Entidades pedem ajuda internacional para combater incêndios no Pantanal

Fonte: CENÁRIOMT

Ação humana é a principal causa das queimadas no Pantanal de Mato Grosso
Ação humana é a principal causa das queimadas no Pantanal de Mato Grosso

Mais de 30 organizações enviaram uma carta ao Ibama e aos governos de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Elas propõem buscar auxílio internacional através do Centro de Coordenação de Resposta de Emergência da União Europeia (CCRE) para enfrentar a seca e os incêndios florestais no Pantanal. A carta enfatiza a recorrência dos incêndios, como os que devastaram quase um terço da área em 2020, e alerta para a intensificação do problema em 2024, com novos focos de calor registrados.

Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) indicam que, só em junho, mais de 1.300 focos ativos de calor foram identificados em Mato Grosso, com 235 na região do Pantanal. Esse número representa um aumento de mais de 1300% em relação a junho de 2023.

Em resposta à situação, o governo de Mato Grosso lançou, nesta segunda-feira (17), a Operação Pantanal 2024. A operação visa prevenir a destruição do bioma pelos incêndios, como ocorreu em anos anteriores. O Pantanal, dividido entre os estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, cobre uma área equivalente a quinze milhões de campos de futebol.

O pedido ao CCRE da União Europeia reflete a necessidade de apoio internacional em recursos e expertise para combater a crise ambiental no Pantanal. A colaboração pode oferecer tecnologia avançada, equipamentos e estratégias de manejo de fogo e recuperação ambiental essenciais para a preservação do ecossistema.

As entidades signatárias da carta incluem ONGs ambientais, institutos de pesquisa e associações comunitárias, todas focadas na conservação do Pantanal. A mobilização dessas organizações ressalta a urgência de ações coordenadas para proteger a biodiversidade e as comunidades dependentes do Pantanal.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Redatora do portal CenárioMT, escreve diariamente as principais notícias que movimentam o cotidiano das cidades de Mato Grosso. Já trabalhou em Rádio Jornal (site e redação).