26.7 C
Lucas do Rio Verde
quarta-feira, 25 novembro, 2020
Início CENÁRIO POLÍTICO DIRETO DE BRASÍLIA Comissão homenageia piloto morto após acidente em operação no Pantanal

Comissão homenageia piloto morto após acidente em operação no Pantanal

Wellington Fagundes, presidente do colegiado, e Soraya Thronicke participam da homenagem ao piloto
Por CenárioMT com inf. Agência Senado

Um homem brilhante, amigo e querido por todos os que tiveram a oportunidade de gozar de sua convivência. Assim foi definido o comandante Renato de Oliveira Souza, de 55 anos, que morreu na terça-feira (27), em decorrência de complicações de saúde após a queda de uma aeronave da Força Nacional que ele pilotava para ajudar no combate aos incêndios no Mato Grosso. A homenagem foi feita nesta sexta-feira (30) pela comissão temporária externa do Senado que acompanha as ações de enfrentamento aos incêndios no Pantanal.

O acidente ocorreu no dia 8 de outubro, em Poconé, a 104 quilômetros de Cuiabá. De lá, Renato foi transferido em uma UTI aérea para o Rio de Janeiro, onde continuou o tratamento em casa. Ele recebeu alta no dia 21, mas morreu seis dias depois devido a um quadro de falta de ar súbito.

Um vídeo de homenagem a Renato foi apresentado na cerimônia. O presidente da comissão, Wellington Fagundes (PL-MT), ressaltou que o dia 8 ficará marcado para sempre na vida de todos. Para o senador, o acidente que vitimou o comandante faz lembrar o empenho diário de todos no combate às queimadas. Pessoas como pilotos, brigadistas, voluntários, quilombolas, ribeirinhos e proprietários rurais, disse.

— Renato era um apaixonado por mergulho, um militar dedicado, que lutou e morreu exercendo com nobreza sua atividade profissional. Aos familiares e amigos, espero que o tempo transforme essa dor da perda em uma saudade serena, que acalme o coração, ao invés de fazê-lo sofrer. Como diz o ditado: “não existe partida para aqueles que permanecerão eternamente em nossos corações”.

A senadora Soraya Thronicke (PSL-MS) destacou que Renato foi a primeira vítima fatal das ações de combate aos incêndios na região. Ela mencionou a necessidade do fortalecimento de ações que garantam a preservação das vidas, tanto humanas quanto animais. Referindo-se ao comandante Renato como “herói sem capa”, a senadora mencionou o empenho dele em outras operações críticas do país, como a tragédia de Brumadinho, em Minas Gerais, em janeiro de 2019.

— Finalizou [a carreira] sorrindo, mandando mensagens, porque estava prestando um serviço que era a vocação dele. Sabemos que a dor é grande. Mas quero deixar minha singela homenagem e agradecimento por tudo o que ele fez pelo nosso país, com muita honra e hombridade.

Amigo de Renato, Eduardo Macedo destacou a experiência do piloto também como mergulhador. Ele informou que uma placa será fincada no fundo do Lago Paranoá, em Brasília, em memória à descoberta de estruturas antigas da época da construção da cidade por Renato, em um de seus mergulhos.

— É uma perda inestimável, que a gente ainda não consegue entender. Tinha um carinho enorme pelas pessoas, capacidade ímpar de conseguir achar o lado bom de todos. Sempre procurava entender as necessidades de cada um, e de um coração impressionante. Vai ficar um buraco enorme — afirmou o mergulhador.

Renato era agente da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF). O comandante do 6° Distrito Naval, contra-almirante Sérgio Gago Guida, ressaltou as dificuldades da operação que culminou com o acidente em Poconé e cujas causas ainda estão sendo investigadas.  

O coordenador-geral de Planejamento e Operações da Força Nacional de Segurança Pública, Rodrigo Wilson Melo de Souza, disse ser difícil falar de Renato. Ele observou que o comandante era integrante direto da equipe, com diversos planos de trabalho, treinamentos e projetos de crescimento da Força Nacional. Além de amigo, Souza referiu-se ao piloto como uma das primeiras pessoas a recebê-lo em Brasília e “por quem tinha um apreço muito grande”. 

Já o coronel Alessandro Borges Ferreira, comandante geral do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso, reconheceu os riscos da atividade e afirmou que todas as medidas para evitar incidentes e socorrer eventuais casos, como o que vitimou Renato, ocorrem de forma ágil. Ferreira falou do reconhecimento que a comissão temporária do Senado tem feito às pessoas que estão trabalhando para preservar o Pantanal. E parabenizou os senadores pela homenagem póstuma ao piloto da Força Nacional.

— O que houve com o comandante Renato deixou a todos tristes. Estivemos com ele para nossa despedida [em MT], ele muito contente, voltando para casa, mas não sabíamos dos desígnios de Deus. Estamos consternados junto a seus familiares e amigos, pois se tratava de uma pessoa comprometida, realizando esse trabalho pela fauna e flora mato-grossense — lamentou.



- Publicidade -

Últimas

Concessão de rodovias vai melhorar escoamento da produção agrícola de MT

A concessão de 512 quilômetros de rodovias estaduais à iniciativa privada vai garantir a melhoria do escoamento da produção agrícola de Mato Grosso, estado...

Doação de sangue salva mais de 40 mil vidas por ano em Mato Grosso

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que o percentual ideal de doadores para um país esteja entre 3,5% e 5% de sua população....

Corpo de Bombeiros Militar de MT recebe visita do comandante da 13ª Brigada de Infantaria Motorizada

Na manhã desta terça-feira (24.11), o Comando Geral do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso (CBMMT), recebeu a visita do comandante da 13ª...

Secel divulga resultados de três editais da Lei Aldir Blanc

A Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) divulgou o resultado preliminar de três dos cinco editais da Lei Aldir Blanc que tiveram...
Publicidade
x