33.8 C
Lucas do Rio Verde
sábado, 24 julho, 2021
InícioMATO GROSSOGoverno de Mato Grosso não tem condições de pagar RGA acima de...

Governo de Mato Grosso não tem condições de pagar RGA acima de 5,05%

Por CENÁRIOMT

O secretário de Estado de Planejamento e Gestão, Basílio Bezerra Guimarães, convidado pelo presidente da Assembleia Legislativa, deputado Max Russi (PSB), apresentou a deputados e ao Fórum Sindical as ações realizadas, nos últimos dois anos, pelo governo do estado aos servidores públicos e os percentuais que serão pagos da Revisão Geral Anual (RGA) à categoria em 2022.

De acordo com o secretário, a RGA de 2020, em decorrência da Lei Complementar federal de 173/2020, aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, que estabeleceu o Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus, Mato Grosso não alcançou os requisitos exigidos pela Lei 8.278/2004 para a concessão da revisão.

Para a RGA de 2021, o secretário explicou que o impeditivo para a concessão do reajuste esbarra também na Lei 173/2020. Segundo ele, caso o Estado de Mato Grosso descumpra a lei, será obrigado a devolver aos cofres do governo federal o valor superior a R$ 1,3 bilhão. Já a previsão de pagamento da RGA de 2022 é de 5,05%, o que representa um impacto financeiro de R$ 489,7 milhões aos cofres do Estado.

A RGA de 2020, que está impedida pela Lei 173/2020, de autoria do governo federal, não pode ser paga porque “nesse período ficou impedido qualquer tipo de pagamento. Já a [RGA] de 2019 não cumpriu o requisito, não tem como ser paga”, disse Basílio Bezerra.

O primeiro-secretário da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM), afirmou que o Parlamento começou a debater a reposição salarial dos servidores públicos estaduais e, para isso, os deputados estão abertos à discussão. “Para 2022, o governo tem uma proposta definida na Lei de Diretrizes Orçamentária que é de 5,05%, que é a previsão de inflação. O secretário [Basílio Bezerra] mostrou que a previsão para o momento é esse percentual. Mas se for maior, existe a possiblidade de haver alterações”, destacou Botelho.

Questionado se existe uma ‘guerra de braços’ entre o governo e os servidores públicos para a concessão da RGA acima dos 5,05%, já que o Fórum Sindical calcula que nos últimos anos houve uma perda salarial de 22%, Botelho responde que o “Fórum está levando em conta as perdas salariais de anos anteriores, que não tiveram a reposição da RGA. Eles não estão errados. Enquanto isso, o governo está calculando a RGA de 2021 para ser paga em 2022, que é de 5,05%”, explicou Botelho.

O representante do Fórum Sindical, James Gonçalves de Arruda, afirmou que a categoria quer receber o que é justo, segundo ele, 22%. “Os servidores estão à quase cinco anos sem receber a Revisão Geral Anual. Mas o governo vem sempre com desculpas jurídicas para não pagar. No Executivo tem servidores que estão endividados e não têm mais condições de comprar alimentos. Isso não é justo. O que estamos pedindo é justiça”, disse.

Na mesma linha de reivindicação, Edmundo César Cicero Leite, pontuou que os servidores estaduais estão com uma defasagem salarial de 22%. “Esse percentual é muito grande. Além disso, teve a reforma da previdência que aumento mais 3% dos servidores da ativa, e mais 14% dos aposentados e pensionistas. O governo está prejudicando muito o servidor. O governo tem que cumprir lei. Ele não pode dar o que quer, a RGA de 2018 era de 2,07%, ele pagou apenas 2%. Ele reconhece a dívida”, explicou.

O secretário de Planejamento e Gestão, Basílio Bezerra Guimarães, afirmou que a atual administração já avançou em mais de 40 ações voltadas a melhorar as condições de trabalhos dos servidores públicos estaduais. O governo está buscando melhorar as condições de trabalho do servidor. O governo, segundo o secretário, não tem condições de pagar aquilo que não está previsto em lei. “O governo não pode descumprir a lei sob pena de ser penalizado nesse aspecto”, disse.

Segundo ele, “não é só de RGA que vive o serviço público. O Estado vive de ações”. Basílio afirmou que o Estado trabalha dentro da legalidade e com os índices corretos. “O percentual correto é o de 2%, relativo em 2018, e que já foi aplicada pelo governo. Em 2022, os índices aplicados serão de 2021. Isso já está previsto na LDO. O governo vai trabalhar para atender o que for possível”, disse Basílio Bezerra.

Rebeca Moraeshttps://www.cenariomt.com.br
Redatora do portal CenárioMT, escreve diariamente as principais notícias que movimentam o cotidiano das cidades de Mato Grosso.
- Publicidade -

Lucas do Rio Verde

Lucas do Rio Verde
Lucas do Rio Verde: desrespeito às interdições pode comprometer qualidade de asfalto
julho 24, 2021
Mato Grosso
Construção da ferrovia que vai ligar Rondonópolis a Cuiabá e Rondonópolis a Nova Mutum e Lucas do Rio Verde é destaque nacional
julho 24, 2021