30.7 C
Lucas do Rio Verde
domingo, 26 setembro, 2021
InícioCENÁRIO AGROLa Niña e os impactos na safra de verão

La Niña e os impactos na safra de verão

Por Autor: CELSO LUIZ DE OLIVEIRA FILHO | AGROMETEOROLOGISTA

Em sua última atualização, a Agência Americana de Meteorologia e Oceanografia (NOAA) afirmou que há chance de até 70% do desenvolvimento de um novo fenômeno La Niña até o fim de 2021.

A notícia arrepiou dos pés à cabeça muitos produtores Brasil afora. Isso porque o atraso da regularização da chuva na primavera do ano passado gerou problemas em cascata, fazendo com que quase metade da segunda safra de milho fosse instalada fora da janela ideal.


--Continua depois da publicidade--

O resultado foi uma baixíssima produtividade associada à estiagem e às geadas.

Figura 1 – Gráfico com a probabilidade de desenvolvimento do fenômeno La Niña (barras em azul) para os próximos trimestres. (Fonte: CPC/IRI)

 

De fato, o fenômeno La Niña, que é o resfriamento das águas superficiais do oceano Pacífico equatorial faz com que a regularização da chuva atrase no Brasil. As frentes frias avançam de forma mais costeira e nem sempre canalizam a umidade da Amazônia. Além disso, a própria chuva da Amazônia costuma despertar de forma mais tardia sob um Pacífico frio. Mas o atraso observado no ano passado não foi gerado apenas pelo La Niña. Os fenômenos La Niña e El Niño têm um marketing bem significativo, não sem razão. São os fenômenos que mais mexem com o padrão de chuva e temperatura no Brasil. Mas estamos rodeados também pelo oceano Atlântico, que influencia o Clima no Brasil.


--Continua depois da publicidade--

E até mesmo o oceano Índico, do outro lado do mundo, de vez em quando dá uns pitacos na chuva e temperatura em terras brasileiras. Então é importante perceber o peso de cada fenômeno ou oceano e entender quais serão as semelhanças e diferenças comparando-se a safra passada com a próxima.

No ano passado, além do resfriamento do Pacífico, observou-se grande aumento da temperatura do oceano Atlântico Norte. Tanto que a quantidade de furacões em 2020 foi recorde. Um outro efeito do aquecimento é fazer com que chova mais intensamente sobre o Hemisfério Norte (Américas do Norte e Central) que na América do Sul. Observa-se um atraso ainda maior da regularização da chuva quando o Atlântico Norte aquece.

Já neste ano, o Atlântico não está tão aquecido. Ainda existe o La Niña, que fará com que a regularização da chuva demore mais que o normal, mas não há expectativa de nada excepcional. Então, uma boa notícia para os produtores do Sudeste, Centro-Oeste, Norte e Nordeste é que a largada do plantio não será tão tardia como em 2020, o que pode fazer com que a segunda safra de milho também não sofra tanto como aconteceu no primeiro semestre deste ano.

Figura 2 – Gráfico com a oscilação da temperatura do oceano Atlântico nos últimos 12 meses: no ano passado o Atlântico Norte estava mais quente, atrasando a regularização da chuva no Brasil – (Fonte: UNIFEI).

No Sul, embora a chuva seja mais frequente em setembro sobre o Rio Grande do Sul e em outubro em Santa Catarina e Paraná, a partir de novembro, veremos chuvas mais espaçadas e o surgimento de veranicos e estiagens regionalizadas, que podem diminuir a produtividade de milho e soja. Isso também vale para a Argentina e Paraguai, países que correm maior risco de estiagens a partir do fim do ano.

Por outro lado, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso e as Regiões Norte e Nordeste devem ter um verão e início de outono mais chuvosos. Se por um lado, a chuva frequente diminui o risco de perdas por baixa umidade do solo, a precipitação mais frequente pode atrapalhar atividades de campo, inclusive da colheita da soja e instalação da safrinha. Além disso, chuva persistente também aumenta a chance de apodrecimento de maçãs do algodão.

Figura 3 – Mapas com a previsão de probabilidade de chuva acima (verde e azul) ou abaixo (amarelo e marrom) da média nos próximos trimestres setembro-outubro-novembro e dezembro-janeiro-fevereiro.

© CenárioMThttps://www.cenariomt.com.br
CenárioMT - Publicamos notícias diariamente no portal!

Redes sociais

107,341FãsCurtir
17,057SeguidoresSeguir
2,040SeguidoresSeguir

Lucas do Rio Verde

TRISTEZA NA PEDREIRA
Bombeiros resgatam corpo de homem que se afogou em Lucas do Rio Verde
setembro 26, 2021
Lucas do Rio Verde
Corrida Setembro Amarelo é marcada pela alegria e boa participação dos luverdenses
setembro 26, 2021
LUTO
Caminhoneiro que residia em Lucas do Rio Verde é encontrado morto no interior do Paraná
setembro 26, 2021
Lucas do Rio Verde
PRIMEIRA DOSE - Luverdenses de 18 anos completos ou mais são convocados para vacinação contra a Covid-19
setembro 25, 2021