27.1 C
Lucas do Rio Verde
segunda-feira, 06 dezembro, 2021
InícioCENÁRIO POLÍTICODIRETO DE BRASÍLIAUnificação de órgãos pode viabilizar regularização do Núcleo Rural Lago Oeste, no...

Unificação de órgãos pode viabilizar regularização do Núcleo Rural Lago Oeste, no DF

Por

Unificar órgãos públicos para agilizar o licenciamento ambiental e a regularização fundiária de chácaras no Núcleo Rural Lago Oeste, localizado no Distrito Federal. Esse foi o foco da audiência pública promovida pela Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) nesta quinta-feira (25). Autor do pedido para realização do debate, o senador Izalci Lucas (PSDB-DF) considerou fundamental esclarecer dúvidas sobre a proteção ambiental e encontrar formas legais de regulamentar a ocupação da área. 

— Vários atores estão envolvidos no processo e, na prática, a gente precisa formar um grupo de trabalho o mais rapidamente possível. Esse é o meu foco para resolvermos a questão: unir órgãos responsáveis e os interessados, a fim de encontrarmos uma solução definitiva. Hoje, cada instituição dá um argumento diferente e a gente não consegue resolver — ponderou. 


--Continua depois da publicidade--

Além de resultar no grupo de trabalho, a audiência pública gerou encaminhamentos como a inclusão da Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap) oficialmente no processo e tratativas para um acordo de cooperação a ser definido entre a Secretaria de Patrimônio da União (SPU) e a Associação dos Produtores do Núcleo Rural Lago Oeste (Asproeste). 

Mesa de diálogo

Cerca de 1,2 mil chácaras aguardam regularização. Vice-presidente da Asproeste, Elisangela Sanches Januário observou que a ocupação das terras remonta a 1984, com o núcleo rural de viés agroecológico instituído desde 1993. Ao declarar que o licenciamento e a regulamentação são fundamentais para garantir que a área permaneça rural e para dar segurança jurídica aos moradores, a debatedora considerou a demora injustificada. 

— Licenciar e regularizar vão garantir que os investidores não corram riscos para o futuro. A comunidade está interessada, mas estamos travados por questões burocráticas nas negociações com a Terracap e a SPU-DF. Precisamos de uma mesa de diálogo permanente com esses órgãos — defendeu. 

Etapas diversas

Coordenadora-executiva de regularização de terras rurais da Terracap, Fabiana di Lucia ressaltou que o setor de coordenação de terras rurais foi criado para tratar de temas como o do Lago Oeste. E que o órgão tem atuado para o acertamento fundiário, a regulamentação de assinaturas de concessões e sobre matrículas individualizadas, o que dará aos habitantes a possibilidade de comprar as áreas que ocupam. 


--Continua depois da publicidade--

Segundo Fabiana, embora esteja em curso um estudo de licenciamento ambiental junto à Asproeste, essa etapa não se refere a regularização fundiária. O termo de cooperação entre a Terracap e a associação com esses esclarecimentos está sendo elaborado e será assinado ao fim dos estudos, informou. 

— Neste momento, é preciso esclarecer que o processo de regularização envolve diversas etapas e estudos. O licenciamento é apenas uma dessas etapas — avisou. 

Base técnica

O superintendente de licenciamento ambiental do Instituto Brasília Ambiental (Ibram), Alisson Santos Neves, disse que antecipar um desfecho sem base técnica ou jurídica pode prejudicar todo o processo, que poderia ser judicializado. Segundo o debatedor, a ocupação do Lago Oeste é um assunto complexo e tem trazido experiências por meio da vivência, já que a área está envolta por uma unidade de conservação, o Parque Nacional de Brasília. 

Alisson informou que o Ibram aguarda manifestação do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), “respeitando o tempo e reconhecendo o trabalho do órgão”, bem como o posicionamento do Conselho do Meio Ambiente do DF para dar uma definição ao tema. Ao elogiar a associação de produtores, o superintendente destacou que o aperfeiçoamento da legislação é um trabalho contínuo. 

— A gente só rende homenagens a essa população [do Lago Oeste] e à Asproeste por buscar soluções, sempre da forma mais correta possível. Em nenhum momento que estivemos juntos, a associação buscou atalhos ou ajustes não republicanos, sempre buscou esse processo de forma correta e hoje estamos próximos de finalizá-lo — reconheceu. 

O que funciona

Para o representante da Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Distrito Federal (Sema), Dálio Ribeiro de Mendonça Filho, a iniciativa de Izalci Lucas de unir os atores envolvidos é o que “realmente funciona”. Ele reconheceu a existência das burocracias, mas apontou o diálogo como medida para solucionar não só problemas locais, mas os de todo o país. 

— A formação de um grupo de trabalho interinstitucional é o meio para darmos esses encaminhamentos. Foi assim que sempre resolvi os licenciamentos de obras de governo, e essa proposição é a mais adequada e mais pertinente. Tenho certeza de que o Lago Oeste, desta forma, aumentará seus níveis de sustentabilidade socioambiental — declarou o debatedor.

Redes sociais

107,343FãsCurtir
17,057SeguidoresSeguir
2,098SeguidoresSeguir

Lucas do Rio Verde

Lucas do Rio Verde
Prova noturna marca a última etapa do Circuito 4 Estações de Corrida de Rua
dezembro 06, 2021
Lucas do Rio Verde
Covid-19: Confira quem está sendo vacinado em Lucas do Rio Verde nesta semana
dezembro 06, 2021
No Rio Verde
Homem morre afogado na ‘Pedreira’ em Lucas do Rio Verde
dezembro 06, 2021
Em Lucas!
Bombeiros socorrem homem vítima de esfaqueamento em Lucas do Rio Verde
dezembro 06, 2021