29.6 C
Lucas do Rio Verde
quarta-feira, 12 maio, 2021
InícioMATO GROSSOCasais decidem casar por videoconferência para driblar a pandemia em Mato Grosso

Casais decidem casar por videoconferência para driblar a pandemia em Mato Grosso

Por CENÁRIOMT COM INF. TV Centro América

O metalúrgico Cícero da Silva, de 51 anos, e a servidora pública Luzia Lopes, de 66 anos, moram em Tabaporã, a 674 km de Cuiabá. Os dois eram divorciados. Ele há mais de 20 anos e ela há 4 anos quando começaram a namorar. Tudo deu tão certo que resolveram se casar, mas por causa da pandemia, a data foi alterada algumas vezes. Até que decidiram que a cerimônia no civil seria diferente.

“Minha esposa falou: nosso casamento vai ser virtual agora. Eu não acreditava. Falei que isso não existia”, disse Cícero.

“Meu filho foi minha testemunha e a filha dele foi testemunha dele. Foi uma coisa que causou muita emoção. Tudo foi diferente em plena pandemia”, explicou Luzia.

O casamento de Cícero e Luzia no civil foi o primeiro em Mato Grosso por videoconferência. Depois foram registrados outros cinco no estado, sendo quatro em Primavera do Leste e um em Cuiabá, do casal Alexsandro Passos, motorista, e Alessandra Passos, auxiliar administrativa.

Eles namoraram há 15 anos e tiveram um filho. Depois, se separaram. Mas o cupido deu um jeitinho de uni-los novamente e há 5 anos estão morando juntos. Só faltava oficializar a união.

“Em dezembro perdemos meu sogro e um dos sonhos dele era ver a única filha mulher, casada oficialmente”, conta Alexsandro.

“Foi emocionante, mas diferente, porque a gente tinha uma expectativa e, por fim, acabou sendo outra, mas foi gostoso, porque é aquela expectativa de enfim vou estar casada. Por que até então você se sente casada, mas não é a mesma coisa”, conta Alessandra.

Os cartórios têm se surpreendido com a aceitação dos noivos, por essa modalidade de casamento civil por videoconferência.

“A aceitação dessa celebração de forma virtual é de mais de 90%. É raro o casal do noivos que não aceita fazer dessa forma. A videoconferência fica gravada, as pessoas têm que ser identificadas, todos recebem um link com antecedência e aí fazemos como se fosse uma chamada”, diz Velenice Almeida, presidente da Associação dos Cartórios.

Quanto ao casamento no religioso a previsão é que demore mais um pouco.

“Eu já tinha pré-alugado um espaço para fazermos um almoço, aí devido à pandemia e tudo mais, muitos decretos, a gente resolveu adiar para quando estiver tudo normalizado”, conta Alexsandro.

Quem casa, geralmente tem a tão esperada lua de mel. Mas em tempos de pandemia isso também mudou.

“A nossa lua de mel continua sendo em casa. Vamos ver para o próximo ano, depois da vacina”, diz Alessandra.

Já Luzia espera que até agosto, quando terá férias, possa viajar com o marido.

“Eu tenho férias em agosto. Se em agosto estiver terminado essa pandemia, aí a gente vai poder viajar”, disse ela.


Dayelle Ribeirohttps://www.cenariomt.com.br
Redatora do portal CenárioMT
- Publicidade -

Últimas no CenárioMT

Lucas do Rio Verde

INVESTIGAÇÃO
Delegado não descarta premeditação em crime que tirou a vida de jovem no centro de Lucas do Rio Verde
maio 12, 2021
COVID-19
Lucas: Secretária comemora PAM sem pacientes internados, mas alerta sobre cuidados preventivos
maio 12, 2021