18.1 C
Lucas do Rio Verde
quinta-feira, 13 maio, 2021
InícioMATO GROSSOInvestigador de Confresa reforça atuação da Polícia Civil em região onde poucos...

Investigador de Confresa reforça atuação da Polícia Civil em região onde poucos querem atuar

Por CENÁRIOMT

Reforçando o trabalho da Polícia Civil de Mato Grosso em uma região distante da Capital e dos grandes centros do estado, o investigador Josué Martins dos Santos, lotado na Delegacia de Confresa (1.160 km a nordeste de Cuiabá), escolheu a cidade para se dedicar à carreira policial e construir nova vida.

Quando surgiu a possibilidade de ingressar na Polícia Civil com a abertura do concurso público no ano de 2005, Josué morava na sua cidade natal, Barra do Garças e há algum tempo já estudava com a intenção de atuar na carreira de policial federal.

Diante da insistência de amigos e parentes, Josué decidiu fazer o concurso da Polícia Civil de Mato Grosso, sendo classificado no certame e passando pelas demais fases do concurso até iniciar a Academia de Polícia (Acadepol), em Cuiabá, em 2008.

O investigador lembra que sua intenção era ser lotado em Barra do Garças, porém era da segunda turma de aprovados e as vagas em sua cidade natal foram preenchidas pelos policiais da primeira turma. Como tinha uma irmã que morava na região do Araguaia, Josué optou pela lotação em Confresa e foi lotado na delegacia do município após a conclusão da academia.

Iniciando uma nova vida na cidade, o investigador, logo que chegou, encontrou uma situação confortável na delegacia, fato que poucos dias depois mudou, quando o efetivo da unidade ficou bastante deficitário com a remoção de colegas.

“É algo que sempre acontece nas regiões mais distantes dos grandes centros, com a chegada de novos policiais. Os mais antigos começam a pedir para ir embora, querem ficar perto da família e logo tivemos que lidar com as dificuldades da falta de efetivo. Na época, era um só um delegado para responder por várias cidades do Araguaia e toda essa pressão e stress era refletida para equipe”, lembra.

Cerca de um ano após o início da carreira, Josué vivenciou uma história triste e mesmo passados alguns anos, ainda o marca profundamente, que foi a perda de um colega de profissão em 2009, quando um preso utilizando um canivete atacou os policiais dentro da delegacia.

O suspeito havia sido conduzido pela Polícia Militar, sem documentos e em visível estado de embriaguez. Ele aproveitou o momento em que foi retirado da cela, para pegar o canivete que estava escondido em sua roupa e atacar os policiais.

Na ocasião, o investigador Orlando Silveira, de 44 anos, foi atingido no pescoço e não resistiu aos ferimentos, morrendo logo em seguida. Outros três policiais foram gravemente feridos. O preso só foi contido após uma policial conseguir atirar em sua perna.

“Das situações que vivenciei na minha carreira policial, entre operações, ações de confronto com criminosos, nenhuma teve o mesmo impacto que essa. A perda de um amigo dentro da delegacia abalou toda a equipe e deixou todos para baixo, desnorteados com a situação”, lamenta.

Da época que entrou até os dias atuais, o investigador vê muitas mudanças, principalmente, relacionadas ao número de servidores na região e a estrutura das unidades policiais.

“Hoje a Delegacia Regional fica em Confresa, temos mais servidores e delegados que respondem por unidades específicas, o que é fundamental, pois em momentos de ação precisamos de quem nos dê as diretrizes, tonando o trabalho da Polícia Civil mais direcionado e qualificado”, disse.

Mesmo após anos de carreira, Josué ressalta que um dos grandes desafios da profissão é mostrar o trabalho diário desenvolvido pela Polícia Civil para a população, uma vez que o trabalho de investigação muitas vezes não tem resultado imediato e tem que passar por várias etapas até o esclarecimento dos crimes, em especial casos mais graves, como roubos, homicídios e latrocínios.

O investigador que deixou casa e família em Barra do Garças para seguir carreira e construir  vida nova em Confresa disse que toda a experiência vivida desde que ingressou na Polícia Civil trouxe engrandecimento pessoal e profissional.

 “Saí da casa dos meus pais para uma região distante, para enfrentar os desafios de uma nova profissão e de viver sozinho. Acabei escolhendo aqui para fixar casa, construir minha família, criar meus filhos. Esse é o presente que a carreira me trouxe e é para isso que me dedico todos os dias”, finalizou o investigador.


Dayelle Ribeirohttps://www.cenariomt.com.br
Redatora do portal CenárioMT
- Publicidade -

Últimas no CenárioMT

Lucas do Rio Verde

Geral
Rota do Oeste oferece sete vagas para contratação imediata em Lucas do Rio Verde
maio 12, 2021
GOLPE
Lucas do Rio Verde: Internauta denuncia tentativa de golpe com fotos de sua casa
maio 12, 2021