32.5 C
Lucas do Rio Verde
domingo, 20 junho, 2021
InícioCENÁRIO POLÍTICOSchelb conversa com Bolsonaro, mas não confirma convite para Educação

Schelb conversa com Bolsonaro, mas não confirma convite para Educação

Por Débora Brito – Repórter da Agência Brasil* Brasília

O procurador da República, Guilherme Schelb, cogitado para o Ministério da Educação, encontrou-se hoje (22) com o presidente eleito Jair Bolsonaro, mas disse, ao sair do encontro, que não foi convidado  para o cargo. Schelb afirmou que apenas conversou com o presidente eleito e apresentou suas ideias para a educação brasileira.

“Foi uma conversa de apresentação, na qual pude expor ao presidente Bolsonaro a minha análise sobre as questões centrais da educação brasileira que devem ser enfrentadas com a máxima urgência”.


--Continua depois da publicidade--

Schelb afirmou que há 27 anos ministra cursos, palestras e treinamento em escolas do país. Questionado se aceitaria deixar a carreira de procurador para assumir o ministério, Schelb que só poderia falar no caso de o convite ser formalizado, mas destacou que se sentiu honrado com a possibilidade.

Entre as propostas que apresentou ao presidente eleito, Guilherme Schelb informou que a prioridade seria a defesa do cumprimento das leis constitucionais por professores, famílias e alunos. “A proposta número 1 é segurança jurídica para o professor. O professor tem que estar seguro ao exercer sua função. A proposta número 2 é restabelecer o respeito às leis e às normas que regem a educação e a infância no ambiente escolar, porque nenhuma educação do mundo é próspera se não houver ordem e respeito.”

Ele citou como exemplo os sistemas de educação da Coreia do Sul, da Finlândia, de Singapura, da Alemanha e dos Estados Unidos e declarou que, no Brasil, as leis vigentes não são respeitadas no ambiente escolar.

Ambiente violento e Escola sem Partido

“O estresse do professor brasileiro é comparável ao de agentes penitenciários. Ou seja, o grau de violência e ameaça – essas constantes que retiram da escola o ambiente propício ao ensino, ao estudo, à reflexão –,  impede de maneira absoluta que qualquer projeto pedagógico seja vitorioso. É preciso restabelecer a ordem, não no sentido de imposição; é a ordem democrática”, disse o procurador.


--Continua depois da publicidade--

Sobre o projeto de lei da Escola sem Partido, que tramita na Câmara dos Deputados, Schelb afirmou que não precisaria existir se as leis fossem conhecidas e respeitadas. Para o procurador, o projeto trabalha com um princípio: o desvio de finalidade do ensino.

De acordo com Schelb, a Escola sem Partido pode restaurar a transparência e democracia para a sala de aula.

“O que acontece na prática? O professor vai dar aula de matemática, mas, em vez disso, vai falar sobre o que ele acha que deve falar. O resultado disso: o aluno não recebe a matéria, o professor usa um tempo de aula que a lei obriga que seja temático para falar o que bem entende. Não existe transparência, nem legalidade, nem moralidade. O Artigo 37 da Constituição exige de todo o serviço público o respeito à legalidade, moralidade e transparência. Ora, sala de aula não é masmorra” , afirmou

O procurador acrescentou que, no contexto atual, os ativistas que utilizam a sua posição de professor para fazer doutrinação são todos da esquerda.

Ideologia de gênero

O procurador também falou sobre a chamada ideologia de gênero nas escolas. Ele afirmou que toda discussão é bem-vinda na educação, mas ressaltou que a lei exige cuidado especial com as crianças e que professores, em sua opinião, “têm feito o que bem entendem em sala de aula”.

“Crianças de 3 anos de idade estão submetidas à condição de fragilidade psicológica que exige, pela lei, cuidado especial. Eu não posso dar tarefa de casa, como tem sido feito, para criança de 8, 9 anos aprender sobre discussão de gênero; isso é uma violação da dignidade da criança. Esta é uma cláusula que está sendo usada abusivamente por professores que estão violando a lei.”

Apoios

Ao ser perguntado se seu nome foi apresentado ao presidente eleito por integrantes da bancada evangélica, Schelb respondeu que acredita que Bolsonaro o chamou para conversar por conhecê-lo das redes sociais e de palestras  na Câmara dos Deputados. Ele confirmou, porém, que conta com o apoio de muitos políticos, inclusive da bancada religiosa.

Schelb não disse se haverá um novo encontro com o presidente. Segundo ele, está em curso “um processo de conhecimento recíproco, de estabelecer princípios” e que demanda tempo.


--Continua depois da publicidade--

Evangélico, mestre em direito constitucional e especialista em segurança pública, Schelb atuou em investigações internacionais e foi responsável pelo combate ao crime organizado e à corrupção em órgãos públicos federais em em escândalos envolvendo o Banco Marka, e outros envolvendo aviões da Força Aérea Brasileira (FAB); a privatização do Banespa; operação Máfias Italiana e Espanhola, Anaconda, Vampiro e Guerrilha do Araguaia.

O procurador é idealizador do Programa Nacional de Prevenção da Violência e Criminalidade Infanto-Juvenil e especialista em estratégia de prevenção da violência em escolas, universidades, hospitais e polícias.

*Colaborou Carolina Gonçalves

“Preço do combustível está na média global”, diz Castello Branco


--Continua depois da publicidade--

© CenárioMThttps://www.cenariomt.com.br
CenárioMT - Publicamos notícias diariamente no portal!
- Publicidade -

Últimas no CenárioMT

Lucas do Rio Verde

IMPORTUNAÇÃO SEXUAL
Passageiro de Lucas do Rio Verde ‘passa mão’ em idosa durante viagem de ônibus
junho 20, 2021
Lucas do Rio Verde
Agentes de Saúde e Atenção Básica recebem capacitação em Lucas do Rio Verde
junho 19, 2021