27.4 C
Lucas do Rio Verde
sábado, 04 dezembro, 2021
InícioCENÁRIO POLÍTICODIRETO DE BRASÍLIADebatedores divergem sobre restrição a propaganda de bebidas alcoólicas

Debatedores divergem sobre restrição a propaganda de bebidas alcoólicas

Por

Participantes da audiência pública da Comissão de Assuntos Sociais (CAS), que ocorreu nesta terça-feira (23), divergiram sobre a aprovação dos projetos que restringem a propaganda de bebidas alcoólicas (PLC 83/2015PLS 323/2015 e PLS 443/2015). Enquanto representantes da indústria e de anunciantes se colocaram contrários às restrições, pesquisadores e membros de institutos, como o Alana, que defende o direito da criança e do adolescente, alertaram para a importância de se avançar na legislação no sentido de adequar a publicidade das bebidas alcóolicas, inclusive na internet.

As matérias, que também propõem a publicação de alertas nos rótulos e embalagens desses produtos e ainda a criação de um Dia Nacional de Combate ao Alcoolismo, tramitam no Senado e estão sob a relatoria do senador Styvenson Valentim (Podemos-RN).


--Continua depois da publicidade--

Na avaliação da senadora Zenaide Maia (Pros-RN), que também é médica, a exposição de crianças e adolescentes aos estímulos das propagandas de bebidas alcoólicas é preocupante. Isso porque, segundo ela, o contato diário e intenso, seja por radiodifusão ou pela internet, propicia o primeiro contato com a ingestão do produto, podendo levar a um caso de dependência alcóolica.

— A introdução do álcool na vida da criança e do adolescente é assustadora. Ele cria uma dependência química sim, grande (…) Dizer que os pais têm condições de educar seus filhos adolescentes, competindo com os meios de comunicação, mostrando celebridades, pessoas ricas, bonitas e poderosas, fazendo propaganda ostensivamente, o dia todo na televisão, não existe essa possibilidade de competir.

A membro do conselho diretor do Instituto Intervozes Marina Pita ressaltou a importância e o direito assegurado à livre manifestação de expressão, no entanto, disse compreender que existem restrições legítimas em relação a liberdade de imprensa quando ela entra em conflito com outros direitos, como o direito à saúde. Ela lembrou que a Constituição veda esse tipo de publicidade, já que se reveste, segundo ela, em veiculação “nociva à saúde da população”, considerando os impactos sociais e à saúde de crianças e adolescentes estimulando o consumo precoce do álcool. Marina defendeu o avanço da legislação no sentido de restringir esse tipo de anúncio tanto no rádio como na TV e ainda questionou o fato de a lei não considerar a cerveja como bebida alcóolica e ainda hoje permitir a veiculação de esses anúncios na radiodifusão.

— Porque se você bebe uma lata de cerveja e é pego em uma blitz você é autuado. Então por quê não é considerado álcool? Qual o critério que foi utilizado para determinar o índice de álcool que vai definir o que é álcool ou não para fins de publicidade? (…) Não há explicação científica possível para essa diferenciação.


--Continua depois da publicidade--

A Lei 9.294, de 1996, vetou a propaganda de bebidas alcoólicas, mas fez uma ressalva: “consideram-se bebidas alcoólicas, para efeitos desta Lei, as bebidas potáveis com teor alcoólico superior a 13 graus Gay Lussac (GL).” O parecer do senador Styvenson sugere definir como bebida alcoólica aquela que tenha teor de álcool superior a meio grau GL.

Internet

O advogado do Instituto Alana, João de Aguiar Coelho, destacou que, além da cerveja, vinhos, ices, e outras bebidas de teor alcoólico mais baixo acabam se beneficiando da publicidade em locais públicos e eventos esportivos disseminando a mensagem de forma “praticamente irrestrita”. Ele ainda manifestou preocupação com estudos internacionais que indicam a possibilidade de direcionamento, por meio de algoritmos em redes sociais, de propagandas de bebidas alcoólicas diretamente para adolescentes, de acordo com os interesses da indústria. Para ele, o Congresso também precisa avançar em uma legislação que proteja as crianças e os adolescentes também na rede.  

— A internet também é um ambiente que favorece muito que esse tipo de publicidade chegue até crianças e adolescentes (…) Eles acabam sendo muito mais suscetíveis, muito mais vulneráveis a esses estímulos da publicidade.

Impacto econômico

Os representantes da indústria e dos anunciantes, apesar de se dizerem favoráveis ao Dia Nacional de Combate ao Alcoolismo, se colocaram contrários às restrições. Para eles, o projeto provocará impacto econômico em toda a cadeia que envolve o setor de bebidas.

A Consultora Jurídica da Associação Brasileira de Anunciantes (ABA), Lúcia Ancona Lopez de Magalhães Dias, observou que a legislação brasileira já é bem restritiva e pediu mais reflexão dos congressistas em relação ao projeto. Ela argumentou que medida afetará significativamente produção no campo, indústria, anunciantes, bares e restaurantes.

— Ele [o projeto] não vai atingir o principal objetivo que é pensar em como ter um consumo responsável, vai fomentar o mercado ilegal, e vai apostar sim, no enfraquecimento das marcas e na clandestinidade (…) O impacto vai para o esporte, vai para o entretenimento, vai para os eventos. Vai acabar com o patrocínio de futebol no país.

Tanto o presidente da Associação Brasileira de Bebidas Destiladas, José Eduardo Cidade, como o diretor-executivo do Instituto Brasileiro da Cachaça, Carlos Lima argumentaram que nenhuma pesquisa evidenciou a existência de correlação entre o investimento em publicidade e o aumento do consumo.

— Uma proibição da propaganda fará com que bebidas ilegais continuem a proliferar e as bebidas produzidas legalmente saiam de circulação em função das restrições aplicadas, disse Carlos Lima. Para eles, o sistema misto de regulamentação aplicado atualmente no país é o mais eficaz para o setor.


--Continua depois da publicidade--

Zenaide contestou a afirmação de que não existe correlação que comprove o investimento em publicidade com o aumento do consumo de bebidas alcoólicas e questionou:

 — Se a publicidade não aumenta o consumo, porque essa preocupação na restrição da publicidade?

Em resposta à senadora, Lúcia Ancona  afirmou que em países que praticaram restrições nos anúncios não houve pesquisa que comprovasse a redução do consumo.

— Por que precisamos ter publicidade também. Porque tem sim um aspecto de diferenciar produtos, ser responsável, evitar a clandestinidade, e manter investimento em vários outros setores da cadeia. 


--Continua depois da publicidade--

Redes sociais

107,348FãsCurtir
17,057SeguidoresSeguir
2,096SeguidoresSeguir

Lucas do Rio Verde

Lucas do Rio Verde
Prefeitura de Lucas do Rio Verde apresenta projeto de ajuste no PCCS
dezembro 04, 2021
Lucas do Rio Verde
Campanha do Laço Branco terá roda de conversa sobre tema nesta segunda-feira (06)
dezembro 04, 2021
Lucas do Rio Verde
Pesquisa de opinião sobre os cursos da UFMT em Lucas termina nesta segunda (06)
dezembro 04, 2021
Lucas do Rio Verde
Estrutura da rede municipal de educação atrai visita de assessores de Sergipe
dezembro 03, 2021