23.1 C
Lucas do Rio Verde
sábado, 19 junho, 2021
InícioCENÁRIO POLÍTICODIRETO DE BRASÍLIAMandetta revela "gabinete paralelo" e tentativa de mudar bula da cloroquina

Mandetta revela “gabinete paralelo” e tentativa de mudar bula da cloroquina

Secretária do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro manteve defesa da cloroquina em seu depoimento à CPI
Por CenárioMT com inf. Agência Senado

O ponto de partida da CPI foram os quatro ministros que atuaram na Saúde desde o início da crise sanitária. O rol de testemunhas começou com Luiz Henrique Mandetta, que esteve à frente da pasta até abril de 2020.

O depoimento dele revelou à comissão que auxiliares do presidente Jair Bolsonaro promoveram uma reunião no Palácio do Planalto para tentar alterar a bula da cloroquina por meio de um decreto. A intenção era incluir o tratamento da covid-19 entre as indicações previstas para o medicamento.


--Continua depois da publicidade--

Mandetta também trouxe à tona a existência de um “assessoramento paralelo”, que orientava Bolsonaro em questões ligadas à pandemia. Embora divida a opinião de senadores governistas e da oposição, o tema será explorado com os depoimentos de novas testemunhas nas próximas fases do inquérito.

O ex-ministro Nelson Teich, que ocupou a pasta entre abril e maio de 2020, admitiu ter deixado o governo por falta de autonomia e por divergências sobre o uso da cloroquina em pacientes com covid-19. O atual ministro, Marcelo Queiroga, evitou responder perguntas relacionadas ao “tratamento precoce” contra o coronavírus. Mas reconheceu que o Brasil não contratou o número de vacinas anunciadas pelo governo federal.

O general Eduardo Pazuello foi o mais longevo ministro da Saúde durante a crise sanitária: atuou de maio de 2020 a março de 2021. O depoimento dele à CPI da Pandemia chegou a ser adiado por 15 dias, depois que o militar afirmou ter tido contato com pessoas infectadas pelo coronavírus.

Duas semanas depois do previsto e protegido por um habeas corpus, Pazuello foi submetido a duas sessões de interrogatório, que somaram mais de 15 horas de depoimento. Ele negou a interferência de Jair Bolsonaro na compra da CoronaVac ou que o Ministério da Saúde tenha incentivado o uso de cloroquina. O general disse ainda que o governo federal não teve culpa pelo colapso de oxigênio em Manaus (AM).


--Continua depois da publicidade--

A secretária de Gestão do Trabalho e Educação do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, também compareceu para depor à CPI amparada por um habeas corpus. Ela negou responsabilidade da União na crise enfrentada pelo Amazonas em janeiro e voltou a defender o uso de cloroquina em pacientes com covid-19.

Para o vice-presidente da comissão, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), a investigação sugere que o Palácio do Planalto errou no combate ao coronavírus.

— Está patente que havia um gabinete paralelo de enfrentamento à pandemia, com uma estratégia de enfrentamento diferente da estratégia da ciência. A ciência aposta no isolamento e na vacina. Esse gabinete paralelo apostava (e insiste!) em cloroquina, aglomeração e imunização de rebanho — afirmou.

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) admite a ocorrência de erros pontuais na condução da pandemia. Mas avalia que os integrantes do governo federal não podem ser acusados pelo cometimento de crimes.

— Até aqui, a coleta de provas não caracteriza nenhuma conduta dolosa de crime com relação ao governo federal. Um ponto ou outro de erros cometidos aqui ou acolá é natural que aconteça. Você está diante de um problema complexo. Um vírus que se espalhou muito rapidamente. Nenhum país estava preparado — pondera.


- Publicidade -

Últimas no CenárioMT

Lucas do Rio Verde

Lucas do Rio Verde
Agentes de Saúde e Atenção Básica recebem capacitação em Lucas do Rio Verde
junho 19, 2021
LUTO
Com mais dois óbitos, Lucas do Rio Verde chega 166 mortes por Covid-19
junho 19, 2021