33.6 C
Lucas do Rio Verde
domingo, 03 julho, 2022
Publicidade
InícioESPORTESDa base ao topo da América: o "fantástico" Flamengo de 1981

Da base ao topo da América: o “fantástico” Flamengo de 1981

Texto por CenárioMT - Site Oficial CBF

Técnico do Rubro-Negro na conquista da Libertadores, Paulo César Carpegiani conversou com o site da CBF sobre o estrelado time de 81


Carpegiani foi técnico do Rubro-Negro nas conquistas de 1981
Créditos: Reprodução

Jogar bonito, vencer, convencer, conquistar a América e o mundo. Marcar uma época, entrar para a história do futebol. Aconteceu com o Flamengo em 1981. Quem viu, viu. E quem não viu, ficou sabendo. Um time simplesmente “fantástico” nas palavras do seu próprio treinador. À beira do gramado, Paulo César Carpegiani comandava e se encantava com o que via dentro de campo.


--Continua depois da publicidade--

“Posso dizer que em cada posição eu tinha um craque. Era um time fantástico, que jogava por música”

Na primeira fase da Libertadores de 1981, o Flamengo deixou para trás Cerro Porteño-PAR, Olimpia-PAR e Atlético-MG. Nas semifinais, um triangular contra Deportivo Cali-COL e Jorge Wilstermann-BOL aguardava o Rubro-Negro, que venceu colombianos e bolivianos tanto dentro quanto fora de casa. E veio a grande final. A primeira daquele ano. Diante do Cobreloa-CHI, uma vitória no Maracanã e uma derrota no Chile culminaram em um terceiro e decisivo jogo.

No dia 23 de novembro, as equipes voltaram a se enfrentar. Dessa vez, em campo neutro. No místico Estádio Centenário, em Montevidéu, no Uruguai, o Flamengo foi a campo com Raul, Nei Dias, Marinho, Mozer, Júnior, Leandro, Andrade, Zico, Tita, Nunes (depois Anselmo) e Adílio. Com a bola rolando, o Rubro-Negro deu mais um show. Ao apito final, 2 a 0 no placar e a América, enfim, se vestiu de vermelho e preto.

– Foi um título tão natural. As coisas foram acontecendo, ganhamos a confiança necessária em função da equipe que tínhamos. São coisas que acontecem que é até difícil entender. É complicado ter uma explicação exata para a formação desses grandes times. São equipes grandiosas que marcaram uma época de forma natural, como Santos, Palmeiras, Flamengo. O treinador tem a condição e também a capacidade de escolher o melhor. Depois dá aquele estalo e começa a ganhar e convencer – relembrou o treinador.

Mas até encontrar o time ideal, Carpegiani admite ter tido algumas dificuldades pelo caminho. Foi num jogo do Campeonato Carioca que o estalo aconteceu. No histórico 6 a 0 contra o Botafogo, o comandante percebeu que o futuro daquela equipe seria promissor.


--Continua depois da publicidade--

– Para mim o ponto chave foi esse jogo contra o Botafogo no Maracanã, que nós vencemos de 6 a 0. Foi quando encontrei uma equipe que não dava mais para mexer, não tinha condições de tirar ninguém, porque o time foi ganhando, convencendo, conquistando títulos, fazendo grandes jogos. Conquistou o torcedor e marcou uma época. Mas até aquele jogo, eu vinha colocando um, experimentando outro. Ali foi o momento crucial da formatação daquela equipe.

“Craque, o Flamengo faz em casa”. A frase, que ganhou vida em 1979 e virou lema entre os torcedores, provavelmente atingiu seu auge em 1981. Do grupo campeão da Libertadores, nomes como Zico, Júnior, Andrade, Leandro, Adílio e Tita saíram da base do Rubro-Negro carioca para o topo da América.

– Foi uma atuação de uma equipe digna do lema do Flamengo. Naquela época, a nossa equipe titular era formada por mais da metade de jogadores da base do clube. Pelo fato deles terem essa formação, eles sabiam o que representava o Flamengo. Então, o título também ficou marcado por isso.

 

Zico marcou todos os gols do Flamengo na final da Conmebol Libertadores de 1981
Créditos: Divulgação/Flamengo

Agora, 38 anos depois, os tempos mudaram. Na atual temporada, o Flamengo se reforçou. Assim como em 1981, o encaixe perfeito não veio de imediato, mas na hora certa.

– O clube foi muito feliz nas contratações. Trouxe jogadores já acostumados a grandes jogos como Rafinha e Filipe Luís. Tiveram mérito em buscar um zagueiro da segunda divisão do campeonato espanhol. Jogadores que chegaram para ocupar o time titular como Bruno Henrique, Gerson, Rodrigo Caio. E tem o Jorge Jesus que conseguiu formatar uma equipe, manter e fazer jogar. Ele também demorou para encontrar esse time. Mas se hoje a gente sabe de cor a equipe titular do Flamengo isso é um mérito do treinador também – analisou o ex-técnico do Rubro-Negro, antes de completar:

– As coisas agora têm acontecido naturalmente. Os jogadores têm o entendimento do que é o Flamengo. Esse time de hoje está escrevendo uma história, está ganhando e convencendo e está no caminho para marcar uma época conquistando títulos.

No próximo sábado, 23 de novembro, mesmo dia da decisão de 1981, o Flamengo entra em campo para o capítulo final da Libertadores diante do River Plate-ARG. Quem leva a melhor?


--Continua depois da publicidade--

– Quando eu defino uma partida de futebol sempre gosto de uma lógica. Mas essa lógica para River e Flamengo não existe. São dois times tradicionais, com muita história, que representam muito dentro do seu próprio país, com uma força imensa. Aí a gente parte para favoritismo, que no meu entender é aquela equipe que tem os melhores jogadores, que vive um melhor momento. Nesse caso o Flamengo leva vantagem, em função da qualidade de alguns jogadores, com poder de decisão e poder de criatividade, por isso é um time um pouco superior. Mas são duas grandes equipes e, no futebol, tudo pode acontecer – encerrou.

 

Publicidade


Publicidade

Lucas do Rio Verde

Lucas do Rio Verde
Obra da escola do Parque das Emas segue em ritmo acelerado
julho 03, 2022
Lucas do Rio Verde
Campeonato Municipal de Futebol 7 entra na fase final
julho 03, 2022
CLASSIFICAÇÃO INÉDITA
Grupo Santos goleia em noite inspirada de Leozinho e garante vaga nas semifinais da Copa do Brasil
julho 03, 2022
Lucas do Rio Verde
Cultura realiza exposição de telas e quadros no Paço Municipal
julho 02, 2022