25 C
Lucas do Rio Verde
quinta-feira, 23 setembro, 2021
InícioCENÁRIO POLÍTICODIRETO DE BRASÍLIAEspecialistas apontam desmonte na proteção do meio ambiente

Especialistas apontam desmonte na proteção do meio ambiente

Em 2018 houve um crescimento de 22% nas taxas de desmatamento de florestas publicas; em 2021, o percentual número subiu para quase 40%
Por CenárioMT com inf. Agência Senado

Ambientalistas afirmaram nesta sexta-feira (20) que o Brasil atravessa “um desmonte” nas políticas de proteção dos biomas Cerrado, Amazônia e Pantanal. Durante audiência pública da Comissão de Meio Ambiente (CMA), os especialistas cobraram mais investimentos no setor e a retomada das estruturas de fiscalização que, segundo eles, foram desarticuladas pelo governo federal.

O debate foi requerido pelos senadores Jaques Wagner (PT-BA), presidente da CMA, e Eliziane Gama (Cidadania-MA). A parlamentar deve apresentar um relatório sobre a Política Nacional de Mudanças do Clima. Essa é a política pública do Poder Executivo avaliada neste ano pela CMA. O relatório deve ser apresentado em outubro, durante a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas de 2021 (COP 26) em Glasgow (Escócia).


--Continua depois da publicidade--

— A gente está vivendo um momento muito difícil da história brasileira, de muito negacionismo. Uma tentativa de desorganização da política ambiental. Isso é muito ruim — afirmou.

O diretor-executivo do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), André Guimarães, lembrou que o Brasil é o sexto maior emissor de carbono no planeta. Por isso, segundo ele, o país tem a responsabilidade de controlar o desmatamento e mitigar as mudanças climáticas globais.

— Metade da nossa contribuição de emissões de carbono está ligada diretamente ao desmatamento. Ou seja: se temos um papel fundamental a fazer nesse processo do clima do planeta é combater com veemência o desmatamento, em especial na Amazônia e no Cerrado. Já fizemos isso no passado. Entre 2002 e 2012, conseguimos reduzir o desmatamento em 80% — disse.

Para André Guimarães, o Brasil atravessa “um momento de contramão”. Ele afirma que em 2018 houve um crescimento de 22% nas taxas de desmatamento de florestas publicas. Em 2021, esse número subiu para quase 40%. Guimarães sugeriu medidas como a retomada e a intensificação da fiscalização e a definição de critérios socioambientais para a concessão de financiamento ao agronegócio.


--Continua depois da publicidade--

O analista de pesquisas Antônio Oviedo, do Instituto Socioambiental (Isa), disse que as emissões de gases de efeito estufa pelo Brasil cresceram 9,6% em 2019. Isso representa o lançamento de 2,17 bilhões de toneladas de dióxido de carbono na atmosfera.

Oviedo demonstra preocupação especial com o desflorestamento em terras indígenas. Segundo ele, a aprovação de projetos em tramitação no Congresso pode agravar a situação. Ele cita como exemplo o PL 191/2020, que regulamenta a exploração de recursos minerais em reservas indígenas.

— A média do desmatamento nos últimos dois anos teve um aumento de 100% em comparação a média dos dez anos anteriores a este governo. Mais de 1,6 milhão de hectares destruídos. Projetos que permitem mineração e exploração de energia em terras indígenas só resultam em aumento do desmatamento na Amazônia — disse.

O pesquisador Carlos Souza, associado ao Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), informou que a Amazônia perdeu 45 milhões de hectares de vegetação nativa entre 1985 e 2020.

— É uma área significativa. É possível desenvolver agricultura e pecuária de baixo carbono. Tem muita área improdutiva no território que já foi desmatado. Tem área suficiente. A gente não precisa mais avançar sobre a floresta — afirmou.

A coordenadora do Programa Cerrado e Caatinga do Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN), Isabel Figueiredo, alertou para a degradação do bioma. Ela disse que o Cerrado tem “uma contribuição bastante importante” para as emissões no Brasil e tem sido desmatado “a uma velocidade bastante acelerada”. Segundo a coordenadora, o bioma tem 50% de seus ambientes convertidos para áreas agrícolas, o que ameaça espécies raras de plantas e animais.

Isabel Figueiredo defendeu a expansão do manejo integrado do fogo, um conjunto de medidas para reduzir o impacto das queimadas. A técnica prevê, por exemplo, a queima controlada de vegetação no final da estação chuvosa e no inicio da estação seca, com brigadistas presentes em horários específicos.

— Esse uso precisa ser ampliado para todas as áreas protegidas, pelo menos no Cerrado e no Pantanal, e para as áreas privadas também. As reservas legais das fazendas também precisam ser manejadas para não queimarem, e esse fogo não passar para áreas protegidas. Esse tipo de manejo reduz em até 40% as emissões de carbono. O fogo é sim um aliado para reduzir incêndios — avalia.


--Continua depois da publicidade--

Segundo Leonardo Gomes, diretor de Relações Institucionais do Instituto SOS Pantanal, os focos de queimadas em 2020 cresceram 350% em relação à média dos dez anos anteriores. Em 2019, o aumento de focos de calor no Pantanal já havia sido de 120%, enquanto a média nacional apresentou crescimento de 20%. Ele defendeu aprovação de uma legislação específica para disciplinar a atividade econômica no bioma, assim como o fortalecimento da Defesa Civil.

A especialista em Políticas Públicas Suely Araújo, do Observatório do Clima, disse que o governo federal precisa ter um “planejamento consistente” para controle do desmatamento. Para ela, o Brasil deve “controlar retrocessos”.

— Não basta reativar a fiscalização. Isso é fundamental e necessário. Mas tem que ter um planejamento mais consistente, que entre também com instrumentos econômicos e outras abordagens. O governo tem que se comprometer realmente com a recuperação de áreas degradadas e colocar tudo isso num pacote que vai além do Ministério do Meio Ambiente — disse.

 


--Continua depois da publicidade--

Redes sociais

107,335FãsCurtir
17,057SeguidoresSeguir
2,037SeguidoresSeguir

Lucas do Rio Verde

Show Safra 2022
Prefeitura participa de lançamento do Show Safra 2022
setembro 22, 2021
Lucas do Rio Verde
Equipe de karatê de Lucas do Rio Verde conquista segunda colocação em competição nacional
setembro 22, 2021
TOP 4 NACIONAL
Cercado de expectativa, Show Safra 2022 é lançado em Lucas do Rio Verde
setembro 22, 2021
PROCURA-SE
Adolescente residente em Lucas do Rio Verde segue desaparecida: menor que ‘foi localizada’ também havia saído de casa
setembro 22, 2021