39.7 C
Lucas do Rio Verde
quarta-feira, 22 setembro, 2021
InícioCENÁRIO POLÍTICOAL-MTAudiência discute projeto para a implantação do marco do saneamento básico em...

Audiência discute projeto para a implantação do marco do saneamento básico em MT

Por CENÁRIOMT

A Assembleia Legislativa discutiu na manhã desta quinta-feira (26), o Projeto de Lei nº 614/2021 que dispõe sobre a criação de unidades regionais de saneamento básico no Estado de Mato Grosso. A audiência pública, realizada pelo sistema hibrido (presencial e remoto), reuniu representantes do governo do estado, da Secretaria Nacional de Saneamento, da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), além de outros interessados no tema.

A norma em debate já está em tramitação no Parlamento sob análise das comissões de mérito e atende a Lei Federal nº14.026, de 15 de julho de 2020, que atualiza o Novo Marco Regulatório do Saneamento, aprovado no Congresso Nacional em 2020. Ele determina que estados precisam instituir unidades regionais a partir do agrupamento de municípios para garantir a viabilidade econômica e técnica para os serviços de  abastecimento de água, de esgotamento sanitário e de manejo de águas pluviais urbanas.


--Continua depois da publicidade--

De acordo com o deputado Carlos Avallone (PSDB), que presidiu a audiência, a principal questão é quanto à divisão dos blocos. A proposta prevê a criação de 15 microrregiões que serão responsáveis pelo planejamento, regulação, fiscalização e a prestação, direta ou contratada dos serviços públicos. “Essa etapa é uma das mais importantes, por envolver a necessidade de parceria público-privada. Isso porque tem muito município que não vai conseguir viabilizar isso sozinho e o processo precisa ser feito com muita cautela”, avalia. Segundo ele, não dá pra aprovar uma proposta muito rapidamente porque há dúvidas quanto à viabilização desses blocos. “Precisamos estudar melhor os investimentos e planejar o acompanhamento e a fiscalização para resolver um dos problemas mais complexos do Brasil que é o saneamento. Não dá pra fazer isso na correria” defendeu.

Ele adiantou ainda que, como presidente da Comissão de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Recursos Minerais da Assembleia Legislativa, deve protocolar o pedido para criação de uma comissão especial para ampliar os estudos e discutir as propostas antes de votar o projeto.

A preocupação leva em conta o prazo estabelecido pelo novo regramento federal, que definia o dia 15 de julho como data final para os estados criarem as normas que tratam da regionalização dos serviços de água e esgoto.

O presidente da AMM, Neurilan Fraga, defendeu um estudo mais aprofundado para a divisão das regiões e a possibilidade de diminuir a quantidade de blocos. “Esses blocos, nós avaliamos, a princípio, que alguns podem ter inviabilidade econômica e financeira pela forma da divisão. A Lei coloca com muita clareza que tem que ser feito os arranjos de forma que os municípios médios e pequenos não fiquem no prejuízo e possam ser beneficiados com investimentos”, defendeu. Segundo ele, a divisão em 15 não seria a mais recomendada para Mato Grosso, considerando que o estado não possui companhia de saneamento e somente 35 cidades dispõem de um sistema próprio, os demais não têm condições de implantar e manter esse serviço.


--Continua depois da publicidade--

A apresentação de uma proposta sustentável também foi defendida pelo superintendente regional da Funasa, Francisco Holanildo Silva Lima. Ele explica que o marco delega hoje aos estados a competência para definir os blocos, mas que a divisão proposta pelo governo seria inviável financeiramente. “Nós entendemos, com a experiência que temos dentro saneamento, que esse número é muito alto, não só pelo número, mas pelos fatores regionais que não estão sendo levados em conta”, destacou. Holanildo disse que o órgão espera poder do estudo que levou a divisão para poder contribuir com uma melhor definição.

Levando em consideração o prazo e as demandas apresentadas pelos participantes, o representante da Secretaria Nacional de Saneamento, André Galvão, afirmou que o órgão está aberto para criar uma parceria e ampliar os estudos para elaboração de um projeto mais adequado, caso seja necessário. A principal preocupação, segundo ele, é aprovar e dar início quanto antes ao projeto para implantar a  prestação dos serviços públicos de água potável e esgotamento sanitário, com garantia de viabilidade econômica e financeira para construção das estruturas e prestação dos serviços, que preveem a parceria com a iniciativa privada nos investimentos, para chegar a todos os municípios.

Rebeca Moraeshttps://www.cenariomt.com.br
Redatora do portal CenárioMT, escreve diariamente as principais notícias que movimentam o cotidiano das cidades de Mato Grosso.

Redes sociais

107,337FãsCurtir
17,057SeguidoresSeguir
2,036SeguidoresSeguir

Lucas do Rio Verde

Lucas do Rio Verde
Equipe de karatê de Lucas do Rio Verde conquista segunda colocação em competição nacional
setembro 22, 2021
TOP 4 NACIONAL
Cercado de expectativa, Show Safra 2022 é lançado em Lucas do Rio Verde
setembro 22, 2021
PROCURA-SE
Adolescente residente em Lucas do Rio Verde segue desaparecida: menor que ‘foi localizada’ também havia saído de casa
setembro 22, 2021
FIQUE ATENTO
Prova pra seleção de conciliador da Justiça de Lucas do Rio Verde será no domingo (26)
setembro 22, 2021