32.6 C
Lucas do Rio Verde
sábado, 02 julho, 2022
Publicidade
InícioCENÁRIO POLÍTICOAL-MTCantora gaúcha lança clipe em defesa dos povos indígenas, com filmagens em...

Cantora gaúcha lança clipe em defesa dos povos indígenas, com filmagens em Mato Grosso

Texto por CENÁRIOMT

A herança dos povos originários no Rio de Janeiro e algumas culturas indígenas mato-grossenses compõem o pano de fundo do Cântico Brasileiro Nº 3 – Kamaiura – Remix, da compositora e cantora Maria Rita Stumpf, clipe lançado nesta quinta-feira (26), nas plataformas digitais da artista.

O clipe de ‘ Kamaiura-Remix’ é um canto em defesa dos povos indígenas e foi filmado na cidade do Rio de Janeiro e na Aldeia Topepeweke, no Território Indígena do Xingu, aqui em Mato Grosso. O vídeo foi contemplado no edital Clipes 2021 da Funarj e, para as captações aqui no Estado, recebeu apoio da Coordenadoria de Integração, Cidadania e Cultura da Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso (Assembleia Social).


--Continua depois da publicidade--

O Cântico Brasileiro Nº 3 já é conhecido dos seguidores da cantora, mas a versão lançada é uma releitura remixada. O clipe tem atuação de Kaingángs e Waujas e o chapadense Henrique Santian assina, junto com Maria Rita, a direção, a edição e o roteiro.

“A Assembleia Social, também gestora do Teatro do Cerrado Zulmira Canavarros, sempre está de portas abertas para apoiar iniciativas culturais, especialmente quando se propõe a valorizar nossos povos tradicionais e as potências humanas e naturais de Mato Grosso”, assinala a coordenadora Daniella Paula Oliveira.

No mesmo dia, nas plataformas de áudio da cantora, foi lançado o quarto álbum de Maria Rita Stumpf, o “Ver Tente”, que mescla canções autorais e regravações de músicas de Milton Nascimento, de Dorival Caymmi, de Djavan, de Ednardo e de Raul Seixas.

 


--Continua depois da publicidade--

Mais sobre  Kamaiura-Remix 

A voz potente da cantora, imagens belíssimas do artista visual Henrique Santian e a presença em cena dos povos tradicionais Wauja e Kaingáng encantam, ao mesmo tempo que denunciam a barbárie.

A origem indígena da cidade carioca, definida pelo nome da etnia Kariok, presente entre outras na chegada dos portugueses, a construção dos Arcos da Lapa pelos povos originários em regime de escravidão, a situação atual de risco dos povos indígenas que ali vivem e também daqueles que habitam a floresta, aliados à beleza de sua arte e forma de vida, criam cenas de grande impacto e encanto que, em tempos de pressa e impaciência, nos fazem querer assistir reiteradas vezes ao clipe de 7 minutos e 47 segundos.

 

Rebeca Moraes
Rebeca Moraeshttps://www.cenariomt.com.br
Redatora do portal CenárioMT, escreve diariamente as principais notícias que movimentam o cotidiano das cidades de Mato Grosso.

Publicidade


Publicidade

Lucas do Rio Verde

EMPOSSADO
Dr. Wagner Godoy assume cadeira na Câmara de Lucas do Rio Verde
julho 02, 2022
CHARME NA PASSARELA
Rainha e Princesas da Expolucas são eleitas em noite de festa
julho 02, 2022
Lucas do Rio Verde
Miguel Vaz assina convênio com Mauro Mendes para construção de mais 50 casas populares
julho 02, 2022
SAÚDE
Em visita, parlamentar anuncia recursos para o Hospital São Lucas
julho 01, 2022