo caminho e vai ter muitos investimentos que são aguardados para os próximos meses”, avalia.