18.5 C
Lucas do Rio Verde
domingo, 03 julho, 2022
Publicidade
InícioCENÁRIO AGROArrecadação de ICMS sobre o etanol aumentou 221% nos últimos cinco anos

Arrecadação de ICMS sobre o etanol aumentou 221% nos últimos cinco anos

Texto por CenarioMT com UNEM

A arrecadação de ICMS (Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços) sobre o etanol mais que dobrou nos últimos cinco anos em Mato Grosso. Na safra 2017/2018, a comercialização dos biocombustíveis gerou uma receita de R$ 297,55 milhões, em valores atualizados. Ano passado, a arrecadação saltou para R$ 955,09  milhões, segundo dados da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz).

O salto na arrecadação tem relação direta com o aumento do parque industrial no estado. No período analisado, de 2017 a 2022, a produção de etanol em Mato Grosso triplicou, passando de 1,49 bilhão de litros na safra 2017/2018 para 4,07 bilhões de litros na última temporada, incremento viabilizado pela consolidação das indústrias de etanol à base de milho no estado. O biocombustível à base de milho corresponde atualmente a 75% do volume total do etanol mato-grossense.

De acordo com o presidente-executivo da União Nacional do Etanol de Milho (Unem), Guilherme Linares Nolasco, para produzir mais de 3 bilhões de litros de etanol de milho ao ano, vultuosos investimentos foram alocados em tecnologia, gerando milhares de empregos, impostos e renda. “O setor consolidou incentivos imensuráveis aos produtores de milho, florestas plantadas e todas as cadeias de proteínas animal que utilizam coprodutos da produção do etanol de milho na dieta animal”, detalha.

Outra importante contribuição do setor foi que, com a verticalização da produção, o perfil da arrecadação sobre o milho mudou. Ao exportar uma tonelada do cereal, o Estado arrecada R$ 11,39. Porém, ao transformar uma tonelada de milho em etanol, óleo e farelos, este valor salta para R$ 96,53.

Atualmente, a cadeia do etanol está entre os principais contribuintes do Estado de Mato Grosso, com perspectivas de ampliar a contribuição a partir da concretização de novos projetos de construção e ampliação de usinas.

“Classificar a cadeia do etanol como o setor que mais sonega impostos é, no mínimo, leviano e irresponsável e não condiz com a realidade. A cadeia do etanol de milho continuará contribuindo com o desenvolvimento sustentável de Mato Grosso, atraindo investimentos em um modelo de economia circular que fomenta diferentes segmentos envolvidos”.

Nolasco reforça que a Unem continuará trabalhando para viabilizar a produção de energia limpa e renovável, que gera empregos, arrecada impostos e promove ganhos econômicos e sociais para a população.

“A entidade apoia ações objetivas para coibir e responsabilizar com rigor a sonegação fiscal e não deixará que práticas ilegais coloquem em descrédito de forma generalizada um setor que tanto contribui para o crescimento de nossa região”, afirma o presidente da Unem.

João Ricardo
João Ricardohttps://www.cenariomt.com.br
Possui experiência em produção textual e, atualmente, dedica-se à redação do CenárioMT produzindo conteúdo sobre a região norte de Mato Grosso.

Publicidade


Publicidade

Lucas do Rio Verde

Lucas do Rio Verde
Cultura realiza exposição de telas e quadros no Paço Municipal
julho 02, 2022
Lucas do Rio Verde
Invasão de área pública é crime e pode desclassificar famílias em programas habitacionais
julho 02, 2022
CAUTELAR INOMINADA
Ministério Público anula liberdade provisória de preso em Lucas do Rio Verde
julho 02, 2022
EMPOSSADO
Dr. Wagner Godoy assume cadeira na Câmara de Lucas do Rio Verde
julho 02, 2022