35.1 C
Lucas do Rio Verde
domingo, 01 agosto, 2021
InícioColuna do Fabiano de AbreuAquele que se preocupa em retribuir um favor entendeu o valor da...

Aquele que se preocupa em retribuir um favor entendeu o valor da reciprocidade!

Por Fabiano de Abreu

Relacionar-se com as pessoas é o maior desafio da vida. São as relações que nos trazem os maiores e melhores conflitos, mas toda e qualquer relação só encontra equilíbrio e saúde na reciprocidade.

É desafiador se relacionar porque não importa o quão próximo você é, ou quanta intimidade tem, sempre haverão momentos de discordância entre as partes e, que um ou o outro, não entenderão as necessidades dessa relação.


--Continua depois da publicidade--

A reciprocidade nem sempre acontece porque as pessoas tendem a querer oferecer ao outro aquilo que elas gostariam de receber, mas como as pessoas são diferentes e únicas, na maioria das vezes, o que oferecemos ao outro não é exatamente o que ele gostaria de receber.

Para que a reciprocidade favoreça as relações precisamos estar atentos as necessidades dos outros, e não ao que a gente deseja e acredita que o outro precisa. É preciso entender o sinais, fazer perguntas, tecer uma compreensão mais profunda a respeito do momento de vida do outro.

A lealdade é um dos pilares da reciprocidade. Quando somos leais aos nossos sentimentos e ao outro, queremos demonstrá-los através de ações.

Nosso amor pode encontrar expressão no cuidado, no carinho e na ajuda. Geralmente, ofertamos o que queremos ou o que precisamos receber, mas é preciso estar atento ao que o outro deseja receber, senão, estaremos apenas satisfazendo o nosso ego com a ajuda prestada. E o outro se sentirá invadido e não, ajudado.


--Continua depois da publicidade--

A cada dia um tijolo pode ser assentado na construção dessa liga que une dois ou mais seres. Quando nos atentamos a necessidade do outro, as faltas que lhe geram preocupação ou sofrimento, e perguntamos a ele “COMO EU POSSO TE AJUDAR?”, as relações se tornam mais fáceis.

Ouvindo do outro o que ele precisa, podemos avaliar se temos condição de ajudá-lo ou de retribuir qualquer ato amoroso que ele tenha nos ofertado.

Caso entendamos que não temos condições de ajudar nesse momento, procuraremos outras pessoas que podem, e apresentaremos a ele essa opção, sem que ele tenha a obrigação de aceitar essa ajuda.

Quando buscamos suprir ou atender uma necessidade do outro, sem que sermos solicitados, precisamos, antes de mais nada, perguntar ao outro se ele deseja essa ajuda, esse é o maior sinal de que esse alguém é muito importante para nós.

Quando efetivamente nos importamos em demonstrar o quanto nos preocupamos, o quanto o outro pode contar conosco, talvez podemos criar uma expectativa de receber o mesmo que ofertamos. Mas a reciprocidade não se funde em expectativas, se trata de doação amorosa e desinteressada.

Quando entendemos o valor da reciprocidade percebemos que cada um só pode oferecer o que tem, e então, paramos de cobrar que o outro nos ofereça exatamente o que oferecemos a ele, simplesmente porque somos diferentes e não podemos cobrar atitudes iguais de pessoas diferentes.

Quando oferecemos o que temos e aceitamos receber o que o outro possui de melhor, passamos a nos relacionar com fio de verdade e confiança, e sentimos o outro como um manto que nos cobre nos momentos em que nos habita as incertezas geradoras de medo.

Se entregar a solidariedade, amizade, empatia é se saber importante, é se sentir valiosa para alguém em que, em algum momento, promoveu os melhores sentimentos em nós, e que trouxe tanto conforto e significância a nossa existência.


--Continua depois da publicidade--

A RECIPROCIDADE É SEMPRE O QUE SUSTENTA O NOSSO ENTUSIASMO QUANDO O CORPO NÃO SUPORTA A REALIDADE.

Relacionamento exige reciprocidade, mas é preciso entender que retribuir um favor, não necessariamente, se trata de devolver na mesma moeda, e sim, oferecer o que você pode, o que você tem de melhor dentro de si, e muitas vezes, o seu melhor é diferente do melhor do outro.

Entendendo isso, você parará de exigir que o outro te ofereça o mesmo amor que você dá pra ele, a mesma atenção, a mesma dedicação, porque você compreendeu tudo, que somos diferentes, e que existem muitas formas de amar, muitas formas de ajudar.

Aquele que retribui um favor compreendendo quais são as necessidades do outro, e não simplesmente, tecendo uma compreensão rasa diante daquilo que o outro deseja, demonstra que entendeu o valor e a importância da reciprocidade.


--Continua depois da publicidade--

Reciprocidade não se cobra, muito menos se exige, mas ela sempre vem de pessoas boas e conscientes, portanto, não se demore onde não houver quem lhe seja recíproco.

Sobre o autor do texto: Dr. Fabiano de Abreu

Facebook:https://www.facebook.com/FabianodeAbreuOficial/
Instagram:https://www.instagram.com/fabianodeabreuoficial/
Twitter:https://twitter.com/fabianodeabreur

Fabiano de Abreuhttps://www.cenariomt.com.br/coluna-do-fabiano-de-abreu/
Colunista do CenárioMT, Fabiano de Abreu é membro da Mensa, associação de pessoas mais inteligentes do mundo com sede na Inglaterra conseguindo alcançar o maior QI registrado com 99 de percentil o que equivale em numeral a um QI acima de 180 para valores europeus e 150 para o Brasil. Especialista em estudos da mente humana, é membro e sócio da CPAH – Centro de Pesquisas e Análises Heráclito, com sede no Brasil e unidade em Portugal.
- Publicidade -

Lucas do Rio Verde

Lucas do Rio Verde
Lucas do Rio Verde adere campanha “Agosto Dourado” em incentivo ao aleitamento materno
agosto 01, 2021
33 anos
Prefeitura anuncia ações voltadas para o aniversário de Lucas do Rio Verde
agosto 01, 2021