30.7 C
Lucas do Rio Verde
domingo, 26 setembro, 2021
InícioECONOMIAPreço do arroz caiu quase 11% desde janeiro

Preço do arroz caiu quase 11% desde janeiro

Índice de Preços aos Supermercados (IPS) também registrou desaceleração no valor do leite e destaca momento favorável ao consumo de peixes
Por CenárioMT

O arroz está mais barato nas gôndolas. É o que mostra o Índice de Preços dos Supermercados (IPS), de julho de 2021, calculado pela Associação Paulista de Supermercados (APAS). O preço do arroz decolou em 2020, registra deflação de 10,87% no acumulado de 2021. O leite, outrora vilão no orçamento do consumidor, também desacelerou. Entre janeiro e julho, registrou alta de apenas 3,3%, contra 21,62% no mesmo período em 2020. A inflação no setor supermercadista também apresentou ligeira oscilação: de janeiro a julho o aumento foi de 4% — no mesmo período do ano passado, o acumulado apontou 4,99%.

Entre as proteínas, os preços da carne bovina seguem pressionados pelo mercado externo e pelo aumento do ICMS decretado pelo governo do estado de São Paulo. Nos últimos 12 meses, o item encareceu 36,78%. Em alguns cortes, como o patinho, o aumento bateu em 53%.


--Continua depois da publicidade--

SAO PAULO 21/09/2009 – ECONOMIA OE – Feijao – Arroz – Materia sobre a queda do preco do arroz e do feijao. As imagens foram feitas no restaurante Bolinha. FOTO JONNE RORIZ/AE

Para Ronaldo dos Santos, presidente da APAS, o consumidor vem buscando alternativas para driblar a elevada variação nos preços: “Nos últimos 12 meses, os preços dos pescados vêm mantendo uma elevação média abaixo das outras proteínas, se sobressaindo como opção de proteína animal”, diz. O destaque entre os pescados fica por conta da merluza, que teve deflação de 1,45% em julho e registra alta de 3,39% no acumulado do ano.

Segundo projeções da Organização das Nações Unidas para Alimentação e a Agricultura (FAO), o consumo per capita de pescados é de 4 kg por habitante ao ano. Esse número pode chegar a 12 kg até o final de 2021.


--Continua depois da publicidade--

Outra alternativa de proteína animal são as carnes suínas, que registram deflação de 5,24% em 2021. Os preços de alguns cortes, como o pernil, chegaram a registrar queda de 10% no ano.

Na outra ponta, os produtos industrializados ficaram 16,58% mais caros nos últimos 12 meses. “Parte dessa elevação decorre da alta de preços dos óleos, pressionados pela forte demanda internacional”, afirma Ronaldo dos Santos. O óleo de milho, por exemplo, acumula alta de 56,46% nos últimos 12 meses — o óleo de girassol subiu 55,36%. “Além dos fatores climáticos, os preços atrativos da soja no mercado internacional resultaram em redução da produção do óleo feito a partir do grão, e, por consequência, da oferta do produto”, diz o executivo. O óleo de soja lidera as maiores altas nos últimos 12 meses, chegando a registrar inflação de 97,34%.

O comportamento dos hortifrutigranjeiros têm contribuído para manter as contas do consumidor no azul. No ano, houve um recuo de 9,32%. “Historicamente, os preços dos produtos in natura apresentam deflação nessa época em virtude da queda da demanda, apesar do impacto das recentes geadas, principalmente no cinturão verde de São Paulo”, diz o presidente da APAS.

O impacto climático pode continuar acelerando o preço das verduras. O segmento acumula alta de 11,32% no ano e 10,68% nos últimos 12 meses. “Alface, brócolis e couve puxaram os preços para cima em decorrência da perda do produto antes da colheita. A alface, por exemplo, teve sua oferta reduzida em 40%”, diz Ronaldo dos Santos.

A cesta de legumes também foi afetada pelas geadas, puxada pelo preço da abobrinha, que subiu 48,13% neste ano. Outra leguminosa que se destaca por não tolerar baixas temperaturas é a vagem, que só no mês de julho inflacionou 35,41%.


--Continua depois da publicidade--

Em contrapartida, os tubérculos, que possuem maior tolerância ao frio, são uma boa opção de compra por acumularem significativa deflação, com destaques para a batata e cebola, – 44,66% e – 17,55%, respectivamente, no acumulado do ano.

O café é um produto que deve sofrer uma possível pressão nos preços futuros. Além da geada nas plantações, já era esperada uma redução de 20% na produção do produto neste ano em comparação com 2020. Já os preços das bebidas alcoólicas registram deflação de 0,26% no acumulado do ano. Bebidas não alcoólicas registram leve alta de 2,92% nos preços no acumulado do ano, diante da elevação, principalmente, nos preços das bebidas à base de soja (+2,25%) e refrigerantes (+2,98%).

Os preços dos produtos de limpeza, por sua vez, acumulam alta de 4,21%, impactados pelo preço da esponja de aço, que disparou 24,88% no último ano.


--Continua depois da publicidade--

Sobre a APAS – Com 50 anos de tradição, a Associação Paulista de Supermercados representa o essencial setor supermercadista no Estado de São Paulo e busca integrar toda a cadeia de abastecimento com a sociedade. A entidade, que possui 3 distritais na cidade de São Paulo e 13 regionais distribuídas estrategicamente pelo estado, conta hoje com 1.505 supermercados associados que somam 4.315 lojas

© CenárioMThttps://www.cenariomt.com.br
CenárioMT - Publicamos notícias diariamente no portal!

Redes sociais

107,341FãsCurtir
17,057SeguidoresSeguir
2,040SeguidoresSeguir

Lucas do Rio Verde

TRISTEZA NA PEDREIRA
Bombeiros resgatam corpo de homem que se afogou em Lucas do Rio Verde
setembro 26, 2021
Lucas do Rio Verde
Corrida Setembro Amarelo é marcada pela alegria e boa participação dos luverdenses
setembro 26, 2021
LUTO
Caminhoneiro que residia em Lucas do Rio Verde é encontrado morto no interior do Paraná
setembro 26, 2021
Lucas do Rio Verde
PRIMEIRA DOSE - Luverdenses de 18 anos completos ou mais são convocados para vacinação contra a Covid-19
setembro 25, 2021