24.9 C
Lucas do Rio Verde
sexta-feira, 22 janeiro, 2021
Início CENÁRIO POLÍTICO Selma Arruda emite parecer favorável ao voto aberto para eleições da mesa

Selma Arruda emite parecer favorável ao voto aberto para eleições da mesa

Por Da Assessoria/Katiana Pereira

A senadora Selma Arruda (PSL-MT) emitiu parecer favorável à Proposta de Emenda à Constituição n° 1, de 2019, que prevê o voto aberto para a eleição dos presidentes e demais integrantes da Mesa Diretora da Câmara e do Senado.

A parlamentar é relatora da PEC na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). O relatório, favorável ao voto aberto, foi protocolado na última segunda-feira (12.03). Veja aqui. A PEC em questão foi assinada pela senadora Rose de Freitas (Pode-ES) e outros 28 senadores.

O tipo de votação para eleição do presidente do Senado foi alvo de polêmica. O regimento interno da Casa prevê que, para a definição da Mesa Diretora, a votação é secreta. Durante a tumultuada eleição da mesa para a 56º legislatura, a senadora chegou a requerer oficialmente o voto aberto na eleição, proposta que foi aprovada por esmagadora maioria dos senadores.

Um grupo de senadores contrários à presidência do Senado continuar no MDB, iniciou um movimento para dar publicidade aos votos.  A senadora Selma Arruda chegou a se pronunciar sobre a necessidade em ampliar a transparência em todo o processo. O então pré-candidato Davi Alcolumbre (DEM-AP) realizou uma votação em que 50 senadores se posicionaram a favor do voto aberto.

O caso foi parar no Supremo Tribunal Federal e o presidente da Corte, Dias Toffoli, determinou votação secreta para escolha do presidente do Senado. Mesmo com a determinação, vários senadores mostraram os votos ao colocarem as cédulas na urna, incluindo a senadora Selma Arruda.

O relatório

A senadora, que é juíza aposentada, afirma no relatório que em relação à constitucionalidade material, como se trata de PEC, a única hipótese de que a proposição pudesse ser considerada inconstitucional seria por violação a alguma das cláusulas pétreas da Constituição Federal. “O que não ocorre”, diz o relatório.

Ela ainda discorre, que há quem sustente que o art. 14, caput, da CF, “A soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos”, ao prever o voto secreto, considerado cláusula pétrea, seria aplicável também às eleições no âmbito das Casas Legislativas. No entanto, a senadora afirma que o dispositivo que assegura o voto secreto visa a proteger o cidadão eleitor, não os eleitos; aplica-se apenas às eleições em que participa o corpo eleitoral, não àquelas eleições internas do próprio corpo de eleitos.

“Que de mais a mais, devem satisfação justamente aos eleitores, sobre as posições que tomarem. Em outras palavras: o voto secreto nasceu para proteger o eleitor contra pressões indevidas, não para sonegar aos eleitos a prestação de contas das posições tomadas”, diz no parecer, que agora será apresentado à CCJ.



© CenárioMThttps://www.cenariomt.com.br
CenárioMT - Publicamos notícias diariamente no portal!
- Publicidade -

Últimas