22.4 C
Lucas do Rio Verde
terça-feira, 17 maio, 2022
Publicidade
InícioARTIGOSÉ possível tratar dados sem autorização do titular?

É possível tratar dados sem autorização do titular?

Advogado diz que sim, uma vez que o pedido de permissão pode gerar burocracia e insegurança, inviabilizando atividade do agronegócio
Mombak Comunicação Estratégica

Em vigor desde setembro do ano passado, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) ainda gera dúvidas entre os brasileiros, sobretudo em relação ao tratamento de dados sem o consentimento do titular. É necessário, por exemplo, a empresa de agronegócio pedir permissão de colaboradores, parceiros e clientes para usar dados pessoais desses para se defender de uma ação judicial?  O advogado Luiz Felipe Calábria, do escritório Lima Netto Carvalho Abreu Mayrink, assegura que não.

“A LGPD não proíbe o tratamento de dados pessoais sem o consentimento do titular”, diz o advogado. Segundo ele, o consentimento é apenas uma das hipóteses em que o tratamento é permitido. “E, na maioria dos casos, a obtenção do consentimento não é o procedimento mais adequado, pois, além de aumentar a burocracia, abre a possibilidade de o titular não autorizar o tratamento, o que pode trazer insegurança ou mesmo inviabilizar a atividade empresarial”, alerta Luiz Felipe.


--Continua depois da publicidade--

No caso do agronegócio, as hipóteses que possivelmente serão mais usadas pelas empresas são o cumprimento de obrigação legal ou regulatória; a execução de contratos com o titular; o exercício de direitos em processos; o legítimo interesse da empresa; e a proteção do crédito e prevenção de fraudes.

Nos casos em que a finalidade do tratamento é o cumprimento de obrigação legal ou regulatória, Luiz Felipe Calábria diz que o produtor não precisa de consentimento do titular. “Por exemplo, no caso de venda de produtos, há situações em que a legislação exige a emissão de notas fiscais com identificação do comprador. Nesses casos, o produtor pode coletar os dados necessários para emissão da nota (como nome, e-mail, telefone, CPF) e transmitir esses dados ao Poder Público, sem necessidade de autorização do titular”, diz. Ele cita como outro exemplo, no âmbito das relações de trabalho, a coleta e armazenamento dos dados necessários para pagamento das contribuições sociais do empregado – que independe da autorização deste, já que o empregador tem a obrigação legal de fazer tais recolhimentos.

A empresa do agronegócio também não precisa de autorização do titular quando o tratamento dos dados tiver a finalidade de cumprir o contrato celebrado entre eles. Por exemplo, a empresa pode coletar e armazenar, mesmo sem autorização do titular, os dados necessários para qualificar seu parceiro comercial no contrato (nome, nacionalidade, estado civil, profissão, identidade, CPF, endereço comercial, e-mail, telefone) ou mesmo dados necessários para cumprir suas obrigações contratuais, como é o caso de dados bancários (caso o pagamento deva ocorrer por transferência bancária) ou endereço residencial (caso algum produto deva ser entregue nesse local). Essa hipótese, conforme Luiz Felipe, também é bastante utilizada no âmbito das relações de trabalho, já que o empregador pode se obrigar a oferecer ao empregado uma variedade de benefícios (seguro de vida, plano de saúde, etc.) e precisa de dados do empregado para cumprir essas obrigações.

O empresário do agronegócio poderá usar ainda dados pessoais de colaboradores, parceiros e/ou clientes sem a permissão do titular para se defender em uma ação judicial ou em algum processo administrativo, como autos de infração, licenças ambientais etc.


--Continua depois da publicidade--

Já o legítimo interesse é a hipótese mais ampla (e, assim, mais vaga) de utilização de dados pessoais sem autorização do titular. De acordo com Luiz Felipe Calábria, a LGPD dá alguns exemplos de interesses considerados legítimos: o apoio e promoção de atividades da empresa; a proteção dos direitos do titular; e a prestação de serviços que beneficiem o titular. No entanto, existem duas importantes restrições: o legítimo interesse não pode ser utilizado como justificativa para o tratamento de dados pessoais considerados sensíveis (origem racial ou étnica, convicção religiosa, opinião política, filiação a sindicato ou a organização de caráter religioso, filosófico ou político, dado referente à saúde ou à vida sexual, dado genético ou biométrico).

E mais: sempre que utilizar o legítimo interesse como justificativa para o tratamento de dados, a empresa deverá elaborar e manter arquivado um relatório de impacto à proteção de dados pessoais, que poderá ser solicitado a qualquer tempo pela fiscalização, a fim de verificar se o tratamento realizado realmente poderia ser justificado no legítimo interesse. Por isso, é preciso cautela e responsabilidade na utilização dessa hipótese legal.

Para evitar fraudes ou proteger o crédito, a empresa pode consultar o nome de eventuais parceiros/clientes em órgãos como Serasa ou em cartórios de protesto ou tribunais, independentemente do consentimento desses parceiros/clientes.

Por fim, o advogado Luiz Felipe Calábria cita outras hipóteses legais que independem de consentimento, mas que não são tão relevantes para o agronegócio, como a proteção da vida, saúde ou incolumidade física de pessoas; a realização de estudos por órgãos de pesquisa; a execução de políticas públicas pela administração pública.

Publicidade


Publicidade

Lucas do Rio Verde

Lucas do Rio Verde
Poda de árvores visa melhorar a iluminação pública em Lucas do Rio Verde
maio 17, 2022
SEGURANÇA PÚBLICA
Lucas do Rio Verde: Vereador acredita ser possível instalar posto policial para atender comunidades rurais
maio 17, 2022
Lucas do Rio Verde
Prefeitura de Lucas do Rio Verde inicia reforma para reativar PSF de Itambiquara
maio 17, 2022
Lucas do Rio Verde
Lucas do Rio Verde marca presença no 22º Encontro Regional do Congemas
maio 17, 2022