;
;
;
;
;
;

 

 

O 34º Vinde e Vede encerrou nesta terça-feira (25), e, além de muita festa, louvor, orações, missa e pregações, o evento deixa exemplos de voluntariados. Segundo o Arcebispo de Cuiabá, Dom Milton Santos, esta edição do Vinde e Vede bateu recorde de trabalho voluntário. “Geralmente de 500 a 600 servos trabalham e este ano chegamos a mil pessoas trabalhando voluntariamente para fazer essa linda festa de Carnaval. Sem eles não seria possível transformar o Memorial João Paulo II na cidade da fé, que mais uma vez recebeu cerca de 150 mil pessoas em quatro dias de evento”, declarou.

Paula Siqueira, por exemplo, trabalha voluntariamente no Vinde e Vede há pelo menos 20 anos. “Trabalho no Vinde e Vede desde que ele era realizado do Estádio Governador José Fragelli. Já ajudei muitos anos na cozinha, este ano trabalhei na equipe de limpeza e foi bastante satisfatório. Gosto de doar meu tempo para o trabalho da igreja pois entendo que estou ajudando a Deus a salvar almas”.

As amigas Merle Mattos e Viviane Nifossi, fazem parte da Comunidade Fraterna do Amor e este foi o segundo ano que trabalham como voluntárias, e afirmam que o serviço é gratificante. “Fazemos parte da equipe da limpeza. Durante os quatro dias de evento nos revezamos em grupos de 10 pessoas, ou seja 40 no total, que ficaram responsáveis pela limpeza dos banheiros públicos. É um trabalho gratificante sim, pois fazemos com carinho para que todos se sintam bem-vindos e queiram voltar ao Vinde e Vede no ano seguinte. É bom ver o sorriso no rosto das pessoas e saber que estão satisfeitas com nosso trabalho”, declarou Merle Mattos.

O casal Geraldo Ataíde de Souza e Eliane de Souza Santos, pertencem à Paróquia Nossa Senhora das Graças localizada na comunidade Santa Luzia em Várzea Grande, também participam voluntariamente desde que o evento era realizado do Verdão. Este ano ficaram responsáveis por uma das barracas de bebidas e afirmam que o trabalho voluntario é uma forma de retribuir a Deus as graças recebidas.

Trabalhando como “Anjo da Guarda”, as amigas Isadora Samira da Costa, Kailany Damasceno de Campos e Mariane Camilote, relatam que além de trabalhar nos eventos da igreja se empenham em campanhas sociais. “Minha família é católica e sempre foi envolvida em trabalhos e ações da igreja. Foi dessa forma que eu ingressei no trabalho voluntário. Eu tenho 20 anos, sou jovem e quero que outros jovens vejam esse caminho maravilhoso que pode ser vivido longe de bebidas e drogas”, disse Isadora.

Além do trabalho aqui no Vinde e Vede de assistência às pessoas como ‘Anjo da Guarda’ estamos fazendo rifas para adquirir novos coletes e estamos sempre prontas a ajudar em ações sociais”, disse Mariane Camilote.

Na praça de alimentação, responsável pela venda dos doces, uma das representantes da Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe da comunidade Divina Misericórdia em Cuiabá, explicou que o trabalho voluntário consiste em doar o tempo para ajudar o próximo. “Mas se pensarmos bem, essa atitude vai muito além disso. Quando nos dedicamos a algo ou a alguém por vontade própria e sem receber nada em troca a verdade é que estamos contribuindo mais com nós mesmos do que com os outros. Porque esse tipo de atividade é uma troca que nos modifica em diversos aspectos como seres humanos”, disse Taiane Gonzaga dos Santos.

Tilomar Simone Bispo Vital trabalha como voluntária pela primeira vez e trouxe seus dois filhos para ajudar. “Moro em Santo Antonio do Leverger, apesar de ser um pouco longe para vir todos os dias achei que ia ficar cansada, mas não. É bastante gratificante trabalhamos com a evangelização de crianças, foi muito bom”.

O brigadista Edinei Alvarenga do Rosário, afirma que desempenha a função voluntariamente no Vinde e Vede há seis anos. “Já fui voluntário em outras funções, mas a de brigadista para mim é mais importante por estar responsável pelas vidas das pessoas”, declarou. Ao todo 25 pessoas trabalharam como brigadistas durante o 34º Vinde e Vede.

Texto e fotos: Rafaela Maximiano DRT/MT-1120

 

MAIS NOTÍCIA