Motorista que provocou acidente e matou família ao dirigir embriagado em MT vai responder a 4 crimes

0
Foto: Divulgação

O motorista de 27 anos, suspeito de matar quatro pessoas da mesma família ao dirigir embriagado na MT -208, próximo a Alta Floresta, a 800 km de Cuiabá, foi autuado por quatro homicídios qualificados, por embriaguez ao volante, pelo crime de se afastar do local do acidente, e por lesão corporal qualificada pela embriaguez.

O acidente ocorreu no domingo (3). Segundo o delegado Vinicius de Assis Nazário, o suspeito dirigia uma caminhonete que atingiu o carro de uma família. De acordo com a polícia, ele estava sob influência de álcool e se recusou a fazer o teste do bafômetro.

As vítimas foram identificadas como Jacinto Faquinello, de 50 anos, a mulher dele, Elizandra Aparecida de Feitas, de 34, o filho deles, João Vitor Freitas, de 5 anos, e a sobrinha do casal, Nicoli Gabrieli Rodrigues de Freitas, de 9 anos.

O delegado disse que, conforme as investigações, o motorista fez uma ultrapassagem indevida, onde existia uma dupla faixa contínua, e bateu de frente com o carro da família.

“Estava em uma subida e não viu o outro veículo [das vítimas] vindo no sentido contrário. Eles colidiram e três vítimas vieram a óbito, praticamente, no local, e outra no Hospital Regional”, contou.

Segundo Vinicius, o motorista fugiu do local do acidente. Ele estava com a namorada e teria pego carona com uma amiga que passava no local. De acordo com o delegado, o suspeito deixou a namorada no hospital e disse aos enfermeiros que retornaria no local do acidente, mas isso não ocorreu.

“Ele procurou um hospital particular da cidade e pediu para ser internado, pois havia se ferido no acidente. Ele também teria pedido aos médicos para não chamarem a polícia. Os familiares dele estiveram no hospital e também pediram para que a polícia não fosse chamada”, disse.

No entanto, os policiais descobriram que o motorista estava no hospital particular. No local, a polícia tentou fazer o teste do bafômetro nele, mas o suspeito teria se recusado por duas vezes.

A médica que atendeu o motorista relatou à polícia que ele deu entrada no hospital com odor etílico.

O motorista está preso em flagrante no hospital com escolta policial.


Amazonia 03 de Junho