A Caixa Econômica Federal (CEF) anunciou nesta quinta, 9, as novas medidas adotadas para o mercado de crédito imobiliário, em especial a carência para os novos financiamentos, além de serem contemplados com o aumento da pausa nos contratos e a renegociação de dívidas para pessoas físicas e as construtoras. Os recursos representam um total de R$ 43 bilhões que serão injetados no mercado imobiliário nos próximos meses. As medidas começarão a ser válidas após segunda-feira,13.

Por meio de uma transmissão ao vivo pela internet, Pedro Guimarães, presidente da Caixa afirmou que as novas medidas vão beneficiar aproximadamente 5 milhões de famílias, além de preservar mais de 1,2 milhão de empregos.

Quanto a pausa implementada pela Caixa ao financiamento habitacional terá o prazo de 90 dias, e a medida é direcionada aos clientes adimplentes ou que tenham duas parcelas em atraso nos contratos em obra. Conforme Guimarães, quem solicitou os dois meses de prorrogação vai ampliar de forma automática para 3 meses. Caso a crise venha a se agravar existe a possibilidade da Caixa estender o benefício por mais tempo.

Quem utiliza o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para o pagamento de alguma parcela do financiamento também poderá, a partir de segunda-feira, pedir a pausa no pagamento da parte não coberta pelo FGTS da quitação por 90 dias.

O banco vai oferecer carência de 180 dias para os contratos de financiamento dos imóveis novos. E quem construir com financiamento da Caixa (construção individual) poderá contar com a liberação antecipada de até duas parcelas sem a vistoria.

Os clientes que estão atrasados poderão renegociar os contratos entre 61 e 180 dias com pausa ou pagamento parcial das prestações. Em caso de dúvida é só ligar para o 0800 726 8068.