28 C
Lucas do Rio Verde
segunda-feira, 08 agosto, 2022
Publicidade
InícioCENÁRIO AGRORede de troca de sementes tradicionais entrega mais de 2 toneladas de...

Rede de troca de sementes tradicionais entrega mais de 2 toneladas de sementes a comunidades de Mato Grosso

Texto por André Souza

A Rede de troca de sementes tradicionais em Mato Grosso distribuiu dois mil e quinhentos quilos de sementes e mudas nativas livres de agrotóxicos para 40 comunidades de Mato Grosso, Brasil. A ação tem apoio da Coordenadoria Ecumênica de Serviço (CESE), é originário do Grupo em Intercâmbio em Agroecologia (GIAS), composto por mais de 40 organizações e movimentos socioambientais do Estado de Mato Grosso, algumas dentre elas: Conselho Indigenista Missionário (CIMI), Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional (FASE), Centro Tecnologia Alternativa, Associação da Comunidade Negra Rural Ribeirão da Mutuca (ACORQUIRIM), Comissão Pastoral da Terra (CPT), Movimento dos Trabalhadores/as Rurais Sem Terra (MST), Associação da Comunidade de agricultores/as de São Manoel do Parí, MST, Associação Regional de Produção Agroecológica (ARPA), Associação Guadalupe Agroecológica (AGUA), e Animadoras e animadores de sementes da rede de troca de sementes do GIAS.

Ao todo foram entregues 17 variedades de sementes e mudas tradicionais, como arroz, feijão, milho, banana, mandioca, adubação verde, entre outras, doadas a 40 comunidades rurais de Mato Grosso – Comunidades Tradicionais, quilombolas, aldeias indígenas, assentamentos da reforma agrária e grupos de agroecologia, totalizando 2,5 toneladas de sementes e mudas distribuídas. A aquisição destas sementes foi via agricultores/as, guardiões e multiplicadores de sementes nativas em Mato Grosso e região Centro Oeste.


--Continua depois da publicidade--

Fran Paula, engenheira agrônoma e educadora da FASE MT, conta que essas variedades “são alimentos da cultura alimentar dos agricultores/as do estado e é importante porque vai fortalecer a agroecologia no Mato Grosso, considerando que as sementes são o principal princípio da produção agroecológica, e saudável, garantido a origem das sementes que não sejam quimicamente tratadas com agrotóxico, e transgênicas em um período de aumento da fome e de insegurança alimentar que atinge essas comunidades”. As ações do Projeto estão no segundo ano devido “às áreas de produção de comunidades tradicionais, quilombolas, indígenas, agricultores/as familiares, estarem sofrendo com as mudanças climáticas, como os períodos de seca e às queimadas dos últimos anos”, prossegue Fran.

Além da aquisição e distribuição das sementes e mudas nativas livres de agrotóxicos e transgênicos, é adotado um protocolo de uso das sementes e monitoramento das trocas para alimentação do BIS (Banco de Informações de Sementes), um Banco digital que contém registros de cadastro e sementes realizados pela rede nos últimos 20 anos, e também contou com a estruturação da Casa de Sementes Tarumã, da Associação Guadalupe Agroecológica (AGUA), no município de Alta Floresta, cuja comunidade tem o histórico de coleta de sementes florestais. A Casa Tarumã, elo do Instituto Ouro Verde, é articulada com a Rede de Sementes do Portal da Amazônia, um movimento coordenado por grupos de agricultores familiares e organizações não governamentais de facilitação ao acesso às sementes florestais para as ações de recuperação ambiental estimulando a conservação de variedades, as práticas tradicionais e ancestrais dos povos em seus territórios.

Na perspectiva da manutenção e conservação de espécies de sementes, mudas e animais com risco de extinção frente a perda da biodiversidade crescente no estado de Mato Grosso, a iniciativa do GIAS, através das ações em redes para restauração do Pantanal e outros biomas impactados pela seca e incêndios, cujo objetivo também é comunicar sobre a importância da conservação da biodiversidade local e a manutenção de nossas florestas, “criando um fluxo intenso de troca genética, social e cultural entre comunidades e povos”, conforme a coordenadora adjunta do CIMI, Natália Bianchi Filardo.

“A situação de pandemia, o período de seca aliado às queimadas de 2020 nas comunidades quilombolas, indígenas, tradicionais, ribeirinhas, fizeram com que o GIAS, tomasse uma iniciativa”, diz Aline Mialho, agente da CPT. (André Souza)


--Continua depois da publicidade--
© CenárioMT
© CenárioMThttps://www.cenariomt.com.br
CenárioMT - Publicamos notícias diariamente no portal! Notícias em primeira-mão e informações de bastidores sobre o que acontece em Mato Grosso.

Publicidade


Publicidade

Lucas do Rio Verde

TRÂNSITO
Médica veterinária morre em grave acidente na BR-163; Era moradora de Lucas do Rio Verde
agosto 08, 2022
SALDO POSITIVO
No encerramento da Expolucas 2022, Binsfeld faz avaliação positiva do evento
agosto 08, 2022
EM LUCAS DO RIO VERDE
Último prêmio de R$ 10 mil da Expolucas 2022 sai para três luverdenses
agosto 08, 2022
ELEIÇÕES 2022
Vereadores de Lucas do Rio Verde confirmam candidaturas a ALMT e à Câmara Federal
agosto 07, 2022