37.3 C
Lucas do Rio Verde
quarta-feira, 22 setembro, 2021
InícioCENÁRIO POLÍTICODIRETO DE BRASÍLIAPlenário pode votar projeto que libera recursos para a cultura na pandemia

Plenário pode votar projeto que libera recursos para a cultura na pandemia

Plenário pode votar, nesta quinta, a chamada Lei Paulo Gustavo, que libera R$ 3,8 bilhões para amenizar os efeitos negativos da pandemia de no setor cultural
Por CenárioMT com inf. Agência Senado

Com início previsto para as 16h, a sessão deliberativa semipresencial, desta quinta-feira (26), tem em sua pauta votação de autoridades sabatinadas pelas Comissões Permanentes e o exame de cinco itens, entre eles, o Projeto de Lei Complementar (PLP) 73/2021, que libera R$ 3,8 bilhões para amenizar os efeitos negativos econômicos e sociais da pandemia de covid-19 no setor cultural. A proposta, apresentada pela bancada do PT, é relatada pelo senador Eduardo Gomes (MDB-TO).

O texto, já conhecido como Lei Paulo Gustavo, determina que o montante de R$ 3,8 bilhões virá do atual superávit financeiro do Fundo Nacional de Cultura (FNC). A União terá de enviar esse dinheiro para que Estados, Distrito Federal e Municípios apliquem “em ações emergenciais que visem combater e mitigar os efeitos da pandemia de covid-19 sobre o setor cultural”. O dinheiro será transferido em até 15 dias após a publicação da lei, por meio dos fundos estaduais, municipais e distrital de cultura ou, quando não houver, de outros órgãos ou entidades responsáveis pela gestão desses recursos. Caso o projeto vire lei, o dinheiro terá que ser liberado por meio de Medida Provisória editada pela Presidência da República.


--Continua depois da publicidade--

Retorno às aulas

Os senadores também tentarão votar, pela sexta vez, o projeto de lei com diretrizes para volta às aulas presenciais durante a pandemia de covid-19 – (PL) 5.595/2020.

Na semana passada, os senadores chegaram a um consenso sobre a proposta, mas afirmaram não ter confiança de que a Câmara dos Deputados manteria o texto que viesse a ser aprovado em Plenário. Isso acabou adiando a votação do projeto, de autoria da deputada Paula Belmonte (Cidadania-DF).

O relator do projeto sobre a volta às aulas, senador Marcos do Val (Podemos-ES), apresentou ao Plenário um novo parecer, no qual soluciona as duas principais resistências à votação: garante o direito de greve aos profissionais da educação e relativiza a qualificação do ensino presencial como “serviço essencial” (o que impediria a sua interrupção mesmo em cenários de catástrofe). Com isso, haveria acordo para aprovar o texto, que então voltaria à Câmara, onde ele foi concebido. O receio entre os senadores, porém, foi de que os deputados desfariam esses ajustes.

Contas rejeitadas

Outro projeto a ser analisado em Plenário é o PLP 9/2021, de autoria do deputado Lúcio Mosquini (MDB-RO), que permite a candidatura de gestor com contas rejeitadas. Aprovado em junho na Câmara, o projeto que garante o direito de se candidatar ao gestor público que tenha tido suas contas julgadas irregulares, mas que tenha sido punido apenas com multa. 


--Continua depois da publicidade--

De acordo com a legislação atual, fica inelegível por oito anos o gestor que tiver contas rejeitadas por irregularidade insanável que configure ato doloso de improbidade administrativa, e por decisão irrecorrível do órgão competente, salvo se esta houver sido suspensa ou anulada pelo Poder Judiciário.

Já o texto aprovado na Câmara determina que a pena não cabe aos responsáveis que tenham tido suas contas julgadas irregulares, sem imputação de débito, e tenham sido punidos, exclusivamente, com o pagamento de multa. O relator da matéria na Câmara, deputado Enrico Misasi (PV-SP), afirmou que é necessário tornar a Lei Complementar 64/1990 (também chamada de Lei da Inelegibilidade) compatível com a jurisprudência dos tribunais eleitorais.

Percentuais mínimos na educação

Outro item é a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 13/2021, que desobriga os entes federativos da aplicação de percentuais mínimos de suas receitas no ensino durante o exercício de 2020, primeiro ano da pandemia.

A votação da PEC, que tem como primeiro signatário o senador Marcos Rogério (DEM-RO), estava prevista para a última terça (17), mas foi retirada de pauta depois que o senador Flávio Arns (Podemos-PR) solicitou a sessão de debates, ocorrida nesta terça (24).

Os senadores encontram-se divididos entre a manutenção dos recursos constitucionais à educação e o equilíbrio fiscal de Estados, Municípios e Distrito Federal.

Arns avaliou que a PEC pode abrir um perigoso precedente e incentivar o descumprimento dos investimentos mínimos em educação. O parlamentar enfatizou que estudo feito pela Consultoria do Senado apontou que apenas 280 municípios brasileiros e um Estado não conseguiram cumprir a destinação mínima de 25% para manutenção e desenvolvimento do ensino, conforme determina a Constituição. 

Para o senador Lasier Martins (Podemos-RS), porém, vive-se uma circunstância excepcional, “verdadeiro tempo de guerra contra uma pandemia devastadora”, e diante dessa realidade não se pode perder de vista a situação enfrentada pelos prefeitos. O texto é relatado pela senadora Soraya Thronicke (PSL-MS).

Rastreamento de veículos

Consta ainda pauta o PLP 103/2021 (substitutivo da Câmara ao projeto de lei do Senado (PLS) 501/2013), que explicita a incidência do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) sobre os serviços de monitoramento e rastreamento de veículos e carga. De autoria do ex-senador Romero Jucá, o texto fez parte das propostas do Pacto Federativo e foi aprovado no Senado em novembro de 2015. A matéria foi então encaminhada à Câmara, onde sofreu alterações, e agora retorna ao Senado.


--Continua depois da publicidade--

A Lei Geral de Telecomunicações (Lei 9.472, de 1997) distingue os serviços de telecomunicações dos chamados serviços de valor adicionado, a exemplo dos oferecidos pelas empresas de Tecnologia de Informação Veicular (TIV). O PLS 501/2013 altera a redação da lista de serviços anexa à Lei Complementar 116/2003, que enumera os serviços sujeitos ao pagamento de ISS, acrescentando os serviços de rastreamento e explicitando que, entre esses serviços, sejam incluídos os realizados por empresas de TIV, por telefonia móvel, transmissão por satélites, rádio e por qualquer outro meio.

Redes sociais

107,337FãsCurtir
17,057SeguidoresSeguir
2,036SeguidoresSeguir

Lucas do Rio Verde

Lucas do Rio Verde
Equipe de karatê de Lucas do Rio Verde conquista segunda colocação em competição nacional
setembro 22, 2021
TOP 4 NACIONAL
Cercado de expectativa, Show Safra 2022 é lançado em Lucas do Rio Verde
setembro 22, 2021
PROCURA-SE
Adolescente residente em Lucas do Rio Verde segue desaparecida: menor que ‘foi localizada’ também havia saído de casa
setembro 22, 2021
FIQUE ATENTO
Prova pra seleção de conciliador da Justiça de Lucas do Rio Verde será no domingo (26)
setembro 22, 2021