18.6 C
Lucas do Rio Verde
quarta-feira, 18 maio, 2022
Publicidade
InícioESPORTESBrasileiro Feminino volta com reforços e times afetados pela pandemia

Brasileiro Feminino volta com reforços e times afetados pela pandemia

Competição recomeça nesta quarta (26), com o duelo entre Santos e Audax, às 14h, na Vila Belmiro, após mais de cinco meses de paralisação devido à pandemia de covid-19.
Lincoln Chaves - Repórter da TV Brasil e Rádio Nacional - São Paulo

 

Quando o apito soar no gramado da Vila Belmiro, às 14h (horário de Brasília) desta quarta-feira (26), dando início à partida entre Santos e Audax, chegará ao fim uma espera de 164 dias, ou cinco meses e meio, pela volta da Série A1 (primeira divisão) do Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino. A competição foi interrompida em 15 de março, durante a quinta rodada, em decorrência da pandemia do novo coronavírus (covid-19).


--Continua depois da publicidade--

Como a doença ainda não está controlada no território nacional, o retorno do torneio terá de ser realizado sem a presença de público e sob rigoroso protocolo sanitário, com várias diretrizes para os jogos. Entre as normas estão o acesso restrito a campo e vestiários; a realização de exames da covid-19 custeados pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF); aferição da temperatura na chegada ao estádio, de todas as pessoas envolvidas na realização do jogo; o uso frequente de máscaras (com exceção dos atletas em campo); e a higienização com álcool em gel.

Os procedimentos são os mesmos adotados no Brasileirão masculino, incluindo as mudanças feitas após a primeira rodada da Série A, como testagem de todo o elenco 72 horas antes da partida, e entrega dos resultados dos testes à CBF até 24 horas antes do jogo pelo time mandante, e até 12 horas antes da viagem, no caso do visitante. “À princípio, vamos seguir o mesmo protocolo. À medida que as rodadas forem ocorrendo e os resultados aparecendo, ai sim, a gente vai verificar a necessidade ou não de mudança de programas de testagem”, diz à Agência Brasil Jorge Pagura, o coordenador médico da entidade.

Além do jogo na Vila, outras duas partidas movimentam esta quarta (26) pela quinta rodada do Brasileiro feminino. Às 15h30, o Internacional recebe o Flamengo no Sesc Campestre. Já às 19h30, Corinthians e Ferroviária reeditam a final do ano passado no Parque São Jorge. A sexta rodada tem inicio no sábado (29) e vai até segunda-feira (31), com os seguintes duelos:


--Continua depois da publicidade--

Sábado (29)

14h – Cruzeiro x Grêmio (Mineirão)

15h – Ponte Preta x Palmeiras (Moisés Lucarelli)

20h30 – Vitória x Iranduba (Barradão)

Domingo (30)

14h – São Paulo x Minas Icesp (CFA de Cotia)

15h – Avaí/Kindermann x Santos (Carlos Alberto Costa Neves)

15h – Ferroviária x Internacional (Fonte Luminosa)


--Continua depois da publicidade--

15h – Audax x São José (José Liberatti)

Segunda-feira (31)

19h – Flamengo x Corinthians (a definir)

Caras novas

A pandemia da covid-19 impactou as equipes do Brasileiro Feminino de forma diversa. Santos e São Paulo, por exemplo, voltaram aos treinos com o mesmo grupo de antes da paralisação. Se por um lado o Palmeira perdeu Bia Zaneratto, atacante da seleção brasileira, que estava emprestada pelo Wuhan Xinjiyuan (China), por outro se reforçou com atletas que atuavam no exterior: a zagueira Janaína Queiroz, ex-Braga (Portugal) e a meia-campista Camilinha, ex-Orlando Pride (Estados Unidos). Esta última, também jogadora da seleção verde e amarela.


--Continua depois da publicidade--

“Saí do Brasil tem quatro anos, para jogar no Orlando e, desde minha chegada, vejo grandes mudanças [de estrutura no futebol feminino]. No Palmeiras, isso é nítido. Acho que a gente, que está vindo de fora, pode somar e trazer uma experiência grande”, destacou Camilinha, em entrevista coletiva.

Ex-clube da meia-campista no Brasil, o Corinthians também foi atrás de novidades durante a paralisação, acertando o retorno da lateral Yasmin, que estava no Benfica (Portugal). A lateral Daiane, que também estava no clube português, assinou com a Ferroviária, atual campeã e líder da competição nacional. A experiente jogadora, de 34 anos, foi capitã do time grená nos títulos da Copa do Brasil e do Brasileiro, em 2014, e da Libertadores, em 2015.

No Internacional, o reforço veio dos Emirados Árabes: a atacante Rafa Travalão, de 32 anos, que defendia o Abu Dhabi SC. Já o Flamengo foi outro a apostar na experiência ao trazer a zagueira Cida, de 34 anos. Ao mesmo tempo, promoveu quatro jovens da equipe sub-18. O Rubro-Negro Carioca também teve mudança no comando, pois o técnico Ricardo Abrantes assumiu a coordenação estratégica das modalidades de alto rendimento da Marinha, que é a parceira do clube no futebol. O substituto é Celso Silva, que era auxiliar de Ricardo desde 2015.

Realidades distintas

Se algumas equipes fizeram ajustes pontuais, o Audax, da cidade de Osasco (SP), teve que ir ao mercado para repor perdas da pandemia. A equipe iniciou o Brasileiro com um elenco jovem, formado com apoio de uma parceria com o Instituto Tiger, que fomenta o futebol feminino na comunidade de Heliópolis, na zona sul da capital paulista. Mas, segundo o técnico Wagner de Oliveira, a preocupação com a covid-19 levou muitos pais a tirarem as meninas menores de 18 anos do projeto. O jeito foi trazer seis caras novas – quatro delas, inclusive, já devem estrear hoje (26) diante do Santos.

“Voltamos a treinar mais forte na semana passada. Mas o retorno, quando se começa a trabalhar com intensidade, demora. O time estava se entendendo, encaixando. Todas as equipes perderam com a pandemia, mas o Audax certamente perdeu mais que todo mundo, por ser uma equipe nova. Será um jogo difícil contra o Santos. Teremos que ter paciência, cobrar só o que for necessário, fazer um trabalho de formiguinha para não lesionar as atletas e buscar sempre melhorar”, descreve Oliveira à Agência Brasil.

O caso mais delicado é o do Iranduba. A equipe de Manaus afirma que a patrocinadora master, a empresa britânica VeganNation, não cumpriu o contrato firmado no fim de 2018 e que o caso está na Justiça. O clube receberia por meio de moedas virtuais, que entrariam no mercado em 2019 e seriam trocadas por dinheiro – o que não aconteceu. O time, inclusive, faz uma campanha online de financiamento coletivo para ajudar a pagar as despesas com o grupo. Até o momento, foram arrecadados cerca de R$ 4,9 mil.

Com a crise financeira, o Iranduba perdeu quase todas as jogadores do elenco e corre risco de não conseguir entrar em campo no próximo sábado (29), contra o Vitória. “Hoje, 24 de agosto [dia da entrevista], o Iranduba não tem time. Estamos em busca de atletas para jogarmos no fim de semana. O tempo é curto. Estamos fazendo algumas consultas”, reconhece o diretor Lauro Tentartini à Agência Brasil. A equipe tem até sexta-feira (28) para regularizar as novas jogadora junto à CBF.

Confira AQUI a classificação da Série A1 do Brasileiro Feminino.

Edição: Cláudia Soares Rodrigues

© CenárioMThttps://www.cenariomt.com.br
CenárioMT - Publicamos notícias diariamente no portal!

Publicidade


Publicidade

Lucas do Rio Verde

Lucas do Rio Verde
Trânsito inicia intervenções em travessias de escolas em Lucas do Rio Verde
maio 18, 2022
Lucas do Rio Verde
Saúde alerta baixa procura na vacinação contra gripe e sarampo por parte dos grupos prioritários
maio 18, 2022
Lucas do Rio Verde
Programa Criança Feliz de Lucas do Rio Verde leva alegria para famílias no mês das mães
maio 18, 2022
Lucas do Rio Verde
Atletas luverdenses integram equipe campeã em torneio nacional de vôlei
maio 18, 2022