31.2 C
Lucas do Rio Verde
terça-feira, 03 agosto, 2021
InícioENTRETENIMENTOPaulo Vieira desabafa contra a cultura da gordofobia: "Gordo não transa"

Paulo Vieira desabafa contra a cultura da gordofobia: “Gordo não transa”


-

O humorista Paulo Vieira se destacou na televisão quando fez parte do Talk Show “Programa do Porchat”, na Rede Record com tiradas inteligentes e engraçadas e recentemente fez esquetes para o Fantástico sobre a pandemia causada pelo novo coronavírus.

Paulo Vieira tem 28 anos e mostrou que também sabe falar sério quando o assunto é polêmico e fala sobre minorias. Em entrevista ao jornalista Marcelo Tas, no quadro “Provoca”, o humorista fez um desabafo sobre os padrões estéticos.


--Continua depois da publicidade--

Paulo Vieira
Foto: Reprodução

“Quando a pessoa escreve assim: ‘Claudio entra e beija a sua esposa’, automaticamente, o Claudio não é gordo porque ele tem uma esposa. A gente passou por um processo que o gordo é assexualizado imediatamente. O gordo não beija, não trepa, não transa, sobretudo o preto gordo”, desabafou.

Paulo Vieira é natural de Goiás, mas criado em Palmas, capital do Tocantins, e explicou que após o seu sucesso na televisão, essa fase de não seguir o padrão estético imposto pela sociedade foi quebrado.

“Eu acho que escolher é um privilégio, que, às vezes, o pobre não pode se dar. Principalmente quando você vem de uma realidade onde precisa sobreviver, garantir a sua e dos seus, resolver ser artista é uma decisão quase egoísta. Imagina que meu pai estava contando comigo para o futuro da família. Como é que eu falo que eu vou ser artista? É como jogar todas as fichas dele no lixo”.


--Continua depois da publicidade--

Paulo Vieira revela como começou na comédia

O comediante revelou como descobriu que tinha dom para fazer comédio e disse que pelo fato de sua mãe sofrer com síndrome do pânico e eles não tinham dinheiro para comprar os remédios e com isso, começou a fazer piadas para alegrar sua mãe e a tirar da crise de ansiedade.

“Eu peguei essa missão para mim, de distrair a minha mãe. Quando ela começava a ficar ansiosa, eu imediatamente colocava um pano na cabeça, imitava minha vizinha, propunha brincadeiras. Esse episódio com a minha mãe fez com que eu olhasse para a comédia com outros olhos, porque minha mãe foi parando de ter as crises de pânico e nunca mais teve. A comédia cura.”


Lucas Rosendohttps://www.cenariomt.com.br/futebol-ao-vivo/noticias-do-flamengo/
Jornalista rubro-negro, escreve diariamente para o portal CenárioMT tudo sobre o Flamengo: Jogos, contratações, treinos, bastidores, rumores, opinião, entre outros assuntos do dia a dia do clube.
- Advertisment -

Últimas no CenárioMT