24.5 C
Lucas do Rio Verde
terça-feira, 21 setembro, 2021
InícioECONOMIAIPCA: inflação avança para 0,96% em julho e atinge 8,99% em 12...

IPCA: inflação avança para 0,96% em julho e atinge 8,99% em 12 meses

Por Daniel Silveira e Darlan Alvarenga, G1

Pressionado pela alta nas contas de energia elétrica, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – a inflação oficial do país – acelerou a alta para 0,96% em julho, após ter registrado taxa de 0,53% em junho, conforme divulgado nesta terça-feira (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Essa é a maior variação para um mês de julho desde 2002, quando o índice foi de 1,19%”, informou o instituto

 


--Continua depois da publicidade--
Com o resultado, a inflação acumulada em 12 meses chegou a 8,99%, a mais alta desde maio de 2016, quando ficou em 9,32%. No ano, o IPCA acumula alta de 4,76%.

Desde março, o indicador acumulado em 12 meses tem ficado cada vez mais acima do teto da meta estabelecida pelo governo para a inflação deste ano, que é de 5,25%.

 

O resultado veio ligeiramente acima do esperado. Pesquisa da Reuters apontou que a expectativa de analistas era de alta de 0,94% em julho, acumulando em 12 meses alta de 8,98%.

Veja o resultado para cada um dos grupos pesquisados:

Dos 9 grupos de produtos e serviços pesquisados, 8 apresentaram alta em julho:

  • Alimentação e bebidas: 0,6%
  • Habitação: 3,1%
  • Artigos de residência: 0,78%
  • Vestuário: 0,53%
  • Transportes: 1,52%
  • Despesas pessoais: 0,45%
  • Educação: 0,18%
  • Comunicação: 0,12%
  • Saúde e cuidados pessoais: -0,65%

Único grupo a registrar deflação, Saúde e cuidados pessoais teve o resultado pressionado pela queda nos preços dos planos de saúde diante do reajuste negativo de -8,19% autorizado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) em 8 de julho.


--Continua depois da publicidade--

Energia elétrica tem alta de 7,88% no mês

A inflação do grupo habitação foi influenciada principalmente pela alta da energia elétrica (7,88%), que acelerou em relação ao mês anterior (1,95%) e registrou o maior impacto individual no IPCA de julho, respondendo sozinha por 0,35 ponto percentual da taxa do mês.

A alta é explicada, sobretudo, pela entrada em vigor da bandeira tarifária de vermelha patamar 2, que passou a cobrar R$ 9,49 a cada 100kWh consumidos, após reajuste de 52%. A mudança de bandeira ocorre diante da crise hídrica, que tem exigido o acionamento das termoelétricas, de energia mais cara.

O IBGE destacou também que ocorreram reajustes tarifários de 11,38% em São Paulo (12,45%), a partir de 4 de julho, de 8,97% em Curitiba (11,34%), a partir de 24 de junho, e de 9,08% em uma das concessionárias de Porto Alegre (8,02%), a partir de 19 de junho.

O grupo de transportes, que teve a segunda maior variação em julho, foi pressionado pelo aumento de preços das passagens aéreas que tiveram alta de 35,22% após terem apresentado queda de 5,57% em junho.

Os preços dos combustíveis aceleraram de 0,87% em junho para 1,24% em julho. O principal destaque foi a gasolina, que teve alta de 1,55% em julho depois de ter subido 0,68% no mês anterior.

No acumulado em 12 meses, os preços dos combustíveis aumentaram 41,2%. A maior variação ficou por conta do etanol, que acumula alta de 57,27%, enquanto a da gasolina ficou em 39,65%.

Tomate pressiona inflação de alimentos

A inflação para a alimentação no domicílio acelerou de 0,33% em junho para 0,78% em julho, pressionada sobretudo pela alta de 18,65% nos preços do tomate.


--Continua depois da publicidade--

Também se destacaram os aumentos nos preços do frango em pedaços (4,28%), do leite longa vida (3,71%) e das carnes (0,77%).

Principal vilão da inflação nos primeiros meses deste ano, o preço das carnes acumularam alta de 34,28% nos últimos 12 meses.

Já a cebola, a batata-inglesa e o arroz, produtos indispensáveis nas mesas dos brasileiros, registraram queda nos preços em julho de, respectivamente, -13,51%, -12,03% e -2,35%.

Na direção contrária da alimentação no domicílio, a alimentação fora de casa desacelerou de 0,66% em junho para 0,14%, puxada principalmente pelo preço médio do lanche (0,16%) e da refeição (0,04%), cujos preços em junho haviam subido 0,24% e 0,85% respectivamente.


--Continua depois da publicidade--
Rebeca Moraeshttps://www.cenariomt.com.br
Redatora do portal CenárioMT, escreve diariamente as principais notícias que movimentam o cotidiano das cidades de Mato Grosso.

Redes sociais

107,336FãsCurtir
17,057SeguidoresSeguir
2,038SeguidoresSeguir

Lucas do Rio Verde

LOGÍSTICA
Mendes crê em concorrência de modais para beneficiar setor produtivo regional
setembro 20, 2021
ferrovia em Lucas
Em Lucas Mauro Mendes assina contrato para construção da 1ª Ferrovia Estadual; Acompanhe ao vivo
setembro 20, 2021
Lucas do Rio Verde
Covid-19: Confira quem está sendo vacinado em Lucas do Rio Verde nesta semana
setembro 20, 2021
PRIMEIRA DOSE
Luverdenses de 19 anos completos ou mais são convocados para vacinação contra a Covid-19
setembro 20, 2021