26.2 C
Lucas do Rio Verde
segunda-feira, 27 setembro, 2021
InícioCENÁRIO POLÍTICODIRETO DE BRASÍLIASenadores fazem balanço de depoimento de Alexandre Marques

Senadores fazem balanço de depoimento de Alexandre Marques

Parlamentares concordam que o depoimento deixou claro que um documento não oficial chegou a Bolsonaro e não poderia ter sido divulgado. Randolfe vê indícios de falsificação de documento público
Por CenárioMT com inf. Agência Senado

O vice-presidente da CPI da Pandemia, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), em entrevista coletiva após o depoimento do auditor do Tribunal de Contas da União (TCU) Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques, nesta terça-feira (17), disse que há indícios para responsabilizar o presidente Jair Bolsonaro por falsificação de documento público.

— O presidente da República alerta o Brasil de que existia um documento oficial. É algo gravíssimo — ressaltou.


--Continua depois da publicidade--

Para Randolfe, é desnecessário o comparecimento à CPI do pai de Alexandre Marques, o coronel da reserva Ricado Marques, que teria repassado o documento a Bolsonaro. Ele espera que a quebra de sigilo de dados deverá esclarecer a questão da transferência dos dados e de sua divulgação dentro de um pequeno espaço de tempo.

— Os elementos e indícios levam a crer que a falsificação aconteceu ou na Presidência da República ou por parte do presidente da República.

O senador Humberto Costa (PT-PE) concorda que o depoimento deixa claro que um documento não oficial chegou às mãos de Bolsonaro e foi divulgado à sociedade na forma de “falsificação” como apoio ao argumento da superestimação de mortes por covid-19.

— Isso caracteriza um crime de falsidade ideológica cometido pelo presidente, que ele próprio fraudou ou determinou que alguém fraudasse esse documento para justificar uma posição.


--Continua depois da publicidade--

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) classificou o depoimento de hoje como “perda de tempo” em torno de assunto superado.

— O Tribunal [de Contas da União] já se manifestou sobre isso, o próprio presidente reconheceu que fez uma referência indevida sobre esse documento, mas a CPI traz o assunto de volta para apurar um assunto que não tem a menor relevância.

O senador não descarta a necessidade de “revisitar” mais à frente o tema do estudo, sublinhando que ministros do TCU já manifestaram preocupação com a hipótese de “distorções perigosas” envolvendo o repasse de recursos em função da notificação de mortes por covid-19. Marcos Rogério ainda contestou os argumentos de que Bolsonaro teria manipulado o conteúdo do documento.

— Se alguém está mascarando alguma coisa aqui, é a CPI, quando não quer investigar o que está acontecendo em estados e municípios — protestou.

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) avaliou que, com celeridade e responsabilidade, é possível à CPI fazer todo o levantamento dos dados até o final de setembro, mas preferiu não fazer previsão sobre o possível encerramento antecipado do colegiado. Ela afirmou que a CPI já pode trabalhar com provas suficientes, com exceção da “nova frente de investigação” sobre a Covaxin que deve ser aberta com o depoimento do empresário Francisco Maximiano, dono da Precisa Medicamentos, previsto para esta quinta-feira (19).

— Quando foi desmascarado que a Precisa não tem a procuração como representante exclusiva da Bharat, o castelo de cartas se desmonta — afirmou.

Os senadores também manifestaram apoio à decisão de cancelamento da acareação entre o ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), e o deputado Luis Miranda (DEM-DF), inicialmente prevista para esta quarta-feira — em seu lugar, será ouvido Túlio Silveira, advogado da Precisa Medicamentos. Randolfe reiterou que, em caso de falso testemunho, o presidente da CPI não poderia decretar a prisão dos depoentes, que são detentores de mandatos na Câmara dos Deputados.

Para Marcos Rogério, o cancelamento da acareação foi um acerto da CPI, pois, diferentemente de Luis Miranda, Onyx não depôs separadamente. Humberto Costa concorda com o cancelamento, pois não acrescentaria aos fatos já conhecidos sobre a falsidade de vários documentos em torno do contrato das vacinas.


--Continua depois da publicidade--

Redes sociais

107,349FãsCurtir
17,057SeguidoresSeguir
2,041SeguidoresSeguir

Lucas do Rio Verde

AUDIÊNCIA PÚBLICA
Lucas: Vereadores e profissionais da educação discutem mudanças na escolha de gestão escolar
setembro 27, 2021
chegada dos trilhos em Lucas
Lucas do Rio Verde poderá se tornar grande centro tecnológico, afirma Marino Franz
setembro 27, 2021
Confira programação!
Covid-19: Confira quem está sendo vacinado em Lucas do Rio Verde nesta semana
setembro 27, 2021
Câmara de Lucas do Rio Verde aprova cessão estrutura de comunidade rural para empresa que constrói usina hidrelétrica
setembro 27, 2021