20.7 C
Lucas do Rio Verde
sábado, 02 julho, 2022
Publicidade
InícioCENÁRIO POLÍTICOAL-MTEm Mato Grosso, lei equipara fenda palatina e fissura labiopalatina às deficiências...

Em Mato Grosso, lei equipara fenda palatina e fissura labiopalatina às deficiências físicas

Texto por CENÁRIOMT

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), para cada 700 pessoas nascidas vivas, uma tem fissura labial e/ou palatina. A malformação congênita tem diferentes graus de comprometimento e o tratamento para reabilitação vai desde o nascimento até a idade adulta. Em Mato Grosso, desde março deste ano, a Lei 11.686/2022, equipara as más-formações congênitas fenda palatina e fissura labiopalatina às deficiências físicas.

Com a lei, apresentada na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) pelo deputado estadual Dr. João (MDB), as pessoas que possuem essa malformação passam a ter acesso a um conjunto de benefícios que busca amenizar os impactos na vida ou viabilizar os tratamentos.


--Continua depois da publicidade--

Os benefícios poderiam ter ajudado a vida da família Martins da Silva que acompanha o tratamento de Vinícius, 5 anos. Natural de Vila Rica (a 1.270 km da capital), Vinícius fez, e ainda faz, todo o tratamento de fissura palatina em Cuiabá, incluindo duas cirurgias e o acompanhamento clínico multidisciplinar. Sua mãe, Rosenilda Martins da Silva, 36, relembra que no começo eles tiveram que superar muitas dificuldades, pois o esposo estava desempregado e ela tinha que vir periodicamente à capital acompanhar o filho.

“A prefeitura deu a passagem e ficamos na casa transitória, mas tínhamos dificuldades. A nossa sorte é que o hospital sempre deu todo o suporte, inclusive a equipe da assistência social para conseguirmos comida e o leite do meu filho”, afirma. Atualmente, Vinícius vem a Cuiabá com espaços maiores de tempo, uma vez que sua reabilitação está adiantada e faz o acompanhamento com médicos otorrinos para acompanhar um problema auditivo desenvolvido por causa da fissura.

Coordenador do Programa de Fissura Labiopalatina do Hospital Universitário Júlio Müller, onde Vinícius faz o tratamento, o cirurgião plástico Fabrício Lucena explica que muitas famílias precisam interromper o tratamento por não ter condições econômicas e emocionais.

“A maioria dos nossos pacientes tem condições socioeconômicas mais precárias, até porque reflete a sociedade que tem na base da pirâmide pessoas menos privilegiadas. E as consultas e terapias têm frequência grande, as pessoas precisam deixar suas atividades para acompanhar, muitas vezes precisam comprar fórmulas para alimentar os recém-nascidos, que são caras. Então esse benefício pode ajudar a dar mais dignidade e realizar o tratamento com maior dignidade”, afirma Fabrício Lucena.


--Continua depois da publicidade--

O deputado e autor da lei, Dr. João, explica que a deformidade congênita pode causar nas pessoas grande limitação social, sofrimento e profunda angústia. “Como médico, sei das limitações que as pessoas sofrem com a patologia no dia a dia, e como deputado escuto demandas sobre o assunto. Por essas razões é justo que se equiparem às pessoas com deficiências físicas para efeitos jurídicos, de modo a serem contempladas na cota mínima legal destinada às pessoas com deficiência”, justifica o parlamentar.

Tratamento – As pessoas com fissura labial e/ou palatina são acompanhadas desde o nascimento até a fase adulta por profissionais de diferentes habilitações, como médicos otorrinos, cirurgiões plásticos, cirurgiões-dentistas, bucomaxilos, ortodontistas, fonoaudiólogos, psicólogos e assistentes sociais para que haja reabilitação total da pessoa.

A cirurgiã-dentista Vivian Braga, que atende no Hospital Júlio Müller, explica que o tratamento bucal vai desde a profilaxia para evitar problemas como cáries, até cirurgias para implante dental e uso de aparelhos ortodônticos. “Quando as crianças chegam ainda pequenas,  nós fazemos a limpeza e ensinamos os cuidadores como cuidar da higiene. Na fase jovem e adulta pode ser necessário um tratamento ortodôntico para alinhar os dentes ou até mesmo implante, em alguns casos”, explica Vivian.

A fonoaudióloga do programa, Tatiane Zerbini de Lima, afirma que muitos pacientes apresentam problemas de fala ou audição por conta da fenda e

do tratamento, e é preciso fazer o acompanhamento para a reabilitação. Nas terapias de fonoaudiologia também são trabalhadas a deglutição.

O pequeno Breno Gabriel, 2 anos, ainda não fez a cirurgia de reconstrução do palato. Apesar da recomendação de que a intervenção ocorra por volta dos 12 meses, ele ainda passa por avaliações genéticas, pois pode ter alguma outra condição relacionada. Tatiane explica que por enquanto ele faz tratamento clínico e já teve avanços na alimentação e fala. Os casos de fissura labiopalatina podem ou não ter associação com outros problemas.

Com relação a quando a cirurgia é realizada, no caso de fissura labial, ela ocorre por volta dos três meses de idade e, quando a fenda é no palato (ou céu da boca), é feita aos 12 meses de vida, geralmente.

Acesso – Para acessar os benefícios da Lei 11.686/2022, o paciente ou familiar deve ter um laudo médico que comprove a malformação e ir direto ao órgão/instituição de cessão do benefício. Por exemplo, para pleitear desconto ou isenção do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) a pessoa deve apresentar o laudo no Detran e na Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz). No caso de autorização para parar em vagas especiais, o documento precisa ser apresentado na prefeitura municipal.


--Continua depois da publicidade--

Em âmbito federal, a pessoa que possui fissura labiopalatina pode recorrer ao Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) para requerer benefício de prestação continuada. Neste caso, é feita uma avaliação para verificar se a pessoa se enquadra nos requisitos do benefício.

Rebeca Moraes
Rebeca Moraeshttps://www.cenariomt.com.br
Redatora do portal CenárioMT, escreve diariamente as principais notícias que movimentam o cotidiano das cidades de Mato Grosso.

Publicidade


Publicidade

Lucas do Rio Verde

SAÚDE
Em visita, parlamentar anuncia recursos para o Hospital São Lucas
julho 01, 2022
PROJETO SOCIAL
Famílias prestigiam formatura da 11ª turma do projeto Bombeiros do Futuro em Lucas do Rio Verde
julho 01, 2022
Em Lucas
Bombeiros combatem incêndio em armazém por quatro horas seguidas
julho 01, 2022
Lucas do Rio Verde
Secretaria Municipal de Saúde divulga alerta sobre toxoplasmose no município
julho 01, 2022