“Não há diretrizes para combater novo coronavírus: diz perito

Especialistas avaliam eficácia de quarentena em navio no Japão

0

Especialistas da área de saúde estão avaliando a eficácia da quarentena que está sendo realizada no Japão e em outros países para evitar a propagação do novo coronavírus (covid-19). Alguns consideram insuficientes as medidas de prevenção tomadas no navio de cruzeiro Diamond Princess, que está atracado em Yokohama. Para a Organização Mundial da Saúde (OMS), é cedo demais para avaliar a situação, já que os especialistas estão em uma corrida contra o tempo para compreender melhor a natureza do vírus.

O epidemiologista sênior da OMS Matthew Griffith é um consultor técnico que tem analisado epidemias e está assessorando autoridades japonesas. Ele afirma que, como o vírus é um alvo em movimento, é difícil coletar informações sobre o agente infeccioso e, ao mesmo tempo, prestar tratamento a contagiados.

Griffith afirma: “Antes de nós, ninguém lidou com esta situação, com o novo coronavírus, um novo agente infeccioso presente em um navio com 4 mil pessoas a bordo. Não há diretrizes para enfrentá-la. Não existem experiências prévias capazes de ajudar.”

Críticas vêm se intensificando no Japão e fora do país. Alguns especialistas do setor questionam se a quarentena no Diamond Princess devia mesmo ter sido realizada por duas semanas após a chegada do navio a Yokohama.

Quarentena de infectados pelo coronavírus

O Instituto Nacional de Doenças Infecciosas informou que o novo coronavírus continuou a se espalhar a bordo, mesmo depois de os passageiros terem sido orientados a permanecer em sua própria cabine como medida de quarentena.

O epidemiologista comenta: “Dadas as características do navio, foi impossível isolar individualmente todos a bordo. Quando a embarcação atracou, estavam nela 4 mil pessoas e não havia aposentos suficientes para isolá-las individualmente.”

Griffith ressaltou que as decisões sobre quarentena são sempre uma média ponderada entre cautela e viabilidade prática. Acrescentou que o mundo está em território desconhecido e que, pela natureza sem precedentes do coronavírus, levará tempo até que os peritos conheçam o melhor caminho para combatê-lo.

*Emissora pública de televisão do Japão

Casos investigados no Brasil

Na última sexta-feira (14), o Ministério da Saúde informou que investiga quatro casos suspeitos de infecção pelo novo coronavírus no Brasil. Das quatro pessoas ainda sob suspeita de ter o vírus, cujo epicentro ocorreu na cidade chinesa de Wuhan, há uma criança de 2 anos, um adulto de 56 anos e duas pessoas na faixa dos 20 anos. Duas pessoas são do sexo masculino e duas são mulheres. Todos têm histórico de viagem à China, mas não a Wuhan.

 

Quais são os sintomas do coronavírus (nCoV-2019)?

Os sinais e sintomas clínicos do novo coronavírus são principalmente respiratórios, semelhantes a um resfriado. Podem, também, causar infecção do trato respiratório inferior, como as pneumonias.

Os principais são sintomas são:

  • Febre.
  • Tosse.
  • Dificuldade para respirar.