29.2 C
Lucas do Rio Verde
terça-feira, 07 dezembro, 2021
InícioCENÁRIO POLÍTICODIRETO DE BRASÍLIASessão solene contra violência de gênero discute causas femininas no Senado

Sessão solene contra violência de gênero discute causas femininas no Senado

Por

O Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher foi celebrado em sessão solene semipresencial do Congresso Nacional nesta quinta-feira (25). A sessão marcou o início da campanha dos “16 Dias de Ativismo”, realizada anualmente em 170 países até o 10 de dezembro, dia em que se comemora a Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 1948. Convidadas e convidados aproveitaram a data para fazer um balanço da luta pela igualdade de gênero no Brasil e no mundo. 

A sessão foi realizada por requerimento das senadoras Leila Barros (Cidadania-DF) e Simone Tebet (MDB-MS) e das deputadas Tereza Nelma (PSDB-AL) e Celina Leão (PP-DF). Presidindo a sessão, Leila Barros, que também é procuradora especial da Mulher no Senado, traçou um paralelo entre a luta contra a violência de gênero e a luta contra o racismo.


--Continua depois da publicidade--

— Não é por acaso que os 16 Dias de Ativismo pelo fim da violência contra as mulheres no Brasil começam cinco dias depois do Dia Nacional da Consciência Negra. O racismo envenena a nossa vida social, abrevia a vida das mulheres negras brasileiras e atenta contra o direito humano, a nossa dignidade de seres humanos — afirmou a senadora.

Simone Tebet ressaltou a importância da sessão solene para dar visibilidade ao problema.

— Muitos perguntam “por que o dia disso, por que o dia daquilo”, por que o Senado Federal paralisa por duas horas as suas atividades para falar de um tema que nós sabemos que é uma realidade. É simples: para dar visibilidade a essa situação. O racismo no Brasil é estrutural, a homofobia no Brasil é estrutural, mas poucas pessoas reconhecem que a misoginia é estrutural — explicou.

As palestrantes insistiram na importância do apoio cada vez maior dos homens, no Congresso e fora dele, na edição de leis que promovam a igualdade de gênero. O senador Wellington Fagundes (PL-MT) mencionou projeto de sua autoria (PL 763/2021), que reserva 30% das vagas de deputados federais, estaduais e distritais e de vereadores para mulheres, e uma vaga de senadora a cada renovação de dois terços do Senado. O Senado aprovou em julho projeto do senador Angelo Coronel (PSD-BA), o PL 1951/2021, que prevê um aumento gradual da reserva mínima de vagas para mulheres nas câmaras e assembleias legislativas, atingindo os 30% nas eleições de 2038 e 2040. O projeto tramita na Câmara dos Deputados.


--Continua depois da publicidade--

— Acredito que muito antes de 2040 esse percentual será alcançado — declarou Wellington.

Uma das convidadas, Ana Carolina Querino, gerente de programas da ONU Mulheres Brasil, elogiou as participações de Wellington e do senador Luiz do Carmo (MDB-GO).

— Precisamos chamar a atenção para esse fenômeno não só discutindo entre nós, mulheres mas, também trazendo os homens para discussão. Infelizmente os homens são parte desse problema e precisam ser parte da solução, apoiando todas as medidas que promovem a vida e a dignidade das mulheres brasileiras.

A advogada Josefina Serra dos Santos, conselheira seccional e diretora de Igualdade Racial e Social da OAB do Distrito Federal, conclamou as parlamentares a apresentarem mais projetos em favor da causa feminina:

— Parece o tempo todo que a gente está pedindo, implorando para os homens fazerem uma lei para passar para a gente. Cadê a nossa competência? — cobrou.

Irmãs Mirabal

Vinte e cinco de novembro é o Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher desde 1999, por decisão da Assembleia-Geral das Nações Unidas. A data foi escolhida em memória do assassinato de três irmãs, Patria, Minerva e María Teresa Mirabal, em 1960, na República Dominicana. Elas lutavam contra a ditadura do general Rafael Trujillo. O crime causou indignação mundial.

Em homenagem a elas, foi marcada para a tarde desta quinta-feira a inauguração da Praça Irmãs Mirabal, em frente à embaixada da República Dominicana, no Setor de Embaixadas Sul, em Brasília. Convidada à sessão solene, a embaixadora da República Dominicana, Patricia Villegas de Jorge, exaltou o simbolismo do martírio das irmãs Mirabal para a luta das mulheres contra a violência.

— Esse fato escandaloso foi um grito de liberdade em relação aos direitos femininos e um grito de liberdade contra uma tirania brutal — discursou a embaixadora.


--Continua depois da publicidade--

Redes sociais

107,348FãsCurtir
17,057SeguidoresSeguir
2,098SeguidoresSeguir

Lucas do Rio Verde

MEDIDA EMERGENCIAL
Barreiras de contenção de água são removidas para reduzir alagamento da BR 163 em Lucas
dezembro 07, 2021
PROGRAMA CASA VERDE E AMARELA
Projeto que viabiliza construção de 1,5 mil imóveis por meio de programa social em Lucas é aprovado
dezembro 07, 2021
Lucas do Rio Verde
Servidor Público morre após queda de telhado em Lucas do Rio Verde
dezembro 07, 2021
Lucas do Rio Verde
Material lúdico educativo é fornecido ao CAPS e CAM de Lucas do Rio Verde
dezembro 07, 2021