23.7 C
Lucas do Rio Verde
quarta-feira, 01 dezembro, 2021
InícioCENÁRIO POLÍTICODIRETO DE BRASÍLIABaixa cobertura vacinal preocupa senadores e especialistas

Baixa cobertura vacinal preocupa senadores e especialistas

Por

Crucial no controle de doenças e epidemias, a vacinação — marco histórico da saúde humana e que tem sido essencial no controle da pandêmica covid-19 — tem sido alvo de desinformação e movimentos antivacina. Diante desse cenário e da consequente queda acentuada nos índices de cobertura vacinal no país, senadores e especialistas demonstraram preocupação em sessão especial pelo Dia Nacional da Vacinação, promovida nesta terça-feira (19).

O senador Marcelo Castro (MDB-PI), primeiro signatário da sessão especial, disse que requereu o evento “dada a relevância do tema e sua pertinência neste momento dramático que vivemos”.


--Continua depois da publicidade--

— O Dia Nacional da Vacinação (17 de outubro) sempre foi essencial para conscientizar as pessoas sobre a importância da imunização e, também, para se fazer uma grande mobilização para promover a vacinação em massa — afirmou Castro, que é médico por formação e ex-ministro da Saúde.

Pessoas que questionam as vacinas colocam em risco a própria saúde e a das pessoas com quem convivem, ressaltou o senador, que lembrou ser a vacinação um ato coletivo.

— Vivemos no Brasil um fenômeno que se repete em várias partes do mundo, mesmo nos países desenvolvidos: a ascensão de uma noção distorcida de liberdade individual. O movimento antivacina talvez seja o melhor exemplo desse tipo de pensamento. Certamente, é um dos mais perigosos.

O senador Wellington Fagundes (PL-MT) lembrou que, “como homem que acredita na ciência”, direcionou esforços para o aumento da oferta de vacinas, como objetivado no projeto de lei de autoria dele que autoriza o uso, para produção de vacinas anticovid, de parque tecnológico e industrial de produção de vacinal animal.


--Continua depois da publicidade--

— No dia 29 de outubro teremos a honra de ver a primeira vacina anticovid brasileira sendo aplicada no país, em Salvador (BA), em fase de teste. A vacina com RNA mensageiro de terceira geração tem grandes possibilidades de ser aplicada em dose única. (…) Que no ano que vem possamos nessa data comemorar a declaração de que o nosso país e região estarão livres da covid-19. Quero saudar com muita felicidade cada cientista que trabalhou e trabalha no desenvolvimento dos imunizantes — expôs Wellington.

Queda piorada pela pandemia

Diretora do Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Cássia de Fátima Rangel Fernandes advertiu que desde 2016 o país registra declínio da cobertura vacinal entre as crianças, e a pandemia piorou esse problema.

Em 1989, o Brasil erradicou a poliomielite, mas nos últimos anos a vacinação das crianças não tem atingido o percentual esperado: acima de 90%. Da mesma forma, o sarampo, eliminado em 2016, voltou a ter reincidência em 2018, coincidentemente com a queda das coberturas vacinais.

— Os desafios do Programa Nacional de Imunizações (PNI) são enfrentados no mundo todo. A OMS [Organização Mundial de Saúde] e o Unicef [Fundo das Nações Unidas para a Infância] alertam para a queda na imunização de crianças por conta dos impactos da pandemia — expôs Cássia.

Essa situação levou o Ministério da Saúde a fazer um trabalho de identificação de quais pontos precisam alterados para melhorar a cobertura, segundo a diretora.

Ofertada anualmente, a vacina para influenza ainda não atingiu a cobertura de 90% programada para 2021, principalmente nos grupos prioritários, relatou a diretora. Ao todo, foram aplicadas 120 milhões de doses.

Na data de hoje, o Ministério da Saúde divulga que foram distribuídas 310,4 milhões de doses de vacinas anticovid em todo o país, sendo que 251,6 milhões foram aplicados até o dia 15 de outubro, dos quais 150,3 milhões em primeira dose e 101,3 milhões em segunda ou dose única.

Secretário da Saúde do estado de Goiás e vice-presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde da Região Centro-Oeste, Ismael Alexandrino Júnior também lamentou a queda da cobertura vacinal.


--Continua depois da publicidade--

— Existe há muitos anos no Brasil um determinado segmento avesso às vacinas. A compreensão de que vacinação é promover saúde, e não simplesmente tratar doença, demonstra o grau civilizatório de uma população.

Segundo Alexandrino Júnior, a covid-19 veio mostrar que “não estamos preparados do ponto de vista global para patologias que desconhecemos”.

— Estamos sujeitos, nos próximos cinco a dez anos, a novas modalidades de vírus. A questão da vacinação precisa ser massificada na nossa população.

No estado de Goiás, segundo o secretário, mais de 300 mil pessoas não tomaram a primeira dose da vacina anticovid e 600 mil não completaram o calendário, o “que preocupa sobremaneira”.


--Continua depois da publicidade--

Ausência de campanhas

Os médicos sanitaristas Gonzalo Vecina Neto e Cláudio Maierovitch apontam a falta de intensivas campanhas pró-vacinação como um dos principais entraves para a alta adesão às imunizações.

Professor da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, Vecina Neto afirmou que a vacinação anticovid foi um dos instrumentos que fez a população entender a importância do SUS.

 — As pessoas não foram se vacinar porque não tem campanha. Tem que chamar o povo para se vacinar, para tomar a segunda dose. Faltou se comunicar com a sociedade.

Ele salientou a não aprovação pelos parlamentares de projeto de lei que possibilitaria que “ricos fossem vacinados antes dos pobres”, com a oferta pela rede particular.

O médico destacou ainda a importância do Senado com a CPI da Pandemia e o trabalho realizado pelo Instituto Butantan e Fundação Oswaldo Cruz, pioneiros na oferta de vacinas anticovid no país.

Para o médico Maierovitch, ex-presidente da Anvisa, é preciso que haja o resgate da capacidade de coordenação do Ministério da Saúde em relação ao quadro epidemiológico brasileiro.

— Nunca tivemos uma campanha de vacinação que não fosse acompanhada de uma campanha de comunicação de grande intensidade — afirmou Maierovitch.

Fortalecimento da rede do SUS, em particular da atenção básica; retomada da capacidade produtiva estratégica, com investimento em inovação, ciência e tecnologia; e necessidade de que o aparato regulatório receba mais atenção foram sugestões apresentadas pelo convidado.

Anvisa

Quatro diretores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) participaram da sessão especial. A diretora Meiruze Sousa Freitas disse que 89 vacinas já foram autorizadas e registradas no Brasil pelo órgão.

— Todas as vacinas aprovadas pela Anvisa são eficazes e seguras e seu uso demonstra resultados aqui e no mundo — afirmou Meiruze. Ela conclamou colaboração vacinal também com os países mais carentes para que a doença seja realmente erradicada.

Ao autorizar as vacinas anticovid CoronaVac e AstraZeneca em 17 de janeiro de 2021, a Anvisa aliou-se com a ciência, com a pesquisa clínica, com as universidades, segundo o diretor da agência, Alex Machado Campos.

— A Anvisa não saiu do estado de alerta e é preciso manter os cuidados. Ainda temos discussões amplas, como preocupação com as fronteiras — disse Campos.

O diretor também condenou a negação e desinformação deliberada pela desconstrução da vacina.

PNI

Presidente do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) e secretário de Saúde de Pacatuba (CE), Wilames Freire Bezerra salientou os 48 anos do PNI, com a oferta atual de mais de 25 vacinas diferentes.

— A importância do PNI é imensurável. Precisamos mostrar o quanto é importante o processo de vacinação, só assim poderemos combater os pessimistas que questionam as vacinas — expôs.

Diretor do Centro de Segurança Clínica e Gestão de Risco do Instituto Butantan, Alexander Roberto Precioso destacou o compromisso do centro de pesquisa com a saúde pública brasileira e mundial e a colaboração regular com a entrega de diferentes vacinas ao PNI.

Influenza sazonal, HPV, hepatite A e vacina anticovid (CoronaVac) são alguns dos imunizantes produzidos pelo instituto e que são destinados à população brasileira.

— O compromisso do Butantan não é de apenas entregar vacinas, mas temos um plano para o desenvolvimento de novas vacinas, como a da dengue e chikungunha, que estão em fase de estudos clínicos.

Vice-diretora de Qualidade de BioManguinhos/Fundação Oswaldo Cruz, Rosane Cuber Guimarães explicou que já está nacionalizada a produção nacional do IFA (ingrediente farmacêutico ativo) da vacina anticovid pelo instituto, que assumiu o compromisso de entregar 180 milhões de doses em 2022.

A BioManguinhos já entregou 111 milhões de doses de vacinas para o PNI, segundo Rosane. Ela adverte que, para além da celebração, é importante preocupar-se o atual cenário de imunização e pensar por que ocorre a baixa cobertura vacinal.

— A nossa meta de cobertura vacinal para a poliomielite, por exemplo, é de mais de 95% para crianças e no ano passado ficou em 75,8%. Este ano está em 63% a primeira dose. Há uma preocupação com o futuro. Precisamos pensar quais são as soluções integradas para retornarmos ao que éramos no início dos anos 2000.

Redes sociais

107,360FãsCurtir
17,057SeguidoresSeguir
2,093SeguidoresSeguir

Lucas do Rio Verde

Em Lucas
Polícia investiga furto de carga de materiais recicláveis avaliada em R$ 15 mil
novembro 30, 2021
SUSPEITO DO PÁLIO PRETO
Homem com diversas passagens é preso após roubo em Lucas do Rio Verde
novembro 30, 2021
EDUCAÇÃO
Assessoria Pedagógica de Lucas do Rio Verde será transformada em Núcleo Regional de Educação 
novembro 30, 2021
Lucas do Rio Verde
Celebrações de Ano Novo em Lucas do Rio Verde não serão realizadas por precaução sanitária
novembro 30, 2021