20.7 C
Lucas do Rio Verde
sábado, 10 abril, 2021
InícioCENÁRIO POLÍTICODIRETO DE BRASÍLIAGastos abaixo do necessário podem acirrar debates sobre Orçamento

Gastos abaixo do necessário podem acirrar debates sobre Orçamento

Por CenárioMT com inf. Agência Senado

A Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso Nacional começou a discutir nesta quarta-feira (24) o parecer final apresentado pelo relator-geral, senador Marcio Bittar (MDB-AC), com chances de polêmica sobre a proposta orçamentária para este ano (PLN 28/2020).

Um dos pontos que poderão ser questionados é o impacto do salário mínimo. No começo do mês, o deputado Júlio Cesar (PSD-PI) questionou Marcio Bittar sobre o assunto: ele queria saber qual valor seria usado nas contas, se R$ 1.067, como anotou o Poder Executivo em agosto, ou R$ 1.100, que está vigente.


--Continua depois da publicidade--

— O relator-geral escreveu que o salário mínimo em 2021 é de R$ 1.067, e está vigendo R$ 1.100 — afirmou Júlio Cesar.

— Está certo, é isso mesmo — respondeu Bittar, explicando que usou dados originais definidos pela equipe econômica.

Em novembro, o Executivo alterou os parâmetros macroeconômicos no texto enviado. A inflação medida pelo INPC em 2020, no entanto, foi maior do que o previsto, impactando a correção do salário mínimo em janeiro. Várias contas baseadas no piso salarial, no entanto, ficaram defasadas no PLN 28/2020.

R$ 8 bilhões a menos

Feita a pedido da bancada do Psol, uma análise da Consultoria de Orçamento da Câmara dos Deputados mostra que, com o salário mínimo no valor de R$ 1.100, a previsão para benefícios do Regime Geral de Previdência Social (RGPS) no parecer do relator-geral está cerca de R$ 8,3 bilhões aquém do necessário.


--Continua depois da publicidade--

A estimativa da consultoria da Câmara, feita no dia 17, foi corroborada ontem pelo Ministério da Economia. Em relatório bimestral sobre receitas e despesas assinado no dia 22, a equipe econômica diz que, em relação ao texto original do Executivo, faltarão R$ 8,5 bilhões para gastos com benefícios previdenciários.

Na visão do consultor da Câmara Ricardo Volpe, os debates sobre as eventuais defasagens na proposta orçamentária ajudariam pouco no momento, já que a tramitação do Orçamento está muito atrasada. Pela Constituição, a proposta para 2021 deveria ter sido aprovada pelo Congresso em dezembro, no limite.

“Os problemas que precisariam ser equacionados neste Orçamento são complexos e estão ainda mais incertos em razão da pandemia de covid-19”, disse Volpe. “O relator-geral não tem condições de equacionar sem uma mensagem modificativa enviada pelo Executivo. Então, o melhor é aprovar.”

Além da defasagem nas dotações, que a equipe econômica poderá corrigir depois, só com a aprovação do Orçamento poderão ser quitados cerca de R$ 451,1 bilhões que dependem de autorização do Congresso para contornar a “regra de ouro” — com Fundeb, servidores civis e militares e algumas estatais.

A presidente da Comissão de Orçamento, deputada Flávia Arruda (PL-DF), disse que a proposta orçamentária para este ano deverá ser votada pelo Plenário do Congresso nesta quinta-feira (25), sem falta. 

Da Agência Câmara de Notícias


- Publicidade -

Últimas no CenárioMT

Lucas do Rio Verde

POLÍCIA
PM recupera produtos furtados e dois são conduzidos em Lucas do Rio Verde
abril 09, 2021
SAÚDE
Com registro de 02 novos óbitos Lucas do Rio Verde chega a 108 mortes por Covid-19
abril 09, 2021