20.5 C
Lucas do Rio Verde
quinta-feira, 19 maio, 2022
Publicidade
InícioCENÁRIO POLÍTICODIRETO DE BRASÍLIAAvaliação de saúde para alunos a partir de 4 anos passa na...

Avaliação de saúde para alunos a partir de 4 anos passa na CAS

Crianças de escolas públicas passarão por avaliações de saúde periódicas obrigatórias a partir do ingresso na educação básica obrigatória, aos 4 anos de idade. É o que determina o Projeto de Lei (PL) 1.219/2019, do senador Plínio Valério (PSDB-AM), aprovado nesta terça-feira pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado. O relatório do senador Flávio Arns (Podemos-PR) foi favorável, com emendas. Como foi aprovado de forma terminativa, o texto segue para a Câmara dos Deputados, salvo recurso para votação no Plenário do Senado.

A lista de exames que constarão dessa avaliação será determinada por regulamentação, caso o projeto se torne lei. O texto também prevê a obrigatoriedade, para pais e responsáveis, de assistirem a palestras de conscientização sobre saúde infantil.


--Continua depois da publicidade--

Agradecendo pela aprovação, Plínio Valério lembrou que a avaliação, além de cuidar da saúde dos estudantes, terá um aspecto social, ao reduzir a evasão escolar:

— A criança que não enxerga direito, ou que está com verme, sofre bullying na escola e acaba saindo. Começa a ver televisão, depois vai para a rua e daí para outros caminhos.

O relator, Flávio Arns, parabenizou o autor do projeto:

— Há necessidade de essas duas áreas, educação e saúde, se articularem bem. Isso vai beneficiar, e muito, as crianças a partir da entrada na educação básica, com 4 anos de idade.


--Continua depois da publicidade--

Outros senadores presentes à reunião também elogiaram a iniciativa de Plínio. Izalci Lucas (PSDB-DF) lembrou que “a pandemia trouxe um transtorno muito grande ao psicológico” e sugeriu que a medida seja estendida a todos os estudantes. Paulo Paim (PT-RS) destacou que “quem ganha com um projeto como esse é o povo brasileiro”.

ECA

O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA — Lei 8.069, de 1990) já prevê no Sistema Único de Saúde (SUS) programas de assistência médica e odontológica para a prevenção de doenças, além de campanhas de educação sanitária. O que o PL faz é incluir nesses programas a avaliação periódica e as palestras para os pais.

A modificação principal proposta em emenda foi a extensão do direito de assistência à saúde desde o ingresso na educação básica obrigatória, que começa na pré-escola, aos 4 anos de idade. Pelo PL original, essa assistência começaria no ensino fundamental, com 6 anos. Arns argumentou que é aos 4 anos que se inicia a educação básica obrigatória e gratuita — e o dever constitucional de matricular a criança na escola — e que, portanto, a assistência à saúde deve começar nessa idade. A faixa etária até 5 anos é abrangida pela educação infantil (primeira etapa da educação básica, que inclui ainda o ensino fundamental e o médio).

Pelo projeto, os profissionais do Sistema Único de Saúde (SUS) que farão as avaliações e procedimentos em saúde ficarão obrigados a registrar as informações. A criança com doenças ou condições de saúde diagnosticadas ou com necessidade de cuidados de saúde específicos será encaminhada ao SUS.

A matéria também altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei 9.394, de 1996), acrescentando para os pais e responsáveis o dever de participar de palestras e atividades de conscientização sobre “o bom desenvolvimento educacional e de saúde” e de reuniões acerca do desempenho escolar das crianças sob sua guarda. Essas reuniões e palestras poderão ocorrer de forma remota.

Emendas

O projeto inicial incluía na avaliação os seguintes exames: exame clínico geral, com avaliação nutricional e triagem de doenças endêmicas; e avaliações da saúde bucal, da visão, da audição, neuromotora, da capacidade cognitiva, psicológica e da situação vacinal. Mas o relator decidiu suprimir esse rol de avaliações, por acreditar que esse tipo de detalhamento deve constar em regulamento, e não na lei.

Pela mesma razão, o relator omitiu os temas das palestras a serem assistidas por pais e responsáveis. Pelo PL inicial, as palestras teriam que ser sobre necessidade de sono; alimentação saudável; recomendações de saúde; carga horária de estudos; importância do acompanhamento das tarefas; e importância da participação nas atividades curriculares e extracurriculares.

Publicidade


Publicidade

Lucas do Rio Verde

Lucas do Rio Verde
Procon orienta estabelecimentos sobre preços expostos em vitrine
maio 19, 2022
Lucas do Rio Verde
Idosos acima de 60 anos já podem tomar a 4ª dose contra Covid
maio 19, 2022
Lucas do Rio Verde
Campanha de doação de sangue será neste sábado (21)
maio 19, 2022
ELES CHEGARAM
Expodinos começa hoje na rotatória da Rosa Mística, em Lucas do Rio Verde
maio 19, 2022