22.2 C
Lucas do Rio Verde
segunda-feira, 29 novembro, 2021
InícioECONOMIASaldo entre empresas abertas e fechadas no país voltou a ser positivo...

Saldo entre empresas abertas e fechadas no país voltou a ser positivo em 2019, segundo IBGE

O resultado põe fim a um período de cinco anos de saldos negativos com mais empresas fechadas que abertas
Por CenarioMT

Após cinco saldos negativos seguidos, a diferença entre o número de empresas abertas e fechadas no país foi positiva em 2019, chegando a 290,9 mil. O maior saldo positivo de empresas foi registrado nas atividades profissionais científicas e técnicas e de saúde humana e serviços sociais.

O dado é do estudo Demografia das Empresas e das Estatísticas de Empreendedorismo, divulgado nesta sexta-feira (22), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).


--Continua depois da publicidade--

A taxa de entrada de empresas em 2019 foi de 20,2% (ou 947,3 mil), sendo 15,5% de novas empresas e 4,7% de reentradas. A taxa de saída ficou em 14,0% (ou 656,4 mil empresas). Esse resultado de 2019 reverteu parte do encolhimento observado de 2014 a 2018, quando foi registrada a perda de 382,5 mil empresas.

De acordo com o IBGE, parte deste saldo positivo pode estar relacionado ao fato de que, em 2019, a Demografia das Empresas, que tem como base de dados o Cadastro Central de Empresas, passou a incorporar também as informações do eSocial, em um processo de substituição gradativa dos dados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS).

Uma das perguntas não incluídas no eSocial é aquela onde a empresa declara ter exercido ou não suas atividades naquele ano. Assim, é possível que algumas empresas estejam formalmente ativas, mas que, na prática, não estejam operando, de acordo com o IBGE.

Do total de empresas ativas, 3,7 milhões já estavam em atividade em 2018, o que representa uma taxa de sobrevivência de 79,8%. “O estudo mostra que a taxa de sobrevivência é mais elevada nas empresas de maior porte e que nas novas empresas elas são mais compostas por assalariados com menor grau de escolaridade, se comparada às empresas sobreviventes”, disse o Gerente do estudo, Thiego Gonçalves Ferreira.


--Continua depois da publicidade--

“Quanto ao empreendedorismo, o destaque foi a manutenção do ritmo de expansão do número de empresas de alto crescimento pelo segundo ano seguido, chegando em 2019 a 25 mil unidades, sendo que dessas, 11,2% são gazelas [empresas de alto crescimento, com até cinco anos de idade]”, afirmou o gerente do estudo.

Panorama de 2019

Em 2019, o Cadastro Central de Empresas somava um total de 4,7 milhões de empresas ativas que empregavam 39,7 milhões de pessoas, sendo 83,3% como assalariadas e 16,7% na condição de sócios ou proprietários.

Dados da pesquisa

O saldo de assalariados, resultado da dinâmica de entrada e saída das empresas em 2019, também foi positivo, com aumento de 595,5 mil postos. Já em relação ao empreendedorismo, em 2019, o número de empresas de alto crescimento chegou a 25.011, com aumento de 10,0% frente a 2018. Foi o segundo ano consecutivo de alta.

O maior saldo de empresas foi registrado nas atividades profissionais científicas e técnicas (61.388 empresas) e de saúde humana e serviços sociais (44.294 empresas). Nesses últimos itens se destacam as atividades ambulatoriais executadas por médicos e odontólogos.

Com relação às empresas sobreviventes, 42,2% não tinham pessoal ocupado assalariado, 45,9% apresentavam 1 a 9 pessoas ocupadas assalariadas, e 12,0% tinham 10 ou mais pessoas ocupadas assalariadas. As de maior porte, com 10 ou mais empregados, respondiam por 72,5% do pessoal ocupado total e 82,8% do pessoal assalariado.

Nas empresas ativas em 2019, os homens eram a maior parte da população ocupada e assalariada, 60,6%, contra 39,4% de mulheres. A participação feminina foi semelhante, nas empresas sobreviventes (39,3%), bem como nas que entraram (41,3%) e saíram (42,7%).

O Amapá (13,2%) tem a menor taxa de sobrevivência das empresas no período de 10 anos e Santa Catarina (30,6%), a maior.

Gustavo Praiadohttps://www.cenariomt.com.br
Atualmente, trabalha na equipe do portal CenárioMT, produzindo conteúdo sobre economia, esportes e direitos da população brasileira, gosta de assistir séries, filmes de ação e de videogames. Editor também em conteúdos regionais, sempre atento as tendências que o internauta procura para ficar bem informado.

Redes sociais

107,362FãsCurtir
17,057SeguidoresSeguir
2,091SeguidoresSeguir

Lucas do Rio Verde

Lucas do Rio Verde
Após dois anos sem se apresentar ao público, Orquestra Sinfônica Jovem interpreta clássicos do cinema
novembro 28, 2021
Lucas do Rio Verde
Curso de conserva de frutas leva às participantes mais uma alternativa de fonte de renda
novembro 28, 2021
Lucas do Rio Verde
Acadêmicos da UAB/UFMT apresentam cases relacionados às políticas públicas
novembro 28, 2021
Lucas do Rio Verde
Covid-19: Confira como será o esquema de vacinação das três doses na próxima semana
novembro 27, 2021