22.5 C
Lucas do Rio Verde
terça-feira, 18 maio, 2021
InícioMATO GROSSOCUIABÁNa grosa ou no moedor? Terceiro episódio de Pílulas de Cuiabania ensina...

Na grosa ou no moedor? Terceiro episódio de Pílulas de Cuiabania ensina como preparar um bom e gelado guaraná ralado

Ao longo do mês de abril, serão lançados vídeos de momentos e símbolos que marcaram a construção do município, em comemoração ao aniversário de 302 anos de Cuiabá
Por CenarioMT

Que cuiabano que nunca provou guaraná ralado? No terceiro episódio da série Pílulas de Cuiabania”, cuiabanos contam a história da bebida mais popular da capital de Mato Grosso. A série é uma homenagem da gestão Emanuel Pinheiro, por meio da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer, pelo aniversário de 302 anos de Cuiabá. Ao longo do mês de abril, serão lançados vídeos de momentos e símbolos que marcaram a construção do município.

“O guaraná ralado é uma tradição familiar que eu trouxe aqui na Prefeitura de Cuiabá também. Tomo ele bem gelado pela manhã para já dar aquela revigorada para o dia de trabalho e para mim é a bebida que representa o cuiabano, esse povo alegre, animado e bem disposto”, disse o prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro.

Com o nome “Pílulas de Cuiabania”, a série de vídeos conta com a participação de figuras conhecidas do público. Neste terceiro episódio, Natalino da Silva explica por que o guaraná ralado na grosa é melhor que no moedor. Depois, Paulina de Jesus ensina a receita passada por gerações de famílias cuiabanas.

“O guaraná ralado é uma personagem da cultura da nossa capital, tem um simbolismo muito forte e não poderia ficar de fora das nossas Pílulas de Cuiabania. Ralado na grosa ou no moedor, seja a receita que for, é a bebida que representa a vitalidade da gente de Cuiabá”, disse aecretária de Cultura, Carlina Jacob.

No primeiro episódio, Lioniê Vitório, ator e produtor cultural conhecido por dar vida a personagem Nico, da dupla humorística Nico e Lau, Lioniê relembrou a história da fundação de Cuiabá e busca pelo ouro ao lado de Ito Silva.

No segundo episódio, Domingas Leonor, fundadora do grupo de siriri “Flor Ribeirinha” destaca a história e força da dança na cultura cuiabana, que tem sua origem indígena e comumente executada em festas de santo.


© CenárioMThttps://www.cenariomt.com.br
CenárioMT - Publicamos notícias diariamente no portal!
- Publicidade -

Últimas no CenárioMT

Lucas do Rio Verde

DESENVOLVIMENTO
Duplicação da BR 163 deverá ser uma das bandeiras do Cidesa nos próximos meses
maio 17, 2021
BOLETIM CORONAVÍRUS
Lucas do Rio Verde registra mais um óbito por covid-19 e número de mortes chega a 143
maio 17, 2021