27.4 C
Lucas do Rio Verde
sábado, 04 dezembro, 2021
InícioCENÁRIO POLÍTICODIRETO DE BRASÍLIAOrganizador de eventos deve fornecer pulseira de identificação para crianças, decide CDH

Organizador de eventos deve fornecer pulseira de identificação para crianças, decide CDH

Por

Organizadores de eventos poderão ser obrigados a disponibilizar gratuitamente pulseiras de identificação para crianças. É o que prevê o Projeto de Lei (PL) 176/2020, aprovado nesta terça-feira (23) pela Comissão de Direitos Humanos (CDH), na forma de um substitutivo da senadora Leila Barros (Cidadania-DF).

O texto acrescenta parágrafos ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) para estabelecer a obrigação aos organizadores de eventos abertos ao acesso público, com ou sem pagamento de ingresso. De autoria do deputado federal Diego Garcia (Podemos–PR), a matéria seguiu para análise da Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor (CTFC).


--Continua depois da publicidade--

Substitutivo

O projeto original estabelecia que a pulseira de identificação conteria sistema para impedir sua reutilização, além de ser inviolável, intransferível, resistente à água, não tóxica, hipoalergênica e com sistema de fechamento seguro. Essa especificação da pulseirinha, no entanto, foi retirada no substitutivo de Leila Barros. Para a senadora, o dispositivo “se vale de detalhamento atípico a uma lei — quer pela minúcia apresentada, quer pela dificuldade de eventual necessidade de alteração”. No substitutivo, está previsto que a pulseirinha atenderá requisitos previstos por regulamento, a ser elaborado posteriormente.

No substitutivo, Leila Barros também trocou o termo “eventos públicos” para “eventos de acesso facultado ao público em geral, com ou sem pagamento de ingresso”. Isso para eliminar a dúvida de se seriam eventos promovidos por órgãos públicos ou eventos em geral abertos ao público.

A senadora também trocou a expressão “crianças de até 12 anos” pela terminologia do ECA, que considera criança a pessoa até 12 anos de idade incompletos — eliminando assim a ambiguidade de o projeto contemplar ou não crianças de 12 anos já completos.

O objetivo da proposição é prevenir o desaparecimento de crianças, “situação geralmente verificada em eventos nos quais há grande aglomeração de pessoas”. Segundo o deputado Diego Garcia, já existe legislação semelhante em estados como Paraná, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Goiás e São Paulo. Leila Barros considerou o projeto meritório.


--Continua depois da publicidade--

Redes sociais

107,348FãsCurtir
17,057SeguidoresSeguir
2,096SeguidoresSeguir

Lucas do Rio Verde

Lucas do Rio Verde
Prefeitura de Lucas do Rio Verde apresenta projeto de ajuste no PCCS
dezembro 04, 2021
Lucas do Rio Verde
Campanha do Laço Branco terá roda de conversa sobre tema nesta segunda-feira (06)
dezembro 04, 2021
Lucas do Rio Verde
Pesquisa de opinião sobre os cursos da UFMT em Lucas termina nesta segunda (06)
dezembro 04, 2021
Lucas do Rio Verde
Estrutura da rede municipal de educação atrai visita de assessores de Sergipe
dezembro 03, 2021