25 C
Lucas do Rio Verde
sábado, 19 junho, 2021
InícioCENÁRIO POLÍTICODIRETO DE BRASÍLIAQueiroga assume responsabilidade por dispensa de Luana Araújo

Queiroga assume responsabilidade por dispensa de Luana Araújo

Em resposta ao relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, admitiu que não há infectologistas atuando na pasta
Por CenárioMT com inf. Agência Senado

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta terça-feira (8), em seu segundo depoimento à CPI da Pandemia, que a decisão de não nomear a infectologista Luana Araújo para Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 foi dele. Segundo Queiroga, não houve “óbice político” ao nome de Luana, versão, conforme senadores, diferente da relatada pela infectologista e pelo próprio ministro em audiência na Câmara dos Deputados. Questionado pelo relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL), o ministro também admitiu que, mesmo em meio à pandemia, não há infectologistas na pasta da Saúde.

Queiroga disse que “mudou de posição” sobre a nomeação de Luana Araújo, que era então uma colaboradora eventual da pasta, e decidiu dispensá-la após perceber que o nome dela não traria “harmonização” entre médicos. 


--Continua depois da publicidade--

 Apesar da qualificação técnica, o nome de Luana começou a sofrer muitas resistências, em face dos temas que são tratados aqui, quando há uma divergência muito grande entre a classe médica. E eu entendi que, naquele momento, a despeito da qualificação que a Dra. Luana tem, não seria importante a presença dela para contribuir para a harmonização desse contexto. Então, em um ato discricionário do Ministro, resolvi não efetivar a sua nomeação — declarou.

Senadores apontaram contradições e questionaram a autonomia do ministro. Em depoimento à CPI na semana passada, Luana disse que Queiroga havia lhe comunicado que seu nome não seria aprovado no governo, por isso ele não a efetivaria. Em uma audiência na Câmara dos Deputados no dia 26 de maio, 20 dias depois de prestar depoimento na CPI da Pandemia, Queiroga afirmou que Luana Araújo era uma “pessoa qualificada”, e que tinha as condições técnicas para exercer “qualquer função pública”, mas que não foi nomeada porque além de “validação da técnica”, era necessário “validação política”.

Alguém mentiu. Ou o senhor ou ela — afirmou Eliziane Gama (Cidadania-MA).

O presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM) chegou a comentar a possibilidade de uma acareação para saber quem está mentindo e disse que se o ministro não quisesse trabalhar com Luana Araújo, não teria nem anunciado o nome da infectologista.


--Continua depois da publicidade--

Vossa Excelência esteve aqui e disse que tinha autonomia no Ministério, convida uma pessoa para trabalhar com o senhor. Se o senhor não quisesse ela, não teria nem encaminhado para a Casa Civil. Depois que o senhor encaminha para a Casa Civil que o senhor vai ver que tem divergência? — questionou o presidente da CPI.

Em resposta aos senadores, ele afirmou que o nome foi encaminhado para a Casa Civil e para a Secretaria de Governo e que não houve veto ao nome de Luana Araújo por parte do Palácio do Planalto.

Senador, eu volto a esclarecer, não houve óbices formais da Secretaria de Governo e da Casa Civil — respondeu o ministro.

Mas a mudança de versão do ministro não convenceu a todos. Para o senador Tasso Jeireissati (PSDB-CE) é “muito estranho” convidar alguém e dispensar 15 dias depois. 

  É muito estranho quando o ministro convoca (…), convida uma pesquisadora de altíssimo nível que impressionou a todos nós aqui para ocupar o cargo mais importante do Ministério da Saúde e talvez do Brasil nos dias de hoje, que é a Coordenação de Combate à Pandemia, e 15 dias depois o senhor mesmo desconvida. É muito, muito estranho. Não é normal, não é usual — disse o senador. 

O senador Jorginho Mello (PP-SC), por sua vez, disseque apesar das qualidades técnicas apresentadas, é natural que Luana Araújo tenha sido reprovada no “teste político”.

— Ela passou em todos os testes, mas não passou no teste político. Isso é a coisa mais normal do mundo — disse Jorginho Mello.

Mayra Pinheiro

Parlamentares também estranharam o fato de Luana Araújo, que é defensora da ciência e crítica do uso de medicamentos sem comprovação, tenha sido dispensada do Ministério enquanto que Mayra Pinheiro, que promove o “tratamento precoce” segue na pasta. 


--Continua depois da publicidade--

Em resposta a Renan Calheiros (MDB-AL), Queiroga disse que Mayra Pinheiro não cuida da covid-19: 

—  Eu assumi o Ministério da Saúde em uma condição especialíssima, onde eu tinha que colocar a máquina em andamento sem haver uma solução de continuidade na gestão pública, e a Dra. Mayra vem fazendo o trabalho dela na área da Gestão do Trabalho e Educação na Saúde – disse Queiroga, segundo o qual Mayra tem a “história” da pasta. 

Diante de outra pergunta, desta vez de Eliziane Gama, Queiroga afirmou que não houve qualquer imposição do governo para manter Mayra Pinheiro no cargo. O ministro também declarou que tem autonomia para montar sua equipe, mas isso não significa uma “carta branca”. Ele acrescentou que se sentir desprestigiado, deixará o comando da pasta.

O presidente me deu autonomia para eu conduzir o Ministério da Saúde. Isso não significa uma carta branca pra fazer tudo que quer, não existe isso. O regime é presidencialista. Até o momento, não houve nenhum ponto que me fizesse sentir desprestigiado à frente do Ministério da Saúde — disse. 


--Continua depois da publicidade--

Já os senadores Eduardo Girão (Podemos-CE) e Marcos Rogério (DEM-RO) criticaram a nova convocação de Queiroga e disseram que o ministro da Saúde foi “tirado da linha de frente para responder perguntas repetitivas” e que isso pode atrapalhar o combate à pandemia.

Um dia de trabalho do ministro da Saúde no momento grave, gravíssimo, que a gente vive, podendo ampliar a campanha de vacinação, podendo visitar estados e municípios junto com a equipe, o senhor simplesmente vem aqui mais uma vez para esclarecer coisas que já tinha esclarecido — disse Eduardo Girão. 

Marcos Rogério afirmou que a CPI não tem competência para ser “a comissão de ética do Poder Executivo” e criticou o que ele chamou de tentativa de criar uma “rota de colisão” entre o ministro e o presidente da República, Jair Bolsonaro. 

Como bem disse o ministro Queiroga, ele não é censor do presidente da República e nem pode atuar como se fosse. Buscar opiniões acerca da conduta pessoal do presidente não tem qualquer pertinência, a não ser tentar fazer com que o ministro, que é subordinado, censure o Presidente e que se estabeleça uma rota de colisão. Isso é o papel da CPI? — declarou Marcos Rogério.

Sobre a vaga ainda não preenchida na secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, Queiroga disse que pretende nomear algém para o cargo até a próxima sexta-feira (11) e que “a pressa é inimiga da perfeição”.

Infectologistas

Renan Calheiros perguntou quantos infectologistas compõem a equipe do Ministério da Saúde. Na semana passada, Luana Araújo disse não ter conhecido nenhum médico com essa especialidade nos principais cargos da pasta, informação que foi confirmada por Queiroga. Segundo o ministro, não há infectologistas trabalhando no Ministério da Saúde para tratar do combate à pandemia de covid-19.

O Ministério da Saúde, ao longo do tempo, tem perdido quadros. Nós não temos, no Ministério da Saúde, médicos infectologistas — confirmou.

Para o senador, a ausência de infectologistas é muito grave. 

Tem ainda muitos militares no Ministério. Não tem nenhum infectologista — criticou o senador. 

Mesmo com a resposta do ministro da Saúde, o senador Luis Carlos Heinze (PP-RS), existem ao menos sete infectologistas na pasta. 

A Dra. Francieli, que foi citada aqui, ela é infectologista. A Dra. Luana mentiu quando disse que não tinha, ela era a única. Aqui eu já tenho mais seis nomes — disse Heinze. 

Em resposta a Heinze, o ministro explicou que não há nenhum infectologista trabalhando com ele.

Gabinete paralelo

Questionado pelo relator da CPI, Renan Calheiros, o ministro disse desconhecer um gabinente paralelo que supostamente assessora  Jair Bolsonaro durante a pandemia.

Nunca vi esse grupo atuando em paralelo. Não tenho contato com esse grupo — respondeu Queiroga. 

Mas o ministro admitiu ter mantido “contatos isolados” com a médica Nise Yamaguchi, o empresário Carlos Wizard e o deputado federal Osmar Terra e o vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro. Negou ter contato com o Arthur Weintraub, com o virologista Paolo Zanotto e com o anestesista Luciano Dias Azevedo.

Queiroga também confirmou que um representante do Ministério da Saúde, o secretário executivo Hélio Angotti Neto, se reuniu com supostos membros do gabinete paralelo.

— O fato de esses médicos defenderem tratamento “a”, “b”, “c” ou “d” não quer dizer que o Ministério da Saúde não possa participar. Não quer dizer que eu, ao participar do evento, eu ratifico tudo que há ali. Mas não participei. 


- Publicidade -

Últimas no CenárioMT

Lucas do Rio Verde

Lucas do Rio Verde
Agentes de Saúde e Atenção Básica recebem capacitação em Lucas do Rio Verde
junho 19, 2021
LUTO
Com mais dois óbitos, Lucas do Rio Verde chega 166 mortes por Covid-19
junho 19, 2021