Especialistas debatem os impactos da Reforma Tributária para Mato Grosso

Fonte: CenárioMT com Assessoria

ReformaTributaria1

A Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso (Fiemt) reuniu especialistas para discutir os impactos que a Reforma Tributária trarão para Mato Grosso. O evento, mediado pelo diretor da Fiemt e vice-presidente do Conselho Tributário (CTT/Fiemt) da instituição, Vinicius Saragiotto, contou com a participação de representantes do setor industrial estadual e nacional, Governo de Mato Grosso e empresários.

Segundo dados apresentados pela Secretaria Estadual de Fazenda (Sefaz MT), Mato Grosso poderá ter uma perda acumulada de R$ 134 bilhões nos próximos 50 anos, caso seja regulamentado o projeto da Reforma Tributária (PLP 68/2024), que está em análise no Congresso Nacional. No mesmo período, a secretaria estima uma demanda de pelo menos R$ 56 bilhões para investimentos em obras de infraestrutura e logística.

“A perda de receita e participação na arrecadação global de Imposto sobre Circulação de Mercadorias, Bens e Serviços (ICMS) poderá evoluir de uma queda de 2,07% em 2033 para retração de 6,20% em 2042. Mato Grosso é um dos estados que mais perde”, afirma o secretário adjunto da Receita Pública do Estado, Fábio Pimenta.

Durante o debate, os especialistas demostraram preocupação com a substituição da tributação sobre a produção (ICMS) pela tributação sobre o consumo (IBS), mudança que pode significar o fim dos incentivos fiscais e impactar diversos setores da economia estadual, sobretudo a indústria, já que Mato Grosso tem um pequeno mercado consumidor se comparado a grandes centros.

A reforma tributária também deve afetar o fluxo de caixa das empresas, impactar na concessão de incentivos fiscais e forçar indústrias com filiais em municípios diferentes a realizar cálculos tributários distintos, já os municípios terão prerrogativa de fixar suas próprias alíquotas por meio de lei.

Dessa forma, é provável que indústrias deixem o estado ou que novas empresas optem por se instalar em outras unidades federativas com um mercado consumidor maior.

“É fundamental que a Fiemt se posicione como a principal fonte de ideias e discussões sobre a Reforma Tributária para o setor industrial em Mato Grosso. A Federação tem cumprido esse papel com maestria, promovendo eventos como este e fornecendo informações essenciais aos empresários”, afirmou Saragiotto.

Ainda segundo o diretor da Fiemt e vice-presidente do CTT, “a Reforma Tributária, como está sendo proposta, terá um impacto brutal nas nossas indústrias. Todo o ambiente de negócios sofrerá alterações, exigindo mudanças nos setores tributários, de marketing, comercial e nos demais departamentos das empresas.”, alertou.

Apesar dos desafios, os participantes do evento também destacaram as oportunidades que a reforma pode trazer para o setor industrial. Com a simplificação do sistema tributário, espera-se que haja uma redução da burocracia e dos custos das empresas.

“Ao proporcionar a redução de tributos, regras simples e transparentes e sem distinção entre bens e serviços, a reforma consegue acelerar o crescimento econômico do Brasil”, finaliza o superintendente de Economia da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Mário Sérgio Telles.

Também participaram do debate os advogados tributaristas, Lucas Ribeiro e Victor Maizman e o economista Jose Lombardi.

É formado em Jornalismo. Possui experiência em produção textual e, atualmente, dedica-se à redação do CenárioMT produzindo conteúdo sobre política, economia e esporte regional.