21 C
Lucas do Rio Verde
quarta-feira, 12 maio, 2021
InícioCENÁRIO POLÍTICODIRETO DE BRASÍLIAPaim defende projeto que equipara crime de injúria racial ao de racismo

Paim defende projeto que equipara crime de injúria racial ao de racismo

Senador Paulo Paim: "Precisamos reparar essa chaga histórica, esse racimos estrutural, desumano, que existe em nosso país".
Por CenárioMT com inf. Agência Senado

Em pronunciamento nesta terça-feira (27), o senador Paulo Paim (PT-RS) defendeu a aprovação do PL 4.373/2020, que prevê a inclusão do crime de injúria racial na Lei nº 7.716, de 1989, equiparando-o ao crime de racismo.

Além disso, o projeto aumenta a pena para a injúria racial, que passa a ser de dois a cinco anos de reclusão, e multa. Pelo texto atual do Código Penal, quem for responsabilizado pela prática desse tipo de crime poderá ser condenado com a pena de reclusão de um a três anos, além da multa.


--Continua depois da publicidade--

Segundo Paim, essa proposta é uma demanda dos movimentos negros, que são fonte de resistência e de luta.

— Precisamos reparar essa chaga histórica, esse racimos estrutural, desumano, que existe em nosso país. Injúria racial é crime inafiançável e que não prescreve. O mundo inteiro está percebendo que a união de todas as cores, que a valorização da humanidade é o único remédio para curar os seres humanos.

Paulo Paim lamentou ainda que, pelas regras atuais, os responsáveis por crimes dessa natureza não sejam devidamente penalizados. Ele citou o caso de uma mulher condenada a um ano de prisão em 2013, por ofensas raciais proferidas contra uma frentista de um posto de gasolina. A defesa da mulher condenada impetrou habeas corpus no Supremo Tribunal Federal, alegando a prescrição da pena.

O julgamento na Corte, suspenso depois de um pedido de vista do ministro Alexandre de Moraes, gira em torno da discussão se o crime de injúria racial é uma espécie de crime de racismo e, assim sendo, passa a ser imprescritível.


--Continua depois da publicidade--

O senador ainda destacou a rapidez do julgamento do ex-policial Dereck Chauvin, condenado, neste ano, pela justiça dos Estados Unidos, pelo assassinato de George Floyd, em maio de 2020.

Ao final, ele manifestou concordância com a pensadora Lélia Gonçales. Segundo ela, enquanto a questão negra não for assumida pela sociedade como um todo, nada mudará. 


- Publicidade -

Últimas no CenárioMT

Lucas do Rio Verde

Geral
Rota do Oeste oferece sete vagas para contratação imediata em Lucas do Rio Verde
maio 12, 2021
GOLPE
Lucas do Rio Verde: Internauta denuncia tentativa de golpe com fotos de sua casa
maio 12, 2021