22.5 C
Lucas do Rio Verde
terça-feira, 18 maio, 2021
InícioCENÁRIO POLÍTICODIRETO DE BRASÍLIAAutorização para estados e municípios utilizarem saldos de fundos de saúde é...

Autorização para estados e municípios utilizarem saldos de fundos de saúde é renovada

Luis Carlos Heinze (na tela), autor do projeto original, durante a sessão desta terça
Por CenárioMT com inf. Agência Senado

O Senado aprovou nesta terça-feira (13) o Projeto de Lei Complementar (PLP) 10/2021, que estende até o fim de 2021 a autorização concedida a estados, Distrito Federal e municípios para utilizar, em serviços de saúde, saldos financeiros remanescentes de anos anteriores dos fundos de saúde que tenham origem em repasses do Ministério da Saúde. O PLP, que já havia passado pelo Senado no início do ano, foi aprovado na forma de substitutivo elaborado pela Câmara dos Deputados. Agora, a matéria segue para sanção da Presidência da República.

Esse projeto altera a Lei Complementar 172, de 2020, que permitiu que cerca de R$ 6 bilhões ociosos ao final de 2019 nas contas dos fundos de saúde de estados, Distrito Federal e municípios fossem alocados em ações de enfrentamento da pandemia em 2020.


--Continua depois da publicidade--

O autor do projeto original é o senador Luis Carlos Heinze (PP-RS). O relator da matéria no Senado foi Esperidião Amin (PP-SC).

Dívidas dos estados

O texto também trata das regras de refinanciamento das dívidas de estados com a União. Originalmente, o PLP estabelecia que o prazo de celebração de contratos de refinanciamento entre a União e os estados relativos a valores inadimplidos em decorrência de decisões judiciais em ações ajuizadas até o ano passado se encerrasse no fim de 2021. Mas esse item foi alterado na Câmara dos Deputados, e o prazo foi estendido até 30 de junho de 2022.

Relator da matéria no Senado, Esperidião Amin (PP-SC) foi favorável a essa mudança. “Haja vista a inescusabilidade de normatização do tema pelo governo federal, a complexidade dos cálculos financeiros que cercam o assunto, a imprescindibilidade de consecução de autorizações legislativas nos estados e os procedimentos formais para as assinaturas contratuais, é razoável a ampliação de prazo pretendida”, disse.

Recursos

Esperidião Amin saudou a aprovação da matéria na Câmara em tempo hábil e ressaltou a importância do projeto.


--Continua depois da publicidade--

— Graças a Deus a Câmara foi rápida. Estamos recebendo um projeto de lei com muitos reflexos para muitos entes federados, que permite dar flexibilidade a estados e municípios na questão de aplicação de recursos para saúde e assistência social.

O senador disse que os saldos de recursos transferidos pela União aos fundos estaduais, em 31 de dezembro de 2019, eram de R$ 15,8 bilhões. E que, no final de 2020, o saldo remanescente era de R$ 23,8 bilhões, sendo cerca de R$ 9 bilhões nos estados e cerca de R$ 14 bilhões nos municípios.

— Isso demonstra que realmente não faltaram recursos para atender à demanda em termos financeiros de estados e municípios. Restaram mais recursos em 2020 do que em 2019. A demanda não foi tão grande e a pressão foi menor. Portanto, não se pode dizer que faltaram recursos nem para a saúde nem para a assistência social — afirmou o relator.

Na avaliação de Esperidião Amin, o projeto é generoso, tendo em vista que os gestores de saúde e assistência social terão mais liberdade para aplicar os recursos “que não foram poucos e que remanesceram”.

— Isso mostra que 2020 não foi um ano com recursos escassos para saúde e assistência social. Tomara que neste ano possamos ter esse atendimento prioritário para salvar vidas — declarou ele.

Vários senadores, além de Esperidião Amin, apoiaram a aprovação do texto. Alvaro Dias (Podemos-PR) destacou que o projeto é importante por possibilitar que estados e municípios utilizem recursos remanescentes em período de crise fiscal.

Izalci Lucas (PSDB-DF), por sua vez, disse que não faltaram recursos a estados e municípios para o combate à pandemia. “O que faltou foi planejamento e alinhamento maior entre os entes federados”, argumentou ele.

Líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) reiterou que o projeto prevê o uso de recursos que ficaram de saldo na conta da saúde, o que “mostra o compromisso do governo Bolsonaro na vultosa transferência de recursos a estados e municípios no ano passado para combate à pandemia de coronavírus”.

Autor do projeto, Luis Carlos Heinze agradeceu a aprovação do projeto e as alterações feitas na Câmara.

Renúncias de receitas

Quanto às dívidas de estados com a União, Esperidião Amin explicou que o projeto produz três renúncias de receitas financeiras da União.

A primeira se refere à troca de indexadores de parte da dívida do estado de Goiás, o que, segundo ele, gera um impacto, em valores nominais, de R$ 1,14 bilhão para o período de 2021 a 2034.

A segunda renúncia, que é abordada no dispositivo do projeto que disciplina a apuração de valores inadimplidos do estado do Rio de Janeiro, acresce o saldo inicial da conta gráfica desse ente federado na ordem de R$ 2,5 bilhões, a valores de março de 2021.

A terceira renúncia decorre da concessão de prazo adicional para celebração de contratos, gerando impacto estimado de R$ 2,6 bilhões, considerando a prorrogação de prazo de um ano, de junho de 2021 para junho de 2022.


- Publicidade -

Últimas no CenárioMT

Lucas do Rio Verde

DESENVOLVIMENTO
Duplicação da BR 163 deverá ser uma das bandeiras do Cidesa nos próximos meses
maio 17, 2021
BOLETIM CORONAVÍRUS
Lucas do Rio Verde registra mais um óbito por covid-19 e número de mortes chega a 143
maio 17, 2021